Premiação

É a crise: Pela primeira vez na década, Brasil fica dois anos sem ganhar Emmy

Rodrigo Barbosa/TV Globo

Profissionais brasileiros comemoram o Emmy Internacional de Verdades Secretas, em 2016 - Rodrigo Barbosa/TV Globo

Profissionais brasileiros comemoram o Emmy Internacional de Verdades Secretas, em 2016

DANIEL CASTRO - Publicado em 20/11/2018, às 08h23

A crise que afeta as redes de TV brasileiras desde 2014 e os investimentos da Globo em streaming estão se refletindo no Emmy Internacional, a principal premiação da televisão mundial. Pelo segundo ano consecutivo, o Brasil passou em branco na cerimônia da Academia Internacional de Artes e Ciências Televisivas, realizada ontem (19) à noite em Nova York. O último Emmy Internacional conquistado pelo país foi o de Verdades Secretas (2015), em novembro de 2016.

É a primeira vez que a TV brasileira passa por uma secura desse tamanho desde 2009, quando Caminho das Índias, de Gloria Perez arrematou a primeira estatueta de telenovelas da história do Emmy Internacional. Foi nessa época que a Globo passou a investir na premiação, que chama exageradamente de "Oscar da Televisão", inscrevendo seus programas e colocando dinheiro nos cofres da organização, na qualidade de patrocinadora.

Desde 2009, a Globo só voltou das mãos vazias da festa de gala à black-tie em 2010 e em 2017. HBO e Fox sempre concorreram, mas nunca venceram. A Record chegou a esboçar uma competição, muitos anos atrás, mas viu que não era páreo para a Globo, ainda mais sem ser patrocinadora.

Nesta década, foram cinco Emmys de telenovelas consecutivos para a Globo (para O Astro, Lado a Lado, Joia Rara, Império e Verdades Secretas), dois para séries (A Mulher Invisível, em 2012, e Doce de Mãe, em 2015), um de atriz (Fernanda Montenegro, pelo especial de fim de ano Doce de Mãe, em 2013), uma para o Jornalismo (Jornal Nacional, em 2011) e um especial, para Roberto Irineu Marinho, em 2014. Até Grazi Massafera concorreu.

Neste ano, a bem da verdade, a Globo praticamente não disputou o Emmy, mesmo tendo inscrito A Força do Querer, fenômeno de público e audiência em 2017. Seu único produto na final era a minissérie José Aldo - Mais Forte que o Mundo, originalmente um longa-metragem coproduzido pela Globo Filmes e posteriormente adaptado para a TV. Perdeu para Orange in an Orange Shirt, telefilme da BBC inglesa sobre dois casais homossexuais em dois tempos (1940 e dias atuais).

No ano passado, com o perdão do trocadilho, a Globo foi injustiçada. Ela concorria com Justiça e com Adriana Esteves, pela mesma minissérie, além de Tá No Ar. Entre as novelas, tinha Totalmente Demais (2015) e Velho Chico (2016). A vencedora foi uma produção turca.

Neste ano, a melhor telenovela do mundo é portuguesa, Ouro Verde, exibida entre janeiro e outubro de 2017 pela TVI. Menos mal. A produção teve quatro atores brasileiros, inclusive Bruno Cabrerizo, que depois dela viria a ser protagonista de Tempo de Amar (2017).

No Emmy Internacional de 2018, o Brasil concorreu ainda com o Júlio Andrade, indicado pela segunda vez ao prêmio de melhor ator (e derrotado), por sua atuação em 1 Contra Todos. A série brasileira da Fox também estava na disputa. Perdeu para o fenômeno espalhol A Casa de Papel.

Psi, da HBO, concorreu na categoria de melhor atriz, com Denise Weinberg. Palavras em Série e Eu Sou Assim, ambos do GNT, completam a lista brasileira.

Veja a lista dos concorrentes do Emmy Internacional de 2018 (os vencedores estão em negrito):

Programa Artístico:
David Stratton's Story of Australian Cinema (Austrália)
Dreaming of a Jewish Christmas (Canadá)
Etgar Keret: Based on a True Story (Holanda)
Palavras em Série (Brasil/GNT)

Melhor Ator:
Júlio Andrade, em Um Contra Todos (Brasil/Fox)
Billy Campbell, em Cardinal (Canadá)
Lars Mikkelsen, em Herrens Veje (Dinamarca)
Tolga Saritas, em Soz (Turquia)

Melhor Atriz:
Thuso Mbedu, em Is'thunzi (África do Sul)
Anna Schudt, em Ein Schnupfen hätte auch gereicht (Alemanha)
Emily Watson, em Apple Tree Yard (Reino Unido)
Denise Weinberg, em Psi (Brasil/HBO)

Comédia:
Club de Cuervos (México)
El Fin de la Comedia (Comedy Central España)
Nevsu (Israel)
Workin' Moms (Canadá)

Documentário:
De Wereld van Puck (Holanda)
Eu Sou Assim (Brasil/GNT)
Goodbye Aleppo (Reino Unido)
IPC & WOWOW Paralympic Documentary Series WHO I AM (Japão)

Série Dramática:
Inside Edge (Índia)
La Casa de Papel (Espanha)
1 Contra Todos (Brasil/Fox)
Urban Myths (Reino Unido)

Programa de Língua Não-Inglesa:
El Señor de los Cielos (Estados Unidos)
El Vato (Estados Unidos)
Jenni Rivera, Mariposa de Barrio (Estados Unidos)
Sin Senos Sí Hay Paraíso (Estados Unidos)

Programa Sem Roteiro:
Hoe Zal Ik Het Zeggen? (Bélgica)
MasterChef Austrália (Austrália)
The Mask Singer (Tailândia)
Top Chef México (México)

Série Curta:
How to Buy a Baby (Canadá) 
L'âge adulte (Canadá)
Shin gamdok eul sulgiroun sa seang hwal (Coreia do Sul)
Una Historia Necesaria (Chile)

Telenovela: 
Cesur ve Guzel (Turquia)
Istanbullu Gelin (Turquia)
Ouro Verde (Portugal)
Paquita La Del Barrio (México)  

Minissérie: 
Aldo - Mais Forte Que O Mundo (Brasil/Globo)
Kurara: The Dazzling Life of Hokusai's Daughter (Japão)
Man in an Orange Shirt (Reino Unido)
Toter Winkel (Alemanha)

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

O Vídeo Show tem salvação?

Últimas notícias

Notícias da TV
Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook