Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

ANTI-828

Com grupo de haters, Manifest joga lenha na fogueira em debate sobre fé

DIVULGAÇÃO/NBC

Dentro de uma oficina mecânica, Josh Dallas e Patrick Murney se encaram igual a boxeadores em cena de Manifest

Josh Dallas com Patrick Murney no 13ª episódio da primeira temporada de Manifest; Ben encara um inimigo

JOÃO DA PAZ

Publicado em 7/7/2020 - 20h00

A religião faz parte de Manifest - O Mistério do Voo 828. Demonstrações de fé ou de descrença são apresentadas desde o primeiro episódio, com destaque para uma passagem do livro de Romanos, da Bíblia. Até uma igreja em adoração aos passageiros ganha corpo. Paralelo a isso, um grupo de haters entra em cena para propagar o ódio, com violência.

[Atenção: spoilers a seguir]

Manifest joga lenha na fogueira, ou um tijolo na janela, no 13º episódio da primeira temporada, chamado de Liberado Para Abordagem, que a Globo exibe nesta terça-feira (7). É apresentado ao público um grupo contrário aos passageiros do voo 828. Os anti-828 assumem o papel de desconstruir a imagem de divindades daqueles que reapareceram após cinco anos e meio sumidos em pleno ar. Para os haters, eles não são nada santos, mas sim terroristas.

O episódio desta semana mostra que esses opositores fazem barulho. Conseguem até colocar um outdoor em um viaduto com a pergunta: "Os passageiros do 828 são humanos?", em letras garrafais. E estimulam quem vê aquele anúncio a exigir uma investigação. Um avião, marcado com um X vermelho bem grande, ilustra a placa. E o endereço de um site também é divulgado: 828exijaaverdade.com.

Um tal de Cody Weber (Patrick Murney), dono de uma oficina mecânica, é o criador do site. Em um dos vídeos postados na página, com cerca de 900 visitantes, ele faz um discurso de ódio e ameaça: "Esses passageiros, impostores, foram liberados [pela polícia] para plantar o ódio, destruição, terrorismo. Temos de rastreá-los e detê-los antes que seja tarde. Se o governo não fizer isso, o povo fará".

O detetive Jared (J.R. Ramirez) diz para Ben Stone (Josh Dallas) que esse não é o único site ou grupo de pessoas que passou a enxergar os passageiros do voo 828 como vilões. Isso ocorreu depois de Bill Daly (Frank Deal), o piloto da misteriosa aeronave, agir inconsequentemente e roubar um avião.

REPRODUÇãO/nbc

Página inicial do site Exija a Verdade; discurso de ódio contra os passageiros do voo 828


Fé versus ódio

Os haters são uma boa adição para a trama de Manifest. Os passageiros eram, até esse episódio, importunados pelos crentes, pessoas que desejam ao menos tocá-los para sentir algo supostamente transcendental. Agora, eles são incomodados pelo ódio, como Ben, que tem sua casa atacada por um tijolo que atinge uma janela e um X vermelho pichado na porta de entrada. O mesmo vandalismo sofre Saanvi Bahl (Parveen Kaur) dentro do hospital no qual trabalha.

Tanto a fé quanto os antis-828 serão presentes na trama de Manifest daqui em diante. Esses recortes da sociedade retratada na série representam até o que os personagens sentem, os tais conflitos internos. Pois os haters chamam os passageiros de aberrações, e o menino Cal (Jack Messina), que prevê o futuro em seus desenhos, acha que ele é uma aberração, de fato.

Esses elementos só fazem Manifest fervilhar ainda mais com seus enigmas sobrenaturais e adversidades mais concretas. Enquanto Ben, com seu viés matemático e racional, tenta encarar tudo pela lógica e praticidade, sua irmã muda de postura aos poucos.

A detetive Michaela Stone (Melissa Roxburgh), que mostrou ser bem cética lá no início da série, não mudou por completo, mas mostra uma inclinação à fé. Ela até orou, seja no túmulo da mãe ou ao ver o ex-noivo Jared entre a vida e a morte. Com suas ações, Michaela age positivamente, crendo que os chamados que ouve são benéficos, para ajudar pessoas. Como se ela fosse escolhida para isso.

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?

Muito bom, tem todo o conteúdo que os fãs da Disney amam.
19.71%
O catálogo é bom, mas há falhas e problemas no aplicativo.
8.46%
Não gostei, o conteúdo não me interessou.
17.51%
Não assinei, achei o preço muito alto.
54.32%