Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

DEAD SET

Criador de Black Mirror previu isolamento igual ao do BBB20 contra coronavírus

Fotoso: Divulgação/E4

A atriz Jamie Winstone, com machado nas mãos e coberta de sangue, em cena da minissérie Dead Set, do canal E4

A atriz Jamie Winstone no confessionário do Big Brother inglês em cena da minissérie Dead Set

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 24/3/2020 - 5h11

Uma pandemia letal apavora o mundo e força a população a se trancar em suas casas. Em meio ao surto e ao pânico geral, a casa do Big Brother se torna um dos lugares mais seguros do planeta. A descrição, bastante atual por causa do coronavírus, virou uma obra televisiva 12 anos atrás com a minissérie britânica Dead Set, lançada pelo canal E4 em 2008.

Para quem achou a coincidência algo "muito Black Mirror", há uma razão bem clara. A minissérie foi criada e escrita por Charlie Brooker e produzida por ele em parceria com Annabel Jones --a dupla também está por trás da atração da Netflix.

A principal diferença entre ficção e realidade é que, em Dead Set, o vírus que se espalha pelo mundo não é o da Covid-19, mas o que transforma humanos em zumbis. No resto, as semelhanças são tantas que até Charlie Brooker teve de dar o braço a torcer ao ser questionado por um seguidor nas redes sociais.

"Isso acontece com tanta frequência que eu vou simplesmente aceitar que eu sou um adivinho, um místico, como vocês quiserem chamar", escreveu ele no Twitter.

"Com isso em mente, agora eu vou fazer uma previsão otimista na esperança de que ela também se torne verdade: nós vamos sair do outro lado dessa crise de coronavírus como uma sociedade mais empática, altruísta e globalmente consciente", continuou ele na rede social. Confira:

Dead Set começa em uma noite de paredão, quando uma assistente de produção leva a mãe de uma sister na berlinda para a plateia do Big Brother --o motorista, porém, está infectado e acaba transformando as duas em mortas-vivas.

Casa do Big Brother é tomada por sangue em dominação zumbi: cena de terror de Dead Set

Em questão de minutos, todo mundo que foi assistir à eliminação da semana é transformado em zumbi, invade a área de produção do reality e começa a morder a equipe --até a apresentadora, Davina McCall (que interpreta ela mesma), passa pela mutação e começa a devorar as tripas de seus colegas como se fosse um banquete.

A protagonista da história de terror com toques de comédia é Kelly (Jaime Winstone), uma assistente de produção que sonha em ter um cargo maior na equipe, mas é vista apenas como a profissional que busca café. Quando vê boa parte de seus colegas morta, ela entra no confinamento e precisa convencer os brothers de que não é uma infiltrada pela produção --e que os zumbis não são a prova do líder.

A versão original britânica explorou ao máximo o tema Big Brother. Como o E4, canal da minissérie, é do mesmo grupo do Channel 4, que exibia o reality na época, a equipe pôde aproveitar parte dos cenários. Participantes de edições anteriores do reality também fizeram pontas na atração fictícia --e viraram zumbis, é claro.

Versão brasileira na Netflix

Como o Notícias da TV adiantou em abril do ano passado, Dead Set vai ganhar uma versão brasileira na Netflix em breve e terá a ex-BBB Sabrina Sato no elenco. Chamada de Reality Z, a atração trará a "japonesa" como a apresentadora do reality Olimpo, a Casa dos Deuses --a plataforma de streaming não pode usar nenhuma referência à marca Big Brother por não ter os direitos da atração.

Além de Sabrina, o elenco conta com Guilherme Weber, Ana Hartmann, Emilio de Mello, Carla Ribas, Luellem de Castro, Ravel Andrade e Jesus Luz. A primeira temporada de Reality Z já foi toda gravada e tem previsão de estreia para este ano --a data exata, porém, a Netflix não revela. Em tempos de coronavírus, talvez seja melhor não brincar com o tema por enquanto.


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?