Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

DEBANDADA

Globo demite dois diretores e prepara dispensa de autora de Um Lugar ao Sol

JOÃO COTTA/TV GLOBO

Autora da novela Um Lugar ao Sol, Lícia Manzo sorri para o fotógrafo

Autora da novela Um Lugar ao Sol, Lícia Manzo não vai ter seu contrato renovado pela Globo

Carla Bittencourt

carla@noticiasdatv.com

Publicado em 31/3/2022 - 17h16

A Globo continua dispensando talentos do seu casting. Nesta semana, a emissora não renovou com dois importantes diretores: André Felipe Binder e Maria de Medicis. Lícia Manzo, autora de Um Lugar ao Sol, também não vai ter seu vínculo renovado ao fim do seu contrato, que termina em julho. A não renovação com os profissionais é resultado das transformações pelas quais a Globo passa. A empresa tem adotado novas dinâmicas de trabalho com vários profissionais, priorizando acordos por obra.

De acordo com a Veja, o diretor Carlos Manga Junior também não teve o contrato renovado. Ao Notícias da TV, porém, a Comunicação Globo insiste que Manguinha, como é chamado, permanece como contratado.

Há pelo menos dois anos, a emissora carioca vem encerrando vínculos duradouros, exclusivos e com pagamento mensal alto. O novo modelo de gestão de talentos permite que essa parceria seja renovada em muitos outros formatos e projetos futuros, para todas as plataformas.

Isso acontece porque a Globo quer adotar o modelo de negócios usado pelas plataformas Netflix, Prime Video e HBO Max com os contratos com atores e autores assinados apenas por projeto fechado.

Maria de Medicis deixou a emissora após 29 anos. Ela dirigiu sucessos como Paraíso Tropical (2007), Sangue Bom (2013), Rock Story (2016) e Segundo Sol (2018). Já André Felipe Binder trabalhou na Globo por mais de 30 anos e dirigiu, recentemente, a segunda temporada da série Aruanas (Globoplay) e a novela Verdades Secretas, ambas em 2021.

Já Lícia escreveu A Vida da Gente (2011) e Sete Vidas (2015), na faixa das seis, e estreou no horário nobre com Um Lugar ao Sol, que terminou na semana passada.

Autores dispensados

Há duas semanas, a Globo também preferiu não renovar com Paulo Halm, autor dos sucessos Totalmente Demais (2015) e Bom Sucesso (2019). Na emissora desde 2008, o novelista era parceiro frequente de Rosane Svartman, que escreve sozinha a trama para a faixa das sete, substituta de Cara e Coragem.

No ano passado, Halm chegou a apresentar projetos de série e novela que não foram aprovados. Uma das ideias sugeridas por ele foi uma história para as seis, Paixão Nacional, uma comédia sobre o amor dos brasileiros pela teledramaturgia. A outra, uma série policial, intitulada Os filhos da Paixão.

Foi assim também com Elizabeth Jhin, em junho do ano passado. Autora de sucessos como Espelho da Vida (2018) e Além do Tempo (2015), a novelista que ficou marcada por abordar a temática espírita em suas tramas e não teve o vínculo renovado depois de 30 anos.

Autor do fracasso O Sétimo Guardião (2018), Aguinaldo Silva foi demitido da Globo, em janeiro de 2020, após mais de 40 anos na empresa. Responsável por mais de 20 trabalhos na Globo, o veterano ganhou o Emmy Internacional de melhor novela em 2014 com Império e não tinha projetos na emissora para os próximos anos. Silva é o criador de um dos maiores sucessos das telenovelas até hoje, Senhora do Destino (2004), trama que bateu recorde até quando foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo. 

TUDO SOBRE

Lícia Manzo


Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.