Crítica | Pedacinho de Chão

Arrojada e visual, nova novela das seis é um devaneio estético

Renato Rocha Miranda/TV Globo

Juliana Paes interpreta Madame Epa em Meu Pedacinho de Chão, novela das seis da Globo - Renato Rocha Miranda/TV Globo

Juliana Paes interpreta Madame Epa em Meu Pedacinho de Chão, novela das seis da Globo

RAPHAEL SCIRE - Publicado em 07/04/2014, às 18h24 - Atualizado às 19h38

Diferentemente de tudo o que já foi visto em novelas, a nova produção das seis da Globo, Meu Pedacinho de Chão, traz aos telespectadores uma proposta nova e completamente ousada, pelo menos esteticamente. A direção de Luiz Fernando Carvalho optou por apostar no tom de fábula e criar um universo lúdico capaz de cativar quem assiste. Outra novidade é a introdução de animações entremeadas às imagens, dando a elas ainda mais cor.

O texto é uma releitura da trama de 1971, também assinada por Benedito Ruy Barbosa. A novela reedita a parceria da dupla, responsável por sucessos como Renascer (1993) e O Rei do Gado (1996). Apesar da estética arrojada, é possível encontrar elementos recorrentes das novelas de Ruy Barbosa, como o sotaque interiorano (a oralidade dos diálogos é destaque imediato) e a presença de uma forte crítica social, desta vez em relação a questões como justiça, divisão e posse da terra. Surpreende também a agilidade das cenas: nada de boi passando de um lado para outro.

Quem conduz a narrativa é uma criança, o menino órfão Serelepe (Tomás Sampaio), que apresenta didaticamente os principais personagens da história e daí entende-se o tom lúdico adotado pela direção. A luneta que o garoto carrega também tem impacto na imagem da tela: os cantos são embaçados, ao passo que o centro dela ganha mais nitidez.

Meu Pedacinho de Chão conta a história da professora Juliana (Bruna Linzmeyer), que chega a Santa Fé com o objetivo de tocar uma escola. Mas ela esbarra nos mandos e desmandos do Coronel Epaminondas, defendido por um Osmar Prado magnífico em cena como o vilão da história. É mesmo o caráter educativo que impera na história. A escola de Santa Fé, cidade fictícia que pode ser considerada um microcosmo do Brasil, ensina os pequenos, mas também os adultos na formação de consciência política, mais uma marca autoral de Benedito Ruy Barbosa.

O elenco é enxuto (20 personagens), assim como os capítulos da história. Ao todo, serão 104 episódios, e a novela já foi inteiramente escrita pelo autor antes do início das gravações. Se por um lado isso tira uma das principais características do folhetim televisivo, a de seguir ao sabor do interesse do público, por outro não a deixa refém da audiência. Aos atores, ainda, é dada a chance de mergulharem na profundidade psicológica dos personagens, coisa que nessa nova versão _e conhecendo o trabalho de preparação que Carvalho realiza em suas produções_ só traz ganhos.

Também em relação ao elenco, é um alento ver atores desconexos de tipos aos quais estão habituados. Os melhores exemplos são Antonio Fagundes, que vive com perfeição o sujeito cômico da vez (Giácomo), e Rodrigo Lombardi (Pedro Falcão), um tanto estranho e cheio de caras e bocas, mas livre do estereótipo de galã. Juliana Paes (Catarina) ainda é a bela que encanta, só que desta vez no papel de mãe.

Figurino e cenografia são dois casos à parte, devaneios estéticos muito bem vindos à televisão. Pelo ritmo industrial que as novelas têm, é impossível que todas as produções sigam esse rigor e cuidado que Meu Pedacinho de Chão demonstra ter. Em muito lembra outra produção do diretor, a microssérie Hoje ÉDia de Maria (2005).

A cenografia eu tive o prazer de ver pessoalmente. Luiz Fernando Carvalho teve o cuidado de mandar cobrir os troncos e galhos das árvores com mantas de crochê. Quem vê de longe pensa que é tinta, mas ao chegar mais próximo, percebe a riqueza de detalhes. Uma linha férrea corre no meio do cenário e há flores por todos os lados. Tudo muito lindo, de uma plasticidade ímpar, com muita cor e muita fantasia.

Se a história vai conquistar a audiência, ainda é cedo para afirmar, mas seus olhos certamente ficarão agradecidos de acompanhar essa fábula que estreou hoje.

LEIA TAMBÉM:

Meu Pedacinho de Chão tem a pior estreia de novela das seis

'Arrasado', chefão da Globo edita Vem_aí, e Adnet xinga texto

Vídeo Show ressuscita quadro Novelão, mas erra nome de série

Telespectador associa Record a sangue e reprise, diz pesquisa

Superstar estreia com falhas em aplicativo e perde para Silvio Santos

Rodolfo pede dignidade ao SBT e diz que depressão matou ET

Com medo da morte, Giovanna Antonelli diz que toma tarja preta

Falta de atores trava minissérie e adia novela bíblica da Record

Globo se diz vítima de crime e que piloto do Fantástico foi furtado

José Wilker acreditou no fracasso de Dona Flor e Seus Dois Maridos

Novo Fantástico ganha palco, cavalinhos falantes e emoticons

Silvio Santos volta a gravar e encontra Danilo Gentili domingo

Apesar dos tropeços, Joia Rara termina com saldo positivo

Sabrina Sato vai gravar game show de humilhação no Japão


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

O que você espera de O Sétimo Guardião?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook