Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

FAMÍLIA ALTERNATIVA

Assim como na vida de Thammy, veja 5 séries que provam que pai é quem cria

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM e REPRODUÇÃO/ABC

Montagem de fotos com Bento Ferreira Miranda, Thammy Miranda e Andressa Ferreira Miranda (à esquerda); e com as atrizes Teri Polo e Sherri Saum abraçadas como as personagens Stef e Lena, respectivamente, na série The Fosters (à direita)

Bento, Thammy e Andressa (à esq.), e Stef (Teri Polo) e Lena (Sherri Saum) em The Fosters: famílias incomuns

KELLY MIYASHIRO

kelly@noticiasdatv.com

Publicado em 9/8/2020 - 6h56

Escolhido para estrelar uma campanha de Dia dos Pais para uma marca de cosméticos, Thammy Miranda gerou revolta de conservadores por ser um homem transexual. Porém, em um país em que mais de 5 milhões de crianças não têm o nome do genitor na certidão de nascimento, é necessário lembrar que pai é quem cria, como algumas séries como The Fosters (2013-2018) e Jane The Virgin (2014-2019) fazem questão de mostrar.

Thammy nasceu em um corpo feminino, mas descobriu mais tarde que se identificava com o gênero masculino, assumindo uma transição. Casado com Andressa Ferreira, o herdeiro de Gretchen se tornou pai de Bento, bebê gerado via inseminação artificial. Mostrando-se presente na criação do filho, não à toa o empresário foi selecionado para integrar um time de 15 influenciadores digitais para impulsionar as vendas da data comemorativa.

Não surpreende que muitas pessoas desconsiderem o ator como um homem "de verdade", visto que o Brasil é um dos países que mais mata LGBTQs do mundo. Mas chega a ser irônico desconsiderar sua legitimidade como pai quando existem milhões de mães solo abandonadas pelos maridos, além de casais homoafetivos que adotam aqueles cujos pais biológicos "descartaram".

Bem semelhante a esta última narrativa, a série The Fosters mostra um casal de lésbicas que adota várias crianças e adolescentes que viviam no sistema de adoção dos Estados Unidos, sem a menor perspectiva de encontrar uma família para sempre. Callie (Maia Mitchell), uma menina hostil e até um pouco selvagem, debate como as instituições não ligam para as crianças abandonadas por seus pais.

Outra trama que pontua a desnecessidade de um pai é Jane the Virgin, cuja protagonista foi criada pela mãe solteira e pela avó religiosa, e cresceu com caráter e feliz como qualquer outra pessoa com pai e mãe convencionais. 

Confira cinco séries que provam que a figura paterna pode ser muito relativa: 

The Fosters

Stef (Teri Polo) é uma policial que foi casada com seu colega de trabalho Mike (Danny Nucci), com quem teve um filho, Brandon (David Lambert). Após se divorciar, ela se apaixonou por Lena (Sherri Saum), uma vice-diretora de escola. As duas adotaram os gêmeos Jesus (Jake T. Austin/Noah Centineo) e Mariana Foster (Cierra Ramirez), filhos de uma viciada em drogas.

No início da série, a educadora conhece Callie após ela ser espancada dentro do centro de detenção juvenil onde estava internada, e decide acolher a menina. Consequentemente, a família também recebe Jude (Hayden Byerly), irmão caçula da adolescente problemática. Uma família nada convencional composta por um casal de lésbicas como as chefes da casa, um filho biológico, e quatro adotados. O drama está disponível no Amazon Prime Video.

Jane the Virgin

A protagonista Jane (Gina Rodriguez) só conheceu seu pai, um galã de novela famoso, depois de adulta. Até então, ela tinha sido criada pela mãe, Xiomara (Andrea Navedo), uma mulher extravagante que engravidou dela aos 16 anos, e pela avó, a querida abuela Alba (Ivonne Coll). Na trama, a jovem de origem venezuelana cresceu prometendo para a idosa que só perderia a virgindade após se casar.

Com muito bom humor e sotaques latinos, as três dão exemplo de parceria e força. A história se complica quando Jane acaba inseminada por engano (sua ginecologista devia ter feito apenas um exame de rotina). Ela enfrenta o conflito de manter a gravidez de um homem casado, enquanto nem sequer transou com o próprio namorado. É com a ajuda das duas mulheres que a criaram que ela consegue superar os dramas da vida. Jane the Virgin pode ser vista na Netflix. 

Full House

Conhecida no Brasil como Três É Demais, Full House (1987-1995) fez sucesso com suas oito temporadas ao mostrar Danny (Bob Saget), um homem que fica viúvo de repente e que precisa cuidar de três filhas sozinho. O repórter, então, ganha a ajuda de seu cunhado roqueiro Jesse (John Stamos) e de Joey (Dave Coulier ), seu melhor amigo desde a infância.

Leve e engraçada, a trama explora os dramas da falta que uma mãe faz na vida da pré-adolescente DJ (Candace Cameron), da pequena Stephanie (Jodie Sweetin) e da recém-nascida Michelle (Mary-Kate e Ashley Olsen), enquanto três marmanjos se viram como podem para criá-las. Infelizmente, a série antiga não está disponível em nenhum streaming, mas tem DVDs à venda. 

Fuller House

Derivada de Full House, Fuller House (2016-2020) estreou em 2016 como uma produção exclusiva da Netflix para mostrar como estava a família Fuller quase 30 anos após a série original. Propositalmente, DJ agora é a chefe da família, que acaba de ficar viúva e precisa dar seu jeito de cuidar de três filhos meninos: Jackson (Michael Campion), Max (Elias Harger) e o bebê Tommy (Dashiell e Fox Messitt).

Assim como na primeira versão, a protagonista não é largada sozinha e recebe o apoio da irmã Stephanie e de sua melhor amiga da adolescência, Kimberly (Andrea Barber). Apesar da saudade de uma figura paterna, as crianças são criadas com bom humor em uma casa alegre. Outros atores do elenco de Três É Demais fazem participações especiais. As cinco temporadas estão disponíveis na Netflix. 

A Casa da Raven

Derivada de As Visões da Raven, A Casa da Raven coloca a vidente e atrapalhada personagem interpretada por Raven-Symoné agora adulta e mãe solteira de duas crianças ao lado da melhor amiga, Chelsea (Anneliese van der Pol), que também cria o filho sozinha. As duas se apoiam uma na outa após a primeira se divorciar, enquanto a segunda viu o pai de seu herdeiro acabar na cadeia.

Produção da Disney, a série de comédia debate de maneira bem-humorada as confusões de Brooker (Issac Ryan Brown), que herdou da mãe o dom de prever o futuro. Com três temporadas e uma quarta confirmada, a série é exibida pelo Disney Channel, na TV por assinatura. 


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?