Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

REALITY Z

Panelaço e político corrupto dão tempero brasileiro a série de zumbis da Netflix

Divulgação/Netflix e E4

Montagem com fotos das atrizes Ana Hartmann e Jamie Winstone, com jaquetas de couro parecidas, em cenas de Reality Z e Dead Set, respectivamente

Ana Hartmann (à esq.), de Reality Z, e Jamie Winstone, de Dead Set: até protagonistas se parecem

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 10/6/2020 - 5h28

A Netflix lança nesta quarta (10) a série Reality Z, atração nacional que adapta a minissérie britânica Dead Set (2008), dos criadores do fenômeno Black Mirror. Quem acompanhou a versão original, porém, vai sentir que está no Vale a Pena Ver de Novo. A história é basicamente a mesma, e até a protagonista parece gêmea de sua colega inglesa. Apenas a inclusão de um político corrupto e panelaços dá um sabor brasileiro à produção.

[atenção: este texto contém spoilers]

Para quem nunca viu Dead Set, a série mostra como seria um apocalipse zumbi sob a ótica dos participantes e da equipe de um reality show de confinamento estilo Big Brother. No original britânico, aliás, o próprio Grande Irmão é usado (e ex-brothers fazem pontas nos episódios). Na versão brasileira, como a Netflix não tem os direitos sobre a marca, foi criado Olimpo, a Casa dos Deuses --e a ex-sister Sabrina Sato aparece como Divina, apresentadora falsiane da atração fictícia.

A protagonista das duas versões é uma assistente de produção do reality que tem grandes planos profissionais, mas precisa se contentar em buscar cafezinho para o chefão da equipe, um machista e misógino sem nenhum escrúpulo. Na Inglaterra, eles eram Kelly (Jamie Winstone) e Patrick (Andy Nyman); no Brasil, Nina (Ana Hartmann) e Brandão (Guilherme Weber). Nomes diferentes, personagens iguais.

Responsável por adaptar a obra do aclamado Charlie Brooker, Cláudio Torres teve de ser criativo comendo pelas beiradas. No lugar da subtrama de Riq (Riz Ahmed), namorado da protagonista que tenta de qualquer jeito chegar ao estúdio do reality show para salvar sua amada, o produtor criou duas histórias novas.

A primeira envolve Ana (Carla Ribas), a mente criativa por trás de todo o conceito do Olimpo. Demitida do programa para o qual dedicou boa parte de sua vida, a mulher se afundou no vício em remédios e perdeu a vontade de seguir em frente, para tristeza e desespero do único filho, Léo (Ravel Andrade).

A outra novidade da história envolve um político corrupto, Alberto Levi (Emilio de Mello) e sua assessora Cristina (Julia Ianina), que também não tem um pingo de ética --personagens mais brasileiros, impossíveis. Em meio a protestos populares nas ruas do Rio de Janeiro, os dois subornam policiais para que os protejam.

É justamente aí que Reality Z se torna atual --e repete os passos videntes de Dead Set, que imaginou um futuro em que a casa do Big Brother seria o lugar mais seguro do planeta para se proteger de uma pandemia, seja de zumbis ou do coronavírus. Por meio dos oficiais interpretados por Pierre Baitelli e Thiago Justino, a atração aborda a questão do abuso policial diante de negros, tema que ocupa os noticiários.

O Notícias da TV teve acesso antecipado aos seis primeiros episódios de Reality Z, de um total de dez da primeira temporada. Os cinco capítulos iniciais são cópias quase exatas dos de Dead Set. Com a história original esgotada ali, o sexto dá indícios de que a atração finalmente começará a andar com as próprias pernas.

Mas é uma pena que a série, que tinha a pretensão de mostrar se o Brasil consegue fazer atrações sobre zumbis com qualidade, beba tanto na fonte britânica que demora demais para encontrar o sabor inédito. Vale para quem é fã do gênero, sonha em ver Sabrina Sato comendo tripas ou se diverte vendo um produtor que grita "minhas entranhas!" e "me come, vagabunda" enquanto é devorado vivo.

O elenco conta ainda com Luellem de Castro (Teresa), João Pedro Zappa (TK), Jesus Luz (Lucas), Gabriel Canella (Marcos), Natália Rosa (Veronica), Leandro Daniel (Augusto), Hanna Romanazzi (Jéssica), Arlinda Di Baio (Cleide) e Wallie Ruy (Madonna). A sogra de Sabrina, Leda Nagle, também aparece.

Confira o trailer da série Reality Z:


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?