Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Nova Lost

Como This Is Us ajudou Manifest - O Mistério do Voo 828 a ser produzida

DIvulgação/NBC

Melissa Roxburgh com um gorro da polícia de Nova York e Josh Dallas veste um casaco na série Manifest

Melissa Roxburgh e Josh Dallas na primeira temporada de Manifest - O Mistério do Voo 828; dupla vive irmãos na série

JOÃO DA PAZ

Publicado em 21/4/2020 - 6h04

O produtor e roteirista Jeff Rake desenvolveu a série Manifest – O Mistério de Voo 828 há 12 anos, enquanto trabalhava em uma atração chamada Cashmere Mafia (2008). A sua criação tinha uma dose forte de elementos sobrenaturais, tipo os vistos em Lost (2004-2010), mas ninguém se interessava pela trama. Então, This Is Us surgiu e... Eureka!

Veio do drama chororô, lançado em 2016, a ideia de inserir em sua série dois irmãos no centro da trama. Rake reformulou todo o projeto, apresentou Manifest para a Warner Bros. e a rede NBC, a mesma de This Is Us. Os executivos gostaram da proposta e encomendaram a primeira temporada, que estreou em 2018.

"Uma das minhas invenções que mais me orgulha é ter irmãos no núcleo da série, assim como This Is Us", contou Rake em entrevista ao site Syfy Wire. "O fato de eu ter um irmão e uma irmã adulta permite que eu abra múltiplas janelas com histórias distintas e com todo tipo de relacionamento."

This Is Us tem isso como característica. São três irmãos que lideram a narrativa, e cada um deles tem sua respectiva vida ou família --isso só expande o universo da série. "Em Manifest, tudo gira em torno da parceria entre irmão e irmã. Paralelamente a isso, ocorrem diversos triângulos entre outros personagens que deixam a trama agitada", completou o criador.

O foco é tão grande na policial Michaela Stone (Melissa Roxburgh) e no professor Ben Stone (Josh Dallas) que uma pessoa desavisada pode achar, com toda a razão, que os dois são um casal e não irmãos, pois há várias cenas em que rola uma química esquisita entre eles.

A dupla é inseparável e se dedica a descobrir o que aconteceu com o voo 828, que desapareceu em pleno ar durante cinco anos e meio, em um trajeto da Jamaica para Nova York. Ao aterrissarem, os passageiros (eles inclusive) descobriram que o mundo continuou, mas eles pararam no tempo, sem envelhecer um dia sequer.

Em sua primeira experiência como criador de uma série, Jeff Rake conseguiu unir o melhor de dois gêneros que chamam a atenção do público: tramas sobrenaturais e familiares. Se esse segundo aspecto foi inspirado em This Is Us, o primeiro tem inspiração em Lost --as semelhanças de Manifest com a série icônica são gritantes.

Existe um avião, há números cabalísticos, uma sombra misteriosa... Esses enigmas são resolvidos de maneira explícita no desenrolar dos episódios, pois Rake e sua equipe não querem repetir vacilos de Lost e deixar o público frustrado com essa parte sobrenatural. E os dramas familiares seguem a mesma linha, são bem resolvidos rapidamente e não deixam a série ficar frouxa.

Tal combinação fez Manifest atingir popularidade nos Estados Unidos e também no Brasil. A primeira temporada já passou pelo Globoplay e, desde o último dia 7, está na programação semanal da Globo, atingindo índices de audiência altíssimos, como os registrados na estreia. A segunda temporada já se encerrou nos EUA. A rede NBC ainda não confirmou o terceiro ano da produção.


Saiba tudo que vai acontecer nos próximos capítulos das novelas no podcast Noveleiros

Listen to "#10: Final de Avenida Brasil e grande segredo de Novo Mundo revelado!" on Spreaker.

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?