Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

SEM COVID-19

HIV, cegonha na porta e fantasma: O que esperar da 4ª temporada de Sob Pressão

FOTOS: JOÃO FAISSAL/TV GLOBO

O ator Julio Andrade grava cena de Sob Pressão em rua do Rio de Janeiro com figurantes usando farda de polícia atrás dele

Evandro (Julio Andrade) vai se ferir no começo do episódio de estreia nesta quinta (12)

MÁRCIA PEREIRA

marcia@noticiadastv.com

Publicado em 12/8/2021 - 6h35

Sob Pressão, com sua alta carga dramática, escanteia a Covid-19 para voltar à discussão que promove desde a primeira temporada: o caos na saúde pública brasileira. Em cinco anos de trabalho, elenco, roteiro e direção estão mais afiados do que nunca para chocar o público com a realidade dos profissionais. A temática é inesgotável, mas o fantasma do erro médico será um dos problemas que permeará os novos episódios com a chegada de Mauro (David Junior) ao time fixo da série.

"Mauro é um neurocirurgião que tenta se redimir a cada paciente por um erro do passado", conta David Junior, que foge de dar spoiler como o diabo da cruz. Ele fez participação no especial Plantão Covid em 2020 e foi convocado para integrar a produção na quarta temporada.

O novato está totalmente engajado e impactado com o trabalho. "Ver como o sistema de saúde funciona, como médico, traz uma empatia porque me deixa muito à flor da pele. A gente vê o quanto é vulnerável", comenta o ator. 

Entre os investimentos feitos pela produção em conteúdo que busca entreter e, ao mesmo tempo, gerar conscientização, está o crescimento do HIV entre idosos. A cegonha também vai dar as caras de surpresa com um filho não planejado pelos "mocinhos" da história, Carolina (Marjorie Estiano) e Evandro (Julio Andrade).

Diana (Ana Flavia Cavalcanti) reaparece na trama com o filho, Francisco, que está doente, nos braços. A partir do terceiro episódio, essa teia em torno da paternidade do bebê se desfaz. A mulher teve um romance com Evandro quando o casamento dele com Carolina entrou em crise no passado. 

Autor de Sob Pressão, Lucas Paraizo organizou os roteiros para que cada episódio contasse com duas histórias em participações especiais para dinamizar a narrativa, que já conta com dois pilares: o lado profissional e o pessoal dos personagens. 

São justamente as participações especiais que trazem frescor a cada episódio, afinal tem sempre uma cara nova para mostrar que "você não está sozinho na dor". No processo de pesquisa, Paraizo descobriu que os casos de idosos com HIV aumentaram 600%.

Arlete Salles e Ary Fontoura em Sob Pressão

Golpe da participação

É a primeira vez que a trama aborda a Aids na terceira idade. Ary Fontoura e Arlete Salles encenam essa história. Com dois nomes de peso da dramaturgia brasileira, só se pode esperar cenas fortes e emocionantes.

"São cem participações por temporada", conta o diretor artístico da série, Andrucha Waddington. "Participação especial é um golpe que nós damos, eles é que são os protagonistas", brinca Drica Moraes, intérprete da médica Vera.

Durona, Vera agora terá seu drama pessoal retratado. Leonardo (João Vitor Silva), filho da médica, vai falsificar sua assinatura em receitas para comprar anfetamina. O jovem vai se drogar para estudar.

A quarta temporada chega depois do especial Plantão Covid ter sido elogiado pela crítica e pelo público em 2020. Os episódios foram gravados em agosto do ano passado, no auge da pandemia, e exibidos em outubro. Por isso, a expectativa para a estreia na noite desta quinta (12) não é ver novidades, mas o aprimoramento de uma fórmula que já é bem-sucedida.

"Sob Pressão é um remédio, é uma obra que traduz nestes cinco anos temas de uma sociedade febril. Tem efeito terapêutico com a construção do afeto para que todos entendam que defender o SUS [Sistema Único de Saúde] é defender a vida", conclui Márcio Maranhão, profissional de saúde responsável pela consultoria médica da produção.

Confira um resumo do que vai rolar na quarta temporada:


Leia também

Enquete

Qual a melhor novela no ar atualmente?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.