Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

NO EMBALO DE ESPIRAL

De desafios insanos a armadilhas mortais: Os cinco jogos mais macabros da ficção

DIVULGAÇÃO/LIONSGATE

Marcus Banks (Samuel L. Jackson) visto de baixo para cima com braços e pernas presos por hastes metálicas em cena do filme Espiral: O Legado de Jogos Mortais

Marcus Banks (Samuel L. Jackson) em Espiral: O Legado de Jogos Mortais; filme tem novas armadilhas

LUÍS FELIPE SOARES

luis@noticiasdatv.com

Publicado em 19/6/2021 - 6h20

A estreia do longa-metragem Espiral: O Legado de Jogos Mortais nos cinemas na última quinta (17) trouxe de volta a popularidade de brincadeiras agoniantes e macabras nas telas. De desafios insanos a armadilhas mortais, séries e filmes têm aproveitado para brincar com o público com suspense e terror ao longo dos anos. Isso inclui a história que serviu de base para a atração em cartaz nas salas brasileiras.

A TV e o cinema abusam do aspecto visual para tentar fazer com que o público sinta o máximo de medo e tensão possível, principalmente quando a morte parece iminente. A adrenalina em saber se os personagens irão sobreviver é a principal atração desse tipo de material.

As histórias têm a missão de fazer com que boa parte da trama tenha sentido e que as brincadeiras insanas, as prisões e as armadilhas mostradas fiquem o mais perto da realidade possível. A aversão sobre o que pode ocorrer geralmente perde para a curiosidade de saber detalhes mortais.

O Notícias da TV lista cinco atrações da ficção com alguns dos jogos mais macabros e perigosos já mostrados na tela. Entre as opções, há o legado de um assassino em série, desafios nada tranquilos para adolescentes, jornada de amigos para sobreviver em Tóquio, os perigos de uma rede social underground e o drama para enfrentar oponentes em um battle royale distópico. Confira:

DIVULGAÇÃO/LIONSGATE

Armadilha de urso reversa em Jogos Mortais

  • Jogos Mortais: A franquia de terror Jogos Mortais abusa da tensão e do estilo gore para fazer o público suar frio enquanto observa as vítimas em cena lutando para sobreviver. Os filmes são marcados por armadilhas macabras que exploram diferentes tipos de medo e dor para chamar a atenção.

    O primeiro longa, Jogos Mortais (2004) apresenta a base do enredo: um assassino misterioso, chamado Jigsaw (Tobin Bell), escolhe pessoas com histórias específicas para lidar com atos agonizantes, dando a todos uma chance de continuar a viver caso sejam fortes o bastante. Os sobreviventes são marcados com uma cicatriz em forma de quebra-cabeças, e a polícia tentar encontrar padrões para detê-lo.

    A história em torno de Jigsaw cresce a cada novo capítulo e envolve apoiadores do protagonista, conexões entre personagens e diversos mistérios. Mas as atenções se voltam para as prisões e os desafios para escapar. Armadilha de urso reversa na boca, piscina de agulhas, caixa com lâminas, cadeira com facas, copos com ácido e uma roleta de espingardas são só algumas ideias colocadas em prática.

    Depois de a trama principal ter sido encerrada, uma espécie de reboot acontece com Espiral: O Legado de Jogos Mortais, com os atores Chris Rock e Samuel L. Jackson como policiais que investigam um imitador do vilão original. O longa-metragem chegou nesta semana aos cinemas brasileiros depois de diversas mudanças no calendário.

    Uma série derivada está nos planos da Lionsgate para um futuro próximo. Ainda não há previsão de estreia. Os seis primeiros filmes da cinessérie estão no catálogo do Prime Video.

  • Panic: Outra atração recente que envolve jogos perigosos é Panic, nova aposta do Prime Video. Na produção original, a pequena cidade de Carp, no Texas, não tem muitos atrativos para que os jovens locais passem o tempo. Um bizarro desafio chamado Pânico é aberto para que os formandos do Ensino Médio possam provar sua coragem e loucura durante o verão.

    Ninguém sabe direito como tudo começou e somente os adolescentes têm conhecimento de detalhes do evento, mesmo que ninguém saiba quem esteja por trás da organização. A cada ano, novos candidatos surgem para enfrentar as provas, que podem envolver pular de um penhasco no rio, atravessar a rodovia de olhos vendados, ser enterrado vivo durante certo tempo ou invadir a fazenda do homem mais bravo da cidade, entre outras ideias.

    A intenção é levar a adrenalina até as últimas consequências, com alguns medos específicos de certos participantes sendo trazidos à tona e histórias estranhas do passado, inclusive conhecidos que foram mortos, mexendo com os nervos da nova geração. Cada desafio rende pontos. Quem tiver a maior pontuação, leva um prêmio em dinheiro.

    Os episódios acompanham o drama de Heather Nill (Olivia Welch), que sonha em deixar Carp e cursar a faculdade. Em meio a problemas com a mãe e a difícil realidade social, ela toma coragem para participar do Pânico e brigar por US$ 50 mil (cerca de R$ 257 mil). A trama também envolve outros personagens envolvidos nos jogos e a investigação policial, que quer acabar com tudo antes que mais mortes aconteçam.

    A primeira temporada de Panic estreou no Prime Video em maio e conta com dez episódios.

  • Alice in Borderland: A Netflix buscou nos mangás uma história que mistura aventura, tensão, suspense e sadismo. Trata-se da adaptação para as telas de Alice in Borderland, sobre um grupo de jovens que deixa o mundo real para aparecer em uma versão paralela de Tóquio, no Japão, onde ocorre um desafio que eles precisam jogar para sobreviver.

    Arisu, Chota e Karube estão de bobeira pela metrópole oriental e algumas de suas brincadeiras pelas ruas chama a atenção da polícia. O trio se esconde em um banheiro do metrô e, depois de um apagão, deixa o local e percebe que as pessoas desapareceram. Enquanto tentam imaginar o que aconteceu, eles começam a entender as pistas de um estranho jogo do qual fazem parte agora.

    Os três entram em um lugar estranho e cruzam um espaço especial que aciona o início da macabra brincadeira. Celulares especiais lhe informam o tempo que o trio tem para viver ou morrer, seja ao fugir de uma sala em chamas, correr de animais selvagens ou escapar de espaço alagado com pontos de eletricidade. Caso não participem, um laser gigante vindo do céu os acertará na cabeça e os eliminará.

    Ao participar das atividades mortais, os rapazes descobrem toda uma comunidade underground em torno do jogo. Há quem se prepare melhor e quem prefira festejar enquanto os novos desafios não chegam. As brincadeiras com as cartas, que simbolizam as dificuldades das armadilhas, faz referência ao mundo de Alice no País das Maravilhas.

    A primeira temporada de Alice in Borderland entrou no catálogo da Netflix em dezembro e tem oito episódios. Um segundo ano já foi confirmado pela plataforma de streaming.

  • Nerve: Um Jogo Sem Regras: O universo virtual dita o ritmo dos acontecimentos do filme Nerve: Um Jogo Sem Regras (2016). Dentro de uma espécie de rede social na deep web, pessoas participam ou apenas acompanham por vídeos outros indivíduos em situações engraçadas, humilhantes, perigosas, insanas ou mortais para ganhar valores em dinheiro que podem custar muito além da fama online.

    Na trama, o chamado Nerve é apresentado como uma brincadeira de verdade ou desafio, mas apenas a segunda opção é levada em consideração. Observadores pagam para ver os acontecimentos, e os chamados jogadores tentam ser recompensados financeiramente, além de ficarem conhecidos dentro desse universo online paralelo. É o público quem decide o que quer ver.

    A lista de desafios propostos pode envolver andar de moto com os olhos tampados, roubar a arma de um policial, beijar um estranho durante cinco segundos, deitar no trilho enquanto um trem passa ou atirar em um oponente. Os valores ficam mais altos de acordo com os desafios, com os desistentes perdendo tudo o que haviam acumulado.

    Vee (Emma Roberts) é uma garota tímida que discute com uma amiga e, para provar que tem atitude, decide jogar o Nerve. Em uma das situações, ela conhece Ian (Dave Franco). Eles chamam a atenção dos espectadores e uma noite insana de atividades malucas coloca suas vidas em perigo.

    Nerve: Um Jogo Sem Regras tem direção de Henry Joost e Ariel Schulman. Nomes como Emily Meade, Miles Heizer, Machine Gun Kelly e Juliette Lewis também estão no elenco. O filme está disponível na Netflix.

DIVULGAÇÃO/LIONSGATE

Jennifer Lawrence em Jogos Vorazes

  • Jogos Vorazes: Adaptação para as telas de popular saga literária da escritora Suzanne Collins, os quatro filmes da franquia Jogos Vorazes se passam em futuro distópico. As pessoas vivem em meio a dificuldades sociais, e uma das formas de entretenimento dos mais ricos é um evento anual em que jovens são convocados para um battle royale real.

    No universo da saga, a América do Norte é conhecida como Panem, e o território é dividido em 12 distritos com características distintas. Todos os anos, um garoto e uma garota de cada região são convocados aleatoriamente para os Jogos Vorazes, evento em que todos os escolhidos são colocados em uma arena e precisam lutar até a morte até que apenas uma pessoa sobreviva.

    Na trama central, Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) se voluntaria para representar seu distrito para proteger a irmã mais nova. Ela conta com sua habilidade como caçadora com o uso do arco e flecha e o apoio de Peeta Melark (Josh Hutcherson) para conseguir sobreviver ao combate forçado.

    Os quatro filmes de Jogos Vorazes estão disponíveis no Prime Video. A Netflix disponibiliza os três últimos longas da saga: Em Chamas (2013), A Esperança: Parte 1 (2014) e A Esperança: O Final (2015).


Leia também

Web Stories

+
Vômito, narrador ridículo e ‘xerecada’: Cinco momentos engraçados das OlimpíadasBárbara, Kelvin e Medina: Atletas brasileiros se envolvem em tretas nas OlimpíadasAna ou Manuela? Saiba quem fica com Rodrigo no final de A Vida da GenteComo Rayssa Leal e Douglas Souza: Cinco atletas das Olimpíadas que você deve seguirTraição de Pyong Lee e treta de Nadja Pessoa: Ilha Record promete estreia acalorada

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Qual a melhor cobertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio?