Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

PARAÍSO PERDIDO

Em meio a vírus mortal, Gênesis do século 17 inventou o 'pandemônio' antes do Brasil

FOTOS: REPRODUÇÃO/RECORD

Os atores Juliana Boller (Eva) e Carlo Porto (Adão) em cena no Jardim do Éden de Gênesis

Os atores Juliana Boller (Eva) e Carlo Porto (Adão) em cena no Jardim do Éden de Gênesis

DANIEL FARAD

vilela@noticiasdatv.com

Publicado em 7/6/2021 - 7h00

Alguns ainda acreditam que a Terra é plana, mas é inegável que o mundo dá voltas. O planeta gira tanto sobre o próprio eixo que, às vezes, o telespectador de Gênesis não está tão distante assim de um morador de Londres no século 17. Com um vírus mortal à solta, e o Reino Unido de cabeça para baixo, os britânicos também precisavam esquecer a realidade com a sua versão "pop" da Bíblia Cristã --o poema épico Paraíso Perdido.

O calhamaço de John Milton (1608-1674) é conhecido por ter inventado a palavra "pandemônio", um termo que cairia anos depois como uma luva para o Brasil no meio da pandemia de Covid-19. Coincidentemente (ou não), uma outra ameaça invisível estava à espreita naquela época e deixava mortos dos dois lados do Atlântico: o vírus da varíola.

Em meio às erupções na pele e a uma febre escaldante, para os quais a cloroquina também não funcionava, um eventual leitor de Milton se depararia com a expulsão de Lúcifer do céu, a guerra entre os anjos caídos e Deus e também a criação do homem. Um roteiro não muito inovador, mas que também não escondia qualquer fruto proibido azul entre as suas quase mil páginas.

O escritor fazia lá as suas licenças poéticas, assim como os autores Camilo Pellegrini, Stephanie Ribeiro e Raphaela Castro, que também efetuaram mudanças pontuais que não agradam aos mais apegados ao texto bíblico. 

A ausência de Igor Rickli, que só passou a existir a partir de 1983, como grande vilão, não foi um grande problema para o imaginário dos ingleses. Em vez do marido de Aline Wirley, o demônio da Idade Moderna tinha três caras --ilustradas ao longo da História por John Baptist Medina (1659-1710), William Blake (1757-1827) e Gustave Doré (1832-1885).

Com bem menos efeitos especiais, e sem Sula Miranda no elenco, Milton ainda enfrentou uma situação política tensa para concluir a obra. Em algum capricho do destino, a Inglaterra também penou sob os excessos de tirania de Carlos 1º (1600-1669), que não chegou a ver um de seus quatro filhos homens sucedê-lo no final do reinado.

O rei foi decapitado, a República foi instaurada no Reino Unido já quase no final daquele século, e Edward Jenner (1749-1823) logo inventaria a vacina para varíola. A doença foi definitivamente erradicada, mas o imunizante causou polêmica ao chegar ao Brasil só em 1904. 

Em vez de chip ou do medo de se transformar em um jacaré, o povo se revoltou por achar que as injeções eram uma desculpa para o governo colocar a mão em suas poupanças --as de carne e osso, vale ressaltar.


Saiba tudo sobre os próximos capítulos das novelas com o podcast Noveleiros

Ouça "#62 - Téo sofre novo ataque em Salve-se Quem Puder" no Spreaker.


Inscreva-se no canal do Notícias da TV no YouTube e assista a vídeos com revelações do que vai acontecer em Gênesis e outras novelas.


Últimas de Gênesis


Resumos Semanais

Resumo da novela Gênesis: Capítulos de 2 a 6 de agosto

Segunda, 2/8 (Capítulo 140)
Éder tenta aconselhar Jacó. Esaú perde a paciência com Reuel. Jacó age com frieza diante de Lia. Jacó se casa com Raquel. Ele fica entusiasmado com a notícia dada por Lia.   Terça, 3/8 (Capítulo 141) ...Continue lendo


Outras Novelas

Leia também

Web Stories

+
Vômito, narrador ridículo e ‘xerecada’: Cinco momentos engraçados das OlimpíadasBárbara, Kelvin e Medina: Atletas brasileiros se envolvem em tretas nas OlimpíadasAna ou Manuela? Saiba quem fica com Rodrigo no final de A Vida da GenteComo Rayssa Leal e Douglas Souza: Cinco atletas das Olimpíadas que você deve seguirTraição de Pyong Lee e treta de Nadja Pessoa: Ilha Record promete estreia acalorada

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Qual a melhor cobertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio?