Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

PROJETO INTERROMPIDO

Pandemia impediu Paulo Gustavo de gravar série sobre Minha Mãe É Uma Peça

REPRODUÇÃO/PARIS FILMES

O ator e humorista Paulo Gustavo caracterizado como a personagem Dona Hermínia, da franquia de filmes Minha Mãe É Uma Peça

Paulo Gustavo como Dona Hermínia, uma de suas personagens mais famosas

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 5/5/2021 - 8h13

A pandemia da Covid-19 impediu Paulo Gustavo (1978-2021) de gravar uma série com uma nova história da franquia Minha Mãe É Uma Peça, que rendeu filmes e peças de teatro que fizeram sucesso com o público. O ator e humorista morreu na noite de terça (4) vítima do coronavírus, que já vitimou mais de 412 mil pessoas só no Brasil.

De acordo com a coluna de Patrícia Kogut, do jornal O Globo, Paulo Gustavo se preparava para gravar a série sobre Dona Hermínia, e os trabalhos deveriam ter começado em fevereiro. Entretanto, devido ao agravamento da crise sanitária, os planos tiveram que ser adiados.

Focada em mostrar a infância, adolescência e vida adulta de Marcelina (Mariana Xavier) e Juliano (Rodrigo Pandolfo), filhos da protagonista, a série tinha previsão de ser exibida na Globo, no Multishow e também no Globoplay, o serviço de streaming da emissora.

A produção seria dirigida por Susana Garcia Capri, amiga de Paulo Gustavo e irmã de Mônica Martelli que já comandou filmes da franquia Minha Vida em Marte.

Parte das gravações da série Minha Mãe É Uma Peça seriam feitas em estúdio, mas também em ambientes externos em Niterói, cidade do Rio de Janeiro na qual a história original é ambientada e local onde o comediante nasceu e cresceu com a família. 

A personagem Dona Hermínia é inspirada em Déa Lúcia, mãe do artista. O primeiro filme sobre a mãe desbocada foi lançado em 2013, com sequências em 2016 e 2019. 

Morte de Paulo Gustavo 

Depois de ter seu quadro declarado como irreversível e após 53 dias internado no Hospital Copa Star do Rio de Janeiro, Paulo Gustavo morreu aos 42 anos em decorrência da Covid-19 na terça-feira (4). O humorista estava hospitalizado desde 13 de março e foi intubado no dia 21. O artista fazia parte do grupo de risco do coronavírus, já que sofria de asma, uma doença respiratória.

"Às 21h12 desta terça-feira, lamentavelmente o paciente Paulo Gustavo Monteiro faleceu, vítima da Covid-19 e suas complicações. Em todos os momentos de sua internação, tanto o paciente quanto os seus familiares e amigos próximos tiveram condutas irretocáveis, transmitindo confiança na equipe médica e nos demais profissionais que participaram de seu tratamento. A equipe profissional que participou de seu tratamento está profundamente consternada e solidária ao sofrimento de todos", informou o último boletim médico.

O ator estava hospitalizado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e apresentou um agravamento de seu quadro clínico a partir de 2 de abril. Ele precisou mudar o tratamento ao qual era submetido, passando a fazer terapia por oxigenação por membrana extracorpórea (Ecmo) com o objetivo de permitir uma melhor recuperação da função pulmonar. O humorista também precisou receber transfusão de sangue no período em que esteve hospitalizado.

No final do mês, o comediante voltou a ter complicações no seu estado clínico e apresentou uma pneumonia bacteriana. Em 2 de maio, Gustavo teve complicações que ocasionaram lesões cerebrais e, segundo a equipe médica, seu estado passou a ser considerado "extremamente grave".

O ator tinha mais de 15 anos de carreira. Ele deixa o marido Thales Bretas, com quem havia se casado em 2015, os filhos Romeu e Gael, a irmã Ju Amaral, o pai Júlio Márcio Monteiro de Barros e a mãe Déa Lúcia Vieira Amaral.


Leia também

Web Stories

+
De série com Liniker a nova temporada de Elite: Confira os lançamentos da semanaBastidores de O Diabo Veste Prada tiveram atriz deprimida e look vetado, saiba maisJuliette, Zico e Anitta: Sete celebridades que viraram tatuagens de fãsOportunidade de brilhar: Cinco PCDs que atuaram na TV brasileiraLançamentos da semana têm filme indicado ao Oscar e comédia sangrenta

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Você gostou da escolha da reprise de Pega Pega?