Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

CROISSANT COM MÁSCARA?

Netflix desafia coronavírus para gravar nova temporada de Emily em Paris

Carole Bethuel/Netflix

William Abadie e Lily Collins diante da Torre Eiffel na primeira temporada de Emily em Paris

William Abadie e Lily Collins na primeira temporada de Emily em Paris: paisagens francesas

LUCIANO GUARALDO e DÉBORA LIMA

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 23/2/2021 - 6h55

A Netflix terá de driblar os casos de coronavírus na França para gravar a segunda temporada de Emily em Paris. Os trabalhos da descompromissada série estrelada por Lily Collins estão marcados para começar em abril na capital francesa, mas o país tem registrado mais de 20 mil casos da doença diariamente.

O Notícias da TV apurou que as gravações dos novos episódios da comédia dramática vão acontecer de 26 de abril a 19 de julho em Paris. Só que os números da Covid-19 no país europeu ainda estão longe do ideal: o território presidido por Emmanuel Macron chegou a anotar 586 mortes na última terça (16). Desde o início da crise de saúde, mais de 2,4 milhões de pessoas perderam a vida --é o sétimo país com mais mortes no mundo todo, e o terceiro na Europa.

A expectativa é que a situação melhore até o início dos trabalhos da série. O ministro da Saúde, Olivier Verán, afirmou que a França tem a capacidade de vacinar 70 milhões de pessoas até agosto --ou seja, toda a população local. A imunização, no entanto, ainda acontece em um ritmo bem mais lento do que a de vizinhos como o Reino Unido.

O produtor Darren Star não revelou se a pandemia será incluída na trama da segunda temporada, mas parece difícil que Emily (Lily Collins) e seus amigos possam circular livremente por Paris sem máscaras --ou que os figurantes franceses ajudem a povoar as cenas como fizeram na primeira leva de episódios.

Com muitas sequências externas, a atração depende dos belos cenários parisienses para contar a história da jovem norte-americana que é contratada por uma empresa francesa para levar um ponto de vista diferente a uma empresa de marketing.

Muitas cenas são rodadas nos arredores da Place de l'Estrapade, onde ficam o apartamento de Emily, o restaurante Les Deux Compères, local de trabalho do chef Gabriel (Lucas Bravo), e a padaria La Boulangerie Moderne. A Torre Eiffel, os jardins do Palácio Real e o Palais Garnier também serviram de cenário para as desventuras da personagem de Lily Collins.

Com a ameaça da Covid, a mocinha provavelmente não conseguirá mais passear tanto pelo bairro Montmartre, um dos mais boêmios e charmosos da cidade. Ela também terá que optar por restaurantes que trabalhem com delivery, ficando bem longe do disputado Le Grand Véfour ou do agradável La Maison Rose.

Além disso, o home office provavelmente a impedirá de turistar tanto pela capital francesa. Emily ainda vai ter que evitar os passeios culturais que realizou durante a primeira temporada, como a ida ao Atelier des Lumières ou assistir a ópera mais clássica de Paris, a Ópera Garnier, no Palais Garnier.

Será necessária muita criatividade para evitar o tom monótono na nova leva de episódios e reconquistar o público que viu a série por se encantar com os cenários de Paris.

Sucesso por causa da quarentena

Curiosamente, o mesmo coronavírus que pode atrapalhar as gravações da segunda temporada foi parcialmente responsável pelo sucesso inesperado de Emily em Paris.

Inicialmente, a atração havia sido pensada como uma produção do Paramount Network, canal sem muita experiência em séries. Mas, depois de concluir as gravações do primeiro ano em 2019, a direção decidiu tirar o foco de novas produções ficcionais e manter no ar apenas o fenômeno Yellowstone, maior audiência da TV paga atualmente.

Assim, os executivos da Paramount passaram a oferecer ao mercado uma série pronta, e a Netflix buscava conteúdo assim para compensar a queda de produções próprias por causa da pandemia. A união da fome com a vontade de comer resultou em um acordo revelado em julho do ano passado e, menos de três meses depois, Emily em Paris fez sua estreia na gigante do streaming.

Com boa parte da população mundial presa em casa por causa do isolamento social, o que deveria ser uma série sem muito compromisso acabou alcançando um bom público e deixando sua marca na cultura pop. Ainda surpreendeu ao conseguir duas indicações ao Globo de Ouro, de melhor série de comédia ou musical e melhor atriz para Lily Collins. O anúncio dos vencedores ocorre neste domingo (28).

O elenco conta também com Philippine Leroy-Beaulieu, Ashley Park, Samuel Arnold, Bruno Gouery e Camille Razat. Kate Walsh, ex-Grey's Anatomy, participa como Madeline, chefe de Emily em Chicago que manda a empregada para Paris em seu lugar depois de descobrir que está grávida.

Confira o trailer da primeira temporada:


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?