Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

OI E TCHAU

Piscou, perdeu: Cinco programas que tiveram vida curta na TV em 2019

REPRODUÇÃO/TV GLOBO/GAZETA/REDETV!

Otaviano Costa no Tá Brincando?, da Globo; Celso Zucatelli no De A a Zuca, da Gazeta; e padre Alessandro Campos no Programa Padre Alessandro Campos, da RedeTV!

Otaviano Costa, Celso Zucatelli e o padre Alessandro Campos: passagens vapt-vupt pela TV em 2019

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 23/12/2019 - 5h08

Televisão é um brinquedo caro, que envolve centenas de milhares (ou até milhões) de reais. Se um novo programa não dá o retorno esperado, passa por reformulações ou ajustes no formato. Em casos extremos, porém, é melhor cortar o mal pela raiz e tirá-lo da grade de uma vez por todas. E, em 2019, cinco programas tiveram vida curta na TV aberta.

As atrações "piscou, perdeu" do ano incluem: um programa policial bizarro, com "notícias" que iam do mundo cão à escatologia, passando por vídeos de mulheres seminuas em atos (que deveriam ser) sensuais; uma série mexicana que faz os dramas das novelas da Televisa parecerem obras dignas do Oscar; e um programa de auditório de um padre que pedia dinheiro a viúvas e humilhava idosas.

Otaviano Costa estreou à frente de um programa solo na Globo em uma inusitada (e pouco inspirada) gincana entre jovens amadores e expoentes do esporte na terceira idade. E Celso Zucatelli voltou à televisão depois de um ano fora do ar em pleno 1º de abril. Parece mentira, mas ele não completou sequer três meses no ar.

Confira cinco programas que duraram tão pouco em 2019 que dificilmente conseguirão cravar um lugar nos anais da TV brasileira:

reprodução/sbt

Apresentadora Janice Villágran no Alarma TV, considerado o telejornal mais violento do mundo


Alarma TV

Só mesmo Silvio Santos poderia ter tirado essa bizarrice de sua cartola: um jornal com as piores notícias do mundo, exibidas sem nenhum contexto e, muitas vezes, ilustradas apenas com vídeos de internet --uma mistura de Encrenca com mundo cão e escatologia. O Alarma TV estreou no SBT em 1º de outubro, sem alarde, às 19h20. Chegou a perder para a Band na audiência e foi tirado do ar no dia seguinte.

Por insistência do dono da emissora, a atração voltada para o público hispânico nos Estados Unidos ganhou uma segunda chance às 10h30, antes do Bom Dia & Cia. Crianças que sintonizaram no SBT mais cedo se depararam com um vídeo de um homem que foi parar no hospital para retirar um brinquedo sexual de seu ânus. Um momento que tem a cara da autoproclamada "TV da família brasileira".

No horário matinal, o Alarma TV teve uma vida 100% mais longa do que na faixa noturna: em vez de um único dia, durou dois. Em 4 de outubro, após mais um fracasso na audiência, diretores do SBT convenceram Silvio a tirá-lo do ar.

Insistente, o homem do Baú ainda mandou colocar depois uma enquete no site do SBT com a pergunta: "Qual a sua opinião sobre o programa Alarma TV?". As opções de resposta eram duas, "manter na programação do SBT" e "tirar da programação do SBT". A segunda conseguiu abrir uma vantagem tão esmagadora que a votação saiu rapidamente do ar --assim como o "jornalístico", que sequer deveria ter estreado.

reprodução/canal de las estrellas

María Rubio em cena de um dos mais de mil capítulos da série mexicana A Rosa dos Milagres


A Rosa dos Milagres

Mais uma decisão questionável de Silvio Santos: colocar no ar uma série mexicana, exibida desde 2008 e com mais de 1200 capítulos, cada um com uma história extremamente dramática que culmina com os protagonistas fazendo uma oração diante da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe (padroeira do México) e conseguindo um milagre, simbolizado pela aparição de uma rosa branca.

Chamada de La Rosa de Guadalupe na TV mexicana, onde é um sucesso absoluto, a série ganhou o título A Rosa dos Milagres no Brasil. Silvio acreditava que a atração faria a audiência disparar e colocou-a no ar em 11 de março, no lugar da reprise de Carrossel, às 18h. Mesmo longe de ser hit, passou a ser exibida duas vezes ao dia a partir de 20 de março. Não funcionou em nenhum horário e saiu do ar no dia 29.

Quase cinco meses depois, em 19 de agosto, uma rosa branca se materializou na grade do SBT e, como milagre, o programa voltou ao ar. Ganhou um novo título, Milagres de Nossa Senhora, e conseguiu um público maior. Mas nem isso permitiu sua sobrevivência na programação: a flor foi cortada de vez em 25 de outubro.

reprodução/tv globo

Otaviano Costa na última edição do Tá Brincando?, em 16 de março: fora do ar e da Globo


Tá Brincando?

Depois de apresentar programas como O+ (2000-2001) na Band e Domingo Espetacular na Record, Otaviano Costa foi para a Globo tentar a sorte como ator. Mas brilhou mesmo na bancada do Vídeo Show, em uma dobradinha inspirada com Monica Iozzi que deu novo fôlego ao vespertino. Ele ficou na atração de celebridades entre 2013 e 2018, e deu tão certo que a emissora decidiu lhe dar uma chance solo.

Depois de seis meses fora do ar para formatar algo que tivesse a sua cara, ele estreou à frente do Tá Brincando? em 5 de janeiro. Era uma gincana que colocava veteranos como Hortência Marcari, ex-jogadora de basquete, e Rui Chapéu, de sinuca, contra jovens que tentavam ganhar dinheiro ao superar os experts.

A ideia era mostrar que idade não é limitação para nada. E os ex-atletas até mantiveram o fôlego, mas o programa não: saiu do ar em 16 de março. Otaviano deixou a Globo depois disso --em 2020, ele vai apresentar um programa no GNT.

reprodução/redetv!

O padre ostentação Alessandro Campos, cujo programa na RedeTV! durou apenas dois meses


Programa Padre Alessandro Campos

Astro da Rede Vida, o religioso Alessandro Campos foi para a RedeTV! apresentar uma atração matinal que levava seu nome. Antes mesmo de estrear, já irritou o público: em um vídeo de seu programa na TV católica, ele aparecia maltratando fãs idosas. Chegou a dizer que uma delas não voltaria ao seu auditório porque ela não estaria viva para isso. Ao Notícias da TV, ele alegou que tratava todas com carinho.

Na emissora de Amilcare Dallevo, nova polêmica: Campos cobrava R$ 35 das pessoas interessadas em estarem na sua plateia --nem atrações mais populares, como o Superpop ou o Encrenca, fazem isso. Na época, a RedeTV! afirmou que não embolsava um centavo desse dinheiro, que ia todo para o padre.

Com custo alto, pouco retorno financeiro e audiência desprezível, o Programa Padre Alessandro Campos teve vida breve nas manhãs da emissora: estreou em 11 de fevereiro e saiu do ar em 12 de abril. Dois meses que marcaram a RedeTV! --mas não por motivos positivos. No lugar dele, Olga Bongiovanni voltou à grade.

reprodução/gazeta

Celso Zucatelli voltou à TV no De A a Zuca, da Gazeta; ele agora apresenta policial na Record


De A a Zuca

Fora do ar desde 30 de março de 2018, Celso Zucatelli voltou à TV em 1º de abril de 2019 à frente do De A a Zuca, na Gazeta. O programa foi pensado para fazer parte de uma megamaratona feminina na grade: eram quatro atrações com formatos similares na sequência, na faixa das 10h30 às 17h50, com dicas de saúde, comportamento, culinária, fofocas e cuidados com os pets.

A empreitada do ex-Hoje em Dia na emissora durou pouco: o De A a Zuca saiu do ar em 19 de julho, juntamente com o veteraníssimo Todo Seu, de Ronnie Von. Em comunicado divulgado à imprensa, a Gazeta informou que a decisão de encerrar as duas atrações foi motivada por questões econômicas.

Mas Zucatelli conseguiu se reposicionar mais rápido dessa vez: em 4 de novembro, ele foi anunciado pela Record como o novo apresentador do Balanço Geral Manhã. No policial matinal, Zuca fica do ar das 5h às 8h45.

Enquete

De qual programa 'vapt-vupt' de 2019 você vai sentir mais falta?

Alarma TV, porque era tão ruim que ficava bom
16.62%
A Rosa dos Milagres, o real mistério da fé cristã
14.83%
Tá Brincando?, porque gosto do Otaviano Costa
36.58%
Programa Padre Alessandro Campos, pagaria para ver
5.29%
De A a Zuca, porque o Paçoca é muito fofo
26.68%


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Quem deve ser a nova Juma Marruá?