Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

DE R$ 250 A R$ 449

Conheça sete dispositivos que transformam qualquer tela em Smart TV

FOTOS: REPRODUÇÃO

Família no sofá escolhe o serviço de streaming que quer assistir na tela da TV

A maioria dos produtos vem com controle remoto para facilitar o acesso aos aplicativos

EDUARDO BONJOCH

edubonjoch@gmail.com

Publicado em 13/6/2021 - 6h15

A maneira mais fácil e barata de transformar qualquer televisor em Smart TV para acessar os serviços de streaming é adquirir um acessório que se conecta à entrada HDMI do seu aparelho. Pode ser um dongle, que é um dispositivo simples, geralmente com visual de pen-drive e controle remoto (com exceção do Chromecast), ou uma caixinha do tipo TV box, com várias opções de conexões, incluindo entradas USB e até para cartões de memória.

O Notícias da TV selecionou sete dispositivos com estas características, compatíveis com resolução Full-HD ou 4K, que foram organizados por ordem de preço. Há opções que vão de R$ 250 a R$ 449, considerando o menor custo encontrado em lojas tradicionais de comércio on-line no período de 9 a 11 de junho de 2021.

Os produtos escolhidos foram homologados pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), com venda oficial no Brasil. Como o mercado oferece diversas opções, o consumidor precisa ficar atento. Vários modelos de TV box vêm com aplicativos ilegais para acessar canais de TV por assinatura gratuitamente ou cobrando falsas mensalidades, o que configura crime de pirataria e deixa expostos dados pessoais do usuário, capturados pela rede.

Aquario STV-2000

Com boa variedade de conexões e custo de R$ 250, o produto do tipo TV box é capaz de reproduzir conteúdo em 4K. Além da porta HDMI e Ethernet (para ter sinal de internet via cabo), estão presentes saídas A/V (para TVs de tubo) e SPDIF (áudio), uma entrada para cartões SD de até 32GB e quatro entradas USB 2.0, que podem ser usadas para conectar pen-drive, joysticks, controles smart e até mesmo um teclado ou mouse.

A caixinha roda o sistema Android 7.1 Nougat e permite acessar os principais aplicativos de streaming. Conta com processador de quatro núcleos, 1 GB de memória RAM e 8 GB para armazenamento interno, expandidos com cartão de memória. O produto é comandado por controle remoto ou app de celular.

Roku Express

Assim como o Chromecast 3, do Google, traz apenas duas conexões: uma HDMI, para ligação com a TV, e uma micro USB, para alimentar o produto. Com resolução Full-HD e custo a partir de R$ 289, leva vantagem sobre o concorrente no preço e também por incluir um controle remoto, dispensando o uso do celular para comandar o dispositivo. E a operação fica mais fácil com as teclas Netflix, Globoplay, HBO Go e Google Play.

Intuitivo e fácil de navegar, o sistema operacional próprio, que também está presente em algumas Smart TVs da Philco, é um dos destaques. O serviço de busca, por exemplo, é bem completo, vasculhando filmes e séries em vários serviços de streaming. O suporte à resolução 4K, que virá com o Roku Premiere, ainda sem data de lançamento no Brasil, e a compatibilidade com comandos de voz via Alexa ou Google Assistente ficaram de fora.

Chromecast 3

Com resolução Full-HD, o dispositivo do Google que cabe na palma da mão custa R$ 300 e foi um dos primeiros capazes de transmitir conteúdo do celular para o televisor. É compatível com os principais serviços de streaming e aceita comandos de voz via Google Assistente.

A ausência de um controle remoto é o principal ponto negativo e obriga o usuário a utilizar o celular ou tablet sempre que quiser usar o produto. Para acabar com isto, foi lançado o Chromecast com Google TV, que ainda não é vendido oficialmente no Brasil.

Criado para brigar com os concorrentes Fire TV Stick 4K, da Amazon, e Mi Box S, da Xiaomi, o novo dispositivo é compatível com resolução 4K e as tecnologias HDR e Dolby Vision, que aumentam a variedade de cores, deixando as imagens mais reais. Oferece ainda controle remoto Bluetooth e sistema operacional Google TV, parecido com Android TV.

Intelbras Izy Play

A TV box da Intelbras custa a partir de R$ 330 e utiliza sistema operacional Android TV 9.0, permitindo acessar os aplicativos da Play Store. Aceita buscas de conteúdo através de comandos de voz via Google Assistente e pode controlar outros dispositivos de uma casa inteligente, como lâmpadas e tomadas, pelo aplicativo Google Home.

Entre as conexões, estão saídas HDMI e A/V, além de duas entradas USB 2.0. Dá também para usar a tecnologia Bluetooth para conectar joysticks e fones de ouvido sem fios. Com resolução Full-HD, o produto oferece processador de quatro núcleos, 1 GB de memória RAM e 8 GB de armazenamento.

Mi TV Stick

Com preços a partir de R$ 330, o dispositivo da Xiaomi roda o sistema operacional Android TV, como nos televisores da TCL e da Philco, sendo completo na oferta de aplicativos. Outras vantagens são o suporte a buscas por voz (via Google Assistente) e o Chromecast integrado, que permite espelhamento com a tela do celular.

Em formato de pen-drive e de instalação semelhante à dos concorrentes na categoria dongle, o produto lembra o Fire TV, da Amazon. O controle remoto Bluetooth tem teclas para acesso rápido ao Netflix e ao Prime Video. São 8 GB para armazenamento e 1 GB de memória RAM.

Como a resolução é Full-HD, alguns usuários podem ficar frustrados. Se for o seu caso, a dica é migrar para o Mi Box S, que é compatível com conteúdos em 4K HDR e custa R$ 550.

Fire TV Stick Lite

Com resolução Full-HD e sistema operacional próprio, o dispositivo da Amazon custa R$ 349 e tem um ponto a seu favor: o controle remoto com microfone que aceita comandos de voz via Alexa. Com poucas palavras, o telespectador pode fazer buscas, selecionar aplicativos e desligar a TV, de forma prática e simples.

Idêntico aos concorrentes da categoria nas conexões (HDMI e mini USB), o Fire TV Stick Lite sai perdendo nos aplicativos, já que o app do Globoplay não está presente. O dispositivo é compatível com Bluetooth, facilitando a conexão de fones de ouvido e caixas acústicas, e traz 8 GB para armazenamento do sistema operacional e de conteúdos transferidos pelo usuário.

Mais nova, a versão Fire TV Stick custa R$ 379 e tem como atrativo adicional o controle remoto com novas teclas para comandar a TV e acessar diretamente os serviços Prime Video, Netflix, Disney+ e Amazon Music. Já o Stick 4K sai por R$ 449, sendo compatível com filmes e séries em Ultra-HD, inclusive com as tecnologias HDR e Dolby Vision.

Elsys ETRI02

A TV box 4K também funciona como um conversor para ver os canais abertos da TV digital. A caixinha, que custa R$ 449, adota o sistema operacional Android TV 9.0 e já vem com Chromecast integrado para reproduzir conteúdos do celular. As buscas nos aplicativos e de jogos podem ser feitas a partir do controle remoto, que aceita comandos de voz utilizando o Google Assistente.

Na parte de conexões, estão presentes saídas HDMI e A/V, além de entradas para antena, Ethernet (internet cabeada), USB 3.0 (são duas) e cartões micro SD. O produto é compatível com a tecnologia Bluetooth e oferece processador de quatro núcleos, 2 GB de memória RAM e 8 GB para armazenamento.

TUDO SOBRE

Smart TV


Leia também

Web Stories

+
Vômito, narrador ridículo e ‘xerecada’: Cinco momentos engraçados das OlimpíadasBárbara, Kelvin e Medina: Atletas brasileiros se envolvem em tretas nas OlimpíadasAna ou Manuela? Saiba quem fica com Rodrigo no final de A Vida da GenteComo Rayssa Leal e Douglas Souza: Cinco atletas das Olimpíadas que você deve seguirTraição de Pyong Lee e treta de Nadja Pessoa: Ilha Record promete estreia acalorada

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Qual a melhor cobertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio?