Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

NO HISTORY

Após irritar historiadores, Guia Politicamente Incorreto volta de cara nova

Reprodução/History

Com expressão de surpresa, Eduardo Bueno olha para a câmera no cenário do Guia Politicamente Incorreto

O jornalista Eduardo Bueno é o novo apresentador do Guia Politicamente Incorreto, do History

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 6/11/2020 - 6h50

Três anos depois de irritar historiadores, o programa Guia Politicamente Incorreto volta ao ar no History de cara nova. O jornalista Eduardo Bueno assume o posto de apresentador no lugar do youtuber Felipe Castanhari, e os episódios se afastam do livro homônimo escrito por Leandro Narloch para promover novos debates.

Foi a obra de Narloch, aliás, que gerou todo o quiproquó na primeira temporada do programa. Historiadores como Lilia Schwarcz, Laurentino Gomes e Lira Neto alegaram que foram procurados pela produtora Studio Fly para gravarem depoimentos para uma nova série sobre a história do Brasil, mas não sabiam que se tratava de um programa baseado no livro do polêmico jornalista, queridinho de Jair Bolsonaro.

Quando descobriram a real intenção do programa, os especialistas se irritaram e solicitaram que suas participações fossem cortadas dos episódios. Apesar de todos terem assinado o termo de liberação de imagem, o History atendeu aos pedidos e eliminou os descontentes na sala de edição.

Felipe Castanhari também se mostrou insatisfeito com o resultado final. "Não concordo com muitas coisas ditas por parte dos entrevistados nem com a forma com que o programa lidou com vários assuntos delicados, porém, nada pude fazer porque eu não era o dono do projeto", desabafou no Twitter.

Nem de direita nem de esquerda

Convidado para substituir o youtuber, Eduardo Bueno admite que ficou receoso em associar seu nome ao programa. "Realmente me preocupei, porque a primeira temporada ganhou pecha de programa de direita. Eu acho injusta, por sinal. A obra do Narloch pode ter um verniz de direita, sim, mas não a série. Eu jamais faria um programa de direita, como também não participaria de um de esquerda", alfineta o jornalista e escritor ao Notícias da TV.

Famoso por suas abordagens divertidas sobre a história do Brasil em livros e no YouTube, o novo apresentador diz ainda que ficou magoado com os colegas que pediram para serem cortados do primeiro ano. "Historiadores que eu respeito não quiseram participar. O que eu acho um equívoco, porque o History estava dando voz a eles."

Os conflitos, segundo Bueno, continuará nos novos episódios. Mas deixará os bastidores da atração e irá para a frente das câmeras. "É uma controvérsia de ideias, de debates. Quando fui convidado, pedi para continuar tendo lados conflitantes. Essa série não é de esquerda ou direita, procura ver o que joga o Brasil para cima ou para baixo. Tem muita coisa puxando o país para baixo, e a gente vai tentar jogá-lo para cima", filosofa.

Diretor-geral da A+E Networks Brasil, programadora do History, Raul Costa Jr. evita as polêmicas de 2017 e foca no futuro. "Na época, nós frisamos que o nosso papel era apresentar os fatos, as informações, nunca assumindo uma posição de um lado ou de outro. Mas algumas pessoas sentiram que tomamos uma tendência", lembra.

"Agora, redobramos o cuidado de buscar esse equilíbrio entre opiniões diferentes. Mas a nossa função é trazer os fatos e deixar que o público tome as próprias decisões", explica o diretor.

De fato, as opiniões da nova temporada são bem variadas. Um episódio sobre  a importância dos bandeirantes, por exemplo, conta com depoimentos díspares de um padre jesuíta e de um historiador indígena. Nomes como William Waack e o músico João Barone, baterista do Paralamas do Sucesso, também aparecem para comentar a história do país.

Patrulha do politicamente correto?

Sem papas na língua, Eduardo Bueno ainda defende o título do seu programa. "Eu acho que o politicamente incorreto andou endireitando demais. A história não pode ficar só na sala de aula, porque, ali, ela tem uma ideologia, uma visão fragmentada. Sempre achei que o lugar da história é na vida real, com discussões para fazer um mundo melhor. Nós queremos controvérsias, sim, mas com conteúdo, não é uma polêmica gratuita", define.

A segunda temporada de Guia Politicamente Incorreto terá oito episódios, exibidos a partir deste domingo (8), às 19h, no History. Entre os temas abordados, estão a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quem realmente foi Antônio Conselheiro (1830-1897), o papel da princesa Isabel (1846-1921) na abolição da escravatura e o mito de Tiradentes (1746-1792).

Confira o trailer da nova fase do programa nacional:


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?