Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Teledramaturgia

Record põe RecNov à venda e pode encerrar produção de novelas

Munir Chatack/TV Record

Bruno Ferrari e Thaís Melchior em cena de Vitória, próxima novela da Record, gravada em Curaçao - Munir Chatack/TV Record

Bruno Ferrari e Thaís Melchior em cena de Vitória, próxima novela da Record, gravada em Curaçao

DANIEL CASTRO

Publicado em 15/4/2014 - 18h57
Atualizado em 16/4/2014 - 6h21

Comprado pela Record em 2005, o RecNov está à venda. E Os Dez Mandamentos, em 2015, poderá ser a última novela produzida no complexo de dez estúdios da Record, erguido sobre uma área de 280 mil metros quadrados em Vargem Grande, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Edir Macedo, dono da rede e líder da Igreja Universal do Reino de Deus, deu o aval há quase um ano para que o RecNov seja negociado e a produção própria de novelas, encerrada. O motivo é o prejuízo que a teledramaturgia dá à emissora: custa R$ 400 milhões por ano e fatura menos de R$ 100 milhões.

Segundo uma alta fonte na emissora, a Record investiu cerca de R$ 650 milhões na expansão do RecNov, que tinha apenas três estúdios em 2005. Mas o valor contábil do complexo é de pouco mais de R$ 300 milhões.

+ CPI do Fantástico descarta furto e invasão de hacker e pode acabar em pizza

+ Em Família: Laerte surta, beija Luiza à força e é expulso da casa dela

Originalmente, o plano da Record era fechar o RecNov e descontinuar a produção própria de novelas após Pecado Mortal, caso a novela de Carlos Lombardi não recuperasse a audiência da teledramaturgia diária da emissora, em desgraça desde abril de 2012, quando estreou Máscaras. Com média de 5,6 pontos na Grande SP, Pecado Mortal é um fracasso. Mas os bispos que comandam a emissora convenceram Edir Macedo a investir em mais duas novelas, enquanto se prospectam possíveis interessados no RecNov.

Vitória, próxima produção da emissora, com estreia prevista para maio, e a bíblica Os Dez Mandamentos, com cem capítulos, poderão ser as últimas novelas do RecNov. A não ser que deem médias acima de dez pontos, algo que não acontece na Record desde 2011.

A Record já ofereceu o RecNov para pelo menos dois grandes grupos. Um deles foi a Televisa. O grupo mexicano, no entanto, não se interessou em investir em coproduções no complexo de estúdios, devido aos altos custos dos capítulos de novelas no Brasil.

Uma eventual venda do RecNov, que já chegou a empregar 2.500 profissionais, não significa que a Record abandonará a teledramaturgia. A emissora tem estudos que mostram que terceirizar a produção reduz os custos de novelas em até 35%. Esse deverá ser um caminho. E a rede não pretende deixar de realizar séries e minisséries bíblicas, que têm tido audiências satisfatórias. Mas fará isso com produtoras independentes.


Vista geral do RecNov; ao fundo, dois últimos estúdios, inaugurados em 2009, ainda em obras

LEIA TAMBÉM:

Record investe R$ 500 milhões, mas dramaturgia volta à estaca zero

Ex-Emília, Isabelle Drummond aprende a ser sensual para novela

Sheherazade pensou que seria demitida; governo pressionou SBT

'Se o formato do jornal mudar, eu não mudo', diz Rachel Sheherazade

SBT corta comentários de Rachel Sheherazade, que volta hoje

Em Família: Autor reescreve cenas e transforma briga em barraco

Ibope tem falha na coleta de dados e erra audiência do SBT do domingo

Em Família: Luiza termina namoro com André para ficar com Laerte

Silvio Santos quer programa ao vivo e ameaça demitir Portiolli e Eliana

Para tirar novela da UTI, autor alivia peso de doenças de Em Família

Ilha de edição do Esquenta pega fogo e atração programas da Globo


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Quem deve ser a nova Juma Marruá?