Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

MULHERES APAIXONADAS

Vilã em dose dupla, Regiane Alves entrega saia justa como musa de Sarney

AGÊNCIA SENADO/DIVULGAÇÃO

A atriz Regiane Alves segura um certificado junto do político José Sarney no plenário do Senado Federal

Regiane Alves e o ex-presidente José Sarney em audiência pública no Senado Federal em 2003

DANIEL FARAD, do Rio de Janeiro

vilela@noticiasdatv.com

Publicado em 5/11/2020 - 6h55

Clara em Laços de Família torra a paciência do público no Vale a Pena Ver de Novo, mas as maldades de Dóris em Mulheres Apaixonadas (2003) foram capazes de mudar a legislação brasileira. Por causa da novela reprisada pelo Viva, Regiane Alves chegou a participar da criação do Estatuto do Idoso no Senado --em meio às discussões, ela ainda virou "musa" de José Sarney.

"Eu fui para Brasília e, por mais incrível que pareça, quem me levou foi o Sérgio Cabral [ex-governador do Rio de Janeiro]. Só que o Sarney queria falar apenas sobre o meu primeiro filme, inspirado em um romance dele, que demorou sete anos para ficar pronto", entrega a artista, em referência ao longa-metragem O Dono do Mar (2004).

Na época, a intérprete até foi criticada por aceitar participar da produção, por conta da turbulenta passagem do político pela presidência. A repercussão foi abafada pela revolta popular com Dóris. "Ela falava uma série de barbaridades, a ponto de o público querer que Carlão [Marcos Caruso] desse um corretivo nela", relembra a paulista.

A vilã de Manoel Carlos chocou os telespectadores pela truculência com os avós Flora (Carmem Silva) e Leopoldo (Oswaldo Louzada). A comoção nacional acelerou a criação de uma lei específica para regulamentar os direitos às pessoas acima dos 60 anos, além de estabelecer punições a agressões e maus-tratos.

"A partir daí, qualquer novela com uma neta daquelas já estaria presa no primeiro capítulo", brinca Tony Ramos, que interpreta o livreiro Miguel na reprise vespertina da Globo.

REPRODUÇÃO/TV GLOBo

A atriz com Marcos Caruso em Mulheres Apaixonadas

Ironias da vida

Em Laços de Família, quem ficou no pé de Regiane foi o desembargador Siro Darlan, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Em 2000, o juiz proibiu a participação de menores de 18 anos nas gravações por conta das cenas de sexo e violência --a atriz-mirim Júlia Maggessi, que interpretava a filha de Clara, foi uma das atingidas pela liminar.

Por ironia do destino, o jurista foi afastado do cargo durante 180 dias no início de abril deste ano, cinco meses antes de a novela voltar ao ar na faixa de reprises vespertinas da Globo. Ele é investigado por corrupção passiva, acusado de usar plantões judiciários para facilitar ordens em habeas corpus.

"Era o nome que a gente mais ouvia [nos bastidores], ainda mais quem trabalhava com as crianças. É dar tempo ao tempo. A vida é uma eterna roda gigante", analisa a intérprete.


Saiba tudo que vai acontecer nos próximos capítulos das novelas com o podcast Noveleiros

Ouça "#34 - Confusão e gritaria no casamento de Fedora em Haja Coração!" no Spreaker.


Inscreva-se no canal do Notícias da TV no YouTube e assista a vídeos com revelações do que vai acontecer nas suas novelas preferidas!


Últimas de Laços de Família

Leia também

Enquete

Qual a melhor novela no ar atualmente?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.