Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

ENTENDA O CASO

Jornal Nacional expõe ameaça de Bolsonaro contra concessão da Globo

ALAN SANTOS/PR/DIVULGAÇÃO e REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Montagem de fotos com Jair Bolsonaro em discurso, e Renata Vasconcellos no Jornal Nacional

Jair Bolsonaro e Renata Vasconcellos: presidente tem feito ameaças sobre concessão da Globo

VINÍCIUS ANDRADE

vinicius@noticiasdatv.com

Publicado em 17/2/2022 - 22h21

A edição desta quinta-feira (17) do Jornal Nacional usou o discurso do ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), para expor a ameaça de Jair Bolsonaro contra a renovação da concessão da Globo. Apesar de não contextualizar o caso, o telejornal comandado por William Bonner e Renata Vasconcellos exibiu um trecho em que Barroso tratou sobre o tema.

"O ministro [Barroso] não citou o nome de Jair Bolsonaro, mas listou uma série de atos do presidente considerados afrontas à democracia", anunciou a âncora do jornalístico da emissora.

"Não foram apenas exaltações verbais à ditadora e à tortura, mas ações concretas e preocupantes", começou o ministro, que listou uma série de atos do presidente da República, como participação em eventos que pediam a volta da ditadura militar (1964-1985) e perseguição ao STF (Supremo Tribunal Federal).

No sexto e no sétimo itens, Luís Roberto Barroso mencionou os ataques contra a imprensa e tratou sobre o tema da Globo. "[Bolsonaro fez] Ameaça de não renovação de concessão de emissora que faz jornalismo independente e [esteve em casos de] agressões verbais aos jornalistas e órgãos de imprensa, entre outras".

O discurso no TSE aconteceu porque o ministro comandou sua última sessão como presidente do tribunal. A partir do dia 22, Luiz Edson Fachin assumirá o cargo na mais alta corte eleitoral do país.

Concessão da Globo

Mesmo sem a citação direta ao nome da Globo, Barroso estava falando sobre a emissora, já que Bolsonaro tem insistido nesse tema desde o seu primeiro ano de mandato. No último sábado (12), em entrevista ao programa de rádio do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, Bolsonaro voltou ao assunto.

"A renovação da concessão da Globo é logo após o primeiro turno das eleições deste ano [em outubro]. E, da minha parte, para todo mundo, você tem que estar em dia. Não vamos perseguir ninguém, nós apenas faremos cumprir a legislação para essas renovações de concessões. Temos informações que eles [Globo] terão dificuldades, não queremos perseguir ninguém", falou o presidente, que complementou:

Desde 2010 comecei a sentir o peso da campanha da Globo contra mim. Durante o ano da campanha, em 2018, também foi enorme isso aí. Fui acusado de racista e homofóbico, tudo o que você possa imaginar, e sem prova nenhuma. Tudo era potencializado. Fizeram de tudo pra me derrubar, não conseguiram. Muitos sempre disseram em Brasília que sou um herói nacional, porque ninguém resiste a dois meses de Globo, e nós estamos resistindo mais de três anos de mandato.

Procurada pelo Notícias da TV, a Globo não quis se manifestar sobre o caso. Por lei, é prerrogativa do presidente da República determinar se as concessões de frequências eletromagnéticas devem ser renovadas ou não, a cada 15 anos. A decisão final, no entanto, cabe ao Congresso Nacional.

Para cancelar uma concessão, são necessários os votos de dois quintos dos deputados e senadores. A permissão atual vence em 7 de outubro.


Leia também

Enquete

Pantanal perde audiência: novela está chata?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.