Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

SUCESSOS E FLOPS

De morte de galã a bíblica que ganhou da Globo: 10 novelas que marcaram a década

CAUIA FRANCO/ TV GLOBO

Domingos Montagner caracterizado como Santo na novela Velho Chico, exibida em 2016 pela Globo

Santo (Domingos Montagner) em cena de Velho Chico; morte trágica do ator foi um baque para o Brasil

PIERO VERGÍLIO

pierovergilio@gmail.com

Publicado em 30/12/2020 - 7h06

Às vésperas do encerramento de mais uma década, as novelas seguem como o principal produto da TV brasileira. Entre 2011 e 2020, a Globo manteve sua hegemonia no gênero, mas viu a concorrência crescer com histórias segmentadas: no SBT, as adaptações infantis; na Record, as bíblicas.

O Notícias da TV fez uma seleção de tramas que marcaram os últimos dez anos, o que inclui uma tragédia durante a exibição de Velho Chico (2016) e a vitória da Record em cima da Globo com Os Dez Mandamentos (2015).

Os sucessos não poderiam ficar de fora, mas também é necessário lembrar das histórias problemáticas. Confira as novelas que entraram para história:

ESTEVAM AVELLAR/ TV GLOBO

Rivalidade de Carminha e Nina fez sucesso

Avenida Brasil

Avenida Brasil (2012), trama de vingança criada por João Emanuel Carneiro, era centrada nos embates entre Nina (Débora Falabella) e Carminha (Adriana Esteves). A história comoveu o púlico e foi notícia até no Jornal Nacional de 19 de outubro de 2012, que destacou que "milhões de brasileiros se apressaram para não perder o último capítulo da novela". E não era mentira. 

O sucesso do folhetim também ecoou ao redor do mundo. Na Argentina, o final de Avenida Brasil foi tratado como um espetáculo: com a presença de parte do elenco --incluindo Débora Falabella e Cauã Reymond-- cerca de dez mil pessoas compareceram ao evento realizado em um estádio de futebol. Até abril de 2020, a trama já tinha sido vendida para mais de 150 países. 

matheus cabral/ tv globo

O trio de Marias se deu bem na faixa das 19h 

Cheias de Charme

Trama que marcou a estreia de Filipe Miguez e Izabel de Oliveira como autores titulares na Globo em 2012, Cheias de Charme contou a história três empregadas que se tornaram cantoras. Durante a novela, TV e internet dialogaram, potencializando o alcance do folhetim.

Se na ficção, o clipe de Vida de Empreguete vazou acidentalmente em plataformas digitais, na vida real, a música foi lançada primeiro na web. Além dos 12 milhões de acessos contabilizados pelo projeto Memória Globo, destacam-se as paródias criadas pelos telespectadores.

ESTEVAM AVELLAR/ TV GLOBO

Mateus Solano e Thiago Fragoso em Amor à Vida 

Amor à Vida

Goste você ou não do estilo de Walcyr Carrasco, não se pode negar que suas tramas repercutem e dão audiência em todas as faixas. Em sua estreia na faixa das 21h em 2013, o autor contou a história de Félix (Mateus Solano), um homem ambicioso --que escondia sua orientação sexual-- e caiu nas graças do público, apesar de suas maldades, como abandonar a sobrinha recém-nascida em uma caçamba de lixo.

Após suas armações serem desmascaradas, teve início o processo de redenção do vilão, que acabou encontrando o amor nos braços de Niko (Thiago Fragoso). Os dois atores, aliás, protagonizaram o primeiro beijo gay das novelas, oito anos depois de a Globo vetar a cena gravada por Bruno Gagliasso e Erom Cordeiro para América (2005).

ESTEVAM AVELLAR/ TV GLOBO

Das ruas ao luxo, história de Eliza cativou 

Totalmente Demais

Totalmente Demais, em 2015, marcou a estreia da dupla Rosane Svartman e Paulo Halm na faixa das 19h. O conto de fadas moderno mostrou a ascensão de Eliza (Marina Ruy Barbosa), uma florista de origem humilde que venceu o concurso Garota Totalmente Demais e se tornou uma modelo internacional.

A leveza que deu o tom em boa parte da novela foi determinante para que a Globo apostasse na reprise dela neste ano, quando as gravações de Salve-se Quem Puder foram paralisadas por conta da pandemia de Covid-19. A trama, que já havia alcançado bons resultados, conseguiu superar sua exibição original: foram 29,6 pontos na reapresentação, ante 27,4 pontos em 2015.

ESTEVAM AVELLAR/ TV GLOBO

Adriana Esteves e Gloria Pires em Babilônia  

Babilônia

Trama escrita por Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga, Babilônia (2015) era centrada em três mulheres cujas vidas foram conectadas por um crime: Beatriz (Gloria Pires), Inês (Adriana Esteves) e Regina (Camila Pitanga). No primeiro capítulo, o beijo lésbico entre Estela (Nathalia Timberg) e Teresa (Fernanda Montenegro) escandalizou a audiência mais conservadora.

Para tentar recuperar o ibope, a Globo realizou uma série de intervenções, que acabaram descaracterizando os perfis de vários personagens. Capítulos foram reeditados para acelerar acontecimentos. Gilberto Braga reconheceu que era uma "humilhação pública diária" dar menos audiência do que a novela das 19h, I Love Paraisópolis (2015). Babilônia encerrou sua trajetória com apenas 25,4 pontos de média em São Paulo, a pior de todos os tempos.

cauia franco/ tv globo

Camila Pitanta contracena com Montagner

Velho Chico

Velho Chico (2016), de Benedito Ruy Barbosa, furou a fila das 21h para mudar a ambientação do horário nobre, que vinha de seguidas tramas urbanas. Mas a estética adotada pelo diretor Luiz Fernando Carvalho causou um estranhamento no público, ajudando a inviabilizar a comercialização da trama no mercado internacional. Como exemplos práticos, podemos citar os figurinos exóticos e a peruca usados por Afrânio (Antônio Fagundes).

Porém, a grande lembrança que o público guardou da novela foi a trágica morte de seu protagonista, Domingos Montagner (1962-2016). Em 15 de setembro de 2016, já na reta final das gravações, o ator mergulhou nas águas do Rio São Francisco e se afogou. Ele estava acompanhado por Camila Pitanga, seu par romântico na trama.

RAMON VASCONCELLOS/ TV GLOBO

Romance do casal principal não vingou 

A Lei do Amor

Apesar de ter várias obras no currículo, A Lei do Amor (2016) foi a primeira incursão de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari às 21h como autores titulares. Com um elenco numeroso --a novela começou com 68 atores escalados-- a história de amor entre Helô (Isabelle Drummond/Cláudia Abreu) e Pedro (Chay Suede/Reynaldo Gianecchini) não teve forças para segurar o público.

A Globo, então, deflagrou uma "operação salvamento". Antes do capítulo 100, 22 atores já haviam deixado a trama. A justificativa oficial era cortar "gorduras" para priorizar o conflito central. Assim como em Babilônia, no entanto, a estratégia não funcionou, e a trama --a última de José Mayer na Globo, antes da acusação de assédio sexual vir à tona-- teve média de 27,2 pontos.

estevam avellar/ tv globo

Eduardo Moscovis virava o gato León

O Sétimo Guardião

Folhetim que marcou o retorno de Aguinaldo Silva ao realismo mágico, O Sétimo Guardião (2018) rendeu dor de cabeça antes mesmo da estreia. Isso porque a sua sinopse foi concebida em um curso de roteiros. Um dos alunos, Silvio Cerceau, foi à justiça para ter seu nome creditado na abertura da novela. Por conta do impasse, a exibição quase foi cancelada.

Mas essa não foi a única maldição que acometeu a trama do gato León: surgiu uma incompatibilidade entre o texto de Aguinaldo Silva e o estilo do diretor Rogério Gomes. Além disso, a trama teve vários bafões envolvendo os atores, como a discussão entre Marina Ruy Barbosa e Lilia Cabral e o fato de a ruiva ter sido apontada como pivô da separação de José Loreto.

DIVULGAÇÃO/ SBT 

Trama infantil se tornou carro-chefe do SBT 

Carrossel

Canal que sempre foi reconhecido por dar visibilidade às tramas mexicanas, o SBT descobriu um novo filão em 2012, quando decidiu produzir a versão brasileira de Carrossel. A adaptação de Íris Abravanel --que teve Rosane Mulholand como a professora Helena e ainda alçou Larissa Manoela ao estrelato, como a mimada Maria Joaquina-- alcançou média geral de 12,0 pontos na Grande São Paulo.

Além de consolidar a vice-liderança, a novela se revelou um bom negócio para o departamento comercial: vários produtos foram licenciados. O sucesso de Carrossel encorajou o SBT a continuar apostando em adaptações infantis. Todas compartilham de algumas características em comum, como um grande número de capítulos para diluir os custos e também as várias reprises. 

reprodução/record 

Guilherme Winter foi protagonista da novela

Os Dez Mandamentos

Se o SBT descobriu a fórmula do sucesso com as adaptações infantis, na Record as tramas baseadas em passagens bíblicas representam um grande marco na dramaturgia da emissora nesta década.

A adaptação de Vivian de Oliveira, que reconta a trajetória do profeta Moisés (Guilherme Winter), O Dez Mandamentos (2015) entrou no ar uma semana depois de Babilônia, da Globo, e se beneficiou com a rejeição a trama rival.

Mas o maior feito de Os Dez Mandamentos, no entanto, aconteceu já contra A Regra do Jogo (2015), de João Emanuel Carneiro. O capítulo de 10 de novembro, centrado na abertura do Mar Vermelho, atingiu 28,1 pontos de média na Grande São Paulo. No confronto direto, a Record abriu sete pontos de vantagem sobre a Globo.

Empolgada com a façanha, a emissora anunciou uma segunda temporada e ainda converteu a novela em filme. Nenhuma das produções bíblicas exibidas depois, no entanto, chegou perto de repetir tal façanha.


Leia também

Web Stories

+
Longe de Hollywood: Veja como estão os atores de O Diário da PrincesaDe vício em games a indicação ao Emmy: Como estão os atores de A ViagemVômito, narrador ridículo e ‘xerecada’: Cinco momentos engraçados das OlimpíadasBárbara, Kelvin e Medina: Atletas brasileiros se envolvem em tretas nas OlimpíadasAna ou Manuela? Saiba quem fica com Rodrigo no final de A Vida da Gente

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Qual a melhor cobertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio?

Globo
48.64%
SporTV
20.58%
BandSports
9.98%
Não acompanho as Olimpíadas
20.80%