Bastidores

Ameaça de Bolsonaro assusta, mas Globo não teme perder concessões

Victor Pollak/TV Globo

A atriz Agatha Moreira grava cena de A Dona do Pedaço em que Josiane vende bolos; Estúdios Globo, Rio de Janeiro

Agatha Moreira em cena de A Dona do Pedaço: contra Bolsonaro, a Globo aposta na força de sua produção

DANIEL CASTRO - Publicado em 01/11/2019, às 05h07

As ameaças feitas à Globo por Jair Bolsonaro assustaram os executivos da emissora, mas eles não acreditam que o presidente irá levar a cabo a mais assustadora promessa, a de não renovar suas cinco concessões de TV,  a vencerem em 7 de outubro de 2022.

Como o Notícias da TV mostrou ontem, quem decide se uma concessão de TV deve ser renovada ou não é o Congresso Nacional, e a Globo tem muita força, principalmente no Senado, onde atuam políticos que também são radiodifusores.

Ao presidente compete encaminhar a renovação ou perempção da outorga ao Senado. E para fazer isso, ele precisa de boas justificativas. Como demonstrar que a Globo não cumpre com os objetivos educativos, culturais e informativos definidos na Constituição de 1988. Ou problemas flagrados pela fiscalização da Anatel, onde a emissora tem forte influência.

"Contra a Globo o presidente não encontra nada", brada um importante diretor da emissora, que pede anonimato. "A empresa investe muito no cumprimento de obrigações", complementa.

Além de sua "ficha limpa", a Globo aposta na força de sua programação, a preferida dos brasileiros desde o início dos anos 1970.

"Ele [Bolsonaro] vai ter de explicar para 100 milhões de brasileiros por que não vai renovar a concessão da quarta maior rede de TV do mundo, premiada internacionalmente, que gera 15 mil empregos diretos e é 100% nacional, além de ser o 17º maior grupo de comunicação do planeta", explica outra importante figura dos bastidores da Globo.

A Globo conta até com um detalhe curioso: se Bolsonaro cassar alguma concessão de TV, ele será comparado ao venezuelano Hugo Chávez, que em 2006 anunciou que não iria renovar a licença do "canal golpista" RCTV, hoje restrito ao YouTube. "Tem um custo político de se passar por chavista", aposta o executivo da Globo.

Daniel Castro
DANIEL CASTRO transformou a coluna de Televisão da Folha de S.Paulo na mais relevante do país durante sua passagem pelo jornal, entre 1991 e 2009. Trabalhou no Notícias Populares (1995-96) e R7 (2009-13). E-mail: dcastro@noticiasdatv.com

Leia também

Comentários

Carregando… Carregando...