Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

DESALMA

Bruxa está solta na Globo: Por que séries de terror não vingam na emissora?

ESTEVAM AVELLAR/TV GLOBO

A atriz Cássia Kis com um véu colorido na cabeça e longos cabelos grisalhos, se curva em direção ao chão como a bruxa Haia em Desalma

Cassia Kis interpreta a bruxa Haia em Desalma; feiticeiras mantêm maldição na Globo

DANIEL FARAD

vilela@noticiasdatv.com

Publicado em 3/11/2020 - 7h00

As bruxas de Desalma não quebraram uma das mais antigas maldições da Globo, que ainda patina em suas tentativas de emplacar uma produção de horror. O gênero é o principal "calcanhar de Aquiles" da emissora, que já pagou micos homéricos com Casa do Terror (1995) e Supermax (2016). Longe de ser um desastre, a série é vítima de uma das políticas mais tradicionais da casa --o famigerado padrão Globo de qualidade.

A narrativa foi cercada de cuidados, com direito até mesmo a contar com a consultoria do sonoplasta alemão Alexandre Würtz, um dos nomes por trás de Dark (2017-2020). A direção de Carlos Manga Jr. também buscou referência em sucessos recentes como A Bruxa (2015) e Midsommar: O Mal Não Espera a Noite (2019).

O excesso de zelo é um dos principais responsáveis por estrangular o roteiro de Ana Paula Maia, que atinge o seu ápice nas mãos de veteranas como Cassia Kis e Cláudia Abreu. O núcleo jovem e inexperiente, que parece saído de uma temporada sombria de Malhação, escancara que a trama é mais forma do que conteúdo.

Com todos os investimentos, a Globo parece ter ignorado uma lição óbvia para os fãs de terror: orçamento não assegura a qualidade dos sustos. Algumas das maiores bilheterias dos últimos 20 anos, inclusive, são todas feitas com poucos recursos, a exemplo de Jogos Mortais (2004), Atividade Paranormal (2009) e Sobrenatural (2010).

Afinal, a fórmula é um dos pontos mais importantes para o horror, que prende o espectador na expectativa de seguir ou não certos clichês. O realizador que encontrar um novo método está sentado em cima de um baú de ouro. É o caso dos produtores de REC (2007), que arrecadou 16 vezes o seu orçamento inicial ao misturar zumbis com found footage (filmagem encontrada, em inglês).

ESTEVAM AVELLAR/TV GLOBO

Ana Melo em Desalma: inspiração em Midsommar

Desalma é propriamente um folhetim clássico, com ganchos para uma segunda temporada que a Globo pretende produzir após a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A maneira que a história se desenrola não é tão diferente quanto Flor do Caribe (2013) ou Haja Coração (2016), que não metem medo em ninguém.

Esse padrão da Globo engessa o roteiro, que não consegue bancar momentos catárticos ou chocantes justamente pela máxima do "cenas do próximo capítulo". Algumas de suas rivais apelam justamente ao formato de antologia para poder eliminar personagens, a exemplo de American Horror Story. Outras apostam no caráter episódico, como Arquivo X (1993-2018).

Caso realmente aconteça, o desafio para a segunda temporada de Desalma é manter o aspecto visual, mas não deixá-lo dominar a sua narrativa. O esmero é bem-vindo para não acarretar numa catástrofe como Terrores Urbanos (2018), do PlayPlus, mas também não pode entediar o público.


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?