Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

REPRISE 'INÉDITA'

Record faz operação de guerra para lançar A Bíblia e evitar desastre ao fim de Gênesis

FOTOS: REPRODUÇÃO/RECORD

O ator Juliano Laham caracterizado como José em cena de Nos Tempos do Imperador

José (Juliano Laham) em cena de Gênesis; novela bíblica será reprisada logo após o último capítulo

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 19/11/2021 - 13h28

A Record escalou até o departamento de Jornalismo para esquentar o lançamento de A Bíblia, compilado de reprises que substituirá Gênesis a partir da próxima terça (23). A emissora exibirá um documentário para dar um verniz de novidade à produção, que vai reunir trechos de Os Dez Mandamentos (2015), A Terra Prometida (2016) e do atual folhetim.

A rede de Edir Macedo vai exibir neste domingo (21) o especial A História do Maior Best-Seller de Todos os Tempos, em que seus repórteres irão até Israel para mostrar as mais recentes descobertas arqueológicas relacionadas a passagens do livro sagrado do Cristianismo.

A linguagem documental não foi escolhida à toda, já que o folhetim de Camilo Pellegrini, Stephanie Ribeiro e Raphaela Castro não foi vendido como uma alegoria ou um mito criacional, mas como uma adaptação de fatos que teriam realmente ocorrido --e que teriam implicações na sociedade Ocidental até a atualidade.

Além de um blog no R7 destinado a explicar as intercessões entre o folhetim e os dias de hoje, a Record também contou nos primeiros capítulos com o reforço de nomes da Igreja Universal do Reino de Deus. Renato Cardoso, genro de Macedo, foi ao Twitter explicar o porquê de o fruto proibido ser azul --cor que não é natural a qualquer alimento, à exceção dos mirtilos.

Ao todo, A Bíblia vai compilar três anos de novelas bíblicas em apenas quatro meses para tapar o buraco no horário nobre antes da estreia de Reis no primeiro semestre de 2022. A expectativa é evitar que a audiência volte ao patamar de um dígito, como aconteceu com a reapresentação de Apocalipse (2017) durante a pandemia.

O ator Carlo Porto caracterizado como Adão em cena de Gênesis

Adão (Carlo Porto) em Gênesis

Os acontecimentos serão exibidos em ordem cronológica, ou seja, Gênesis vai dar lugar a si mesma. José (Juliano Laham) sai de cena, e Adão (Carlo Porto) volta a habitar o Jardim do Éden --seguido por Noé (Oscar Magrini), a torre de Babel, Terá (Ângelo Paes Leme), Abraão (Zécarlos Machado), Israel (Petrônio Gontijo) até voltar ao governador-geral do Egito.

Moisés (Guilherme Winter), de Os Dez Mandamentos, então abrirá mais uma vez as águas do Mar Vermelho para permitir que os hebreus deixem a escravidão no faraó para trás. Ele passará a liderança do clã para Josué (Sidney Sampaio), de A Terra Prometida, que os conduzirá de volta à Canaã.

Reis então retomará a história algumas décadas depois da queda das muralhas de Jericó, já no final do período de Juízes, e ainda dentro do Velho Testamento. A única a ficar de fora é Jezabel (2019), já que o profeta Elias (Iano Salomão) é contemporâneo aos acontecimentos da novela inédita.


Saiba tudo sobre os próximos capítulos das novelas com o podcast Noveleiros

Ouça "#81 - Christian e Bárbara vivem desastre familiar em Um Lugar ao Sol" no Spreaker.


Inscreva-se no canal do Notícias da TV no YouTube e assista a vídeos com revelações do que vai acontecer em Gênesis e outras novelas.


Últimas de Gênesis


Resumos Semanais

Resumo da novela Gênesis: Capítulo de 22 de novembro

Segunda, 22/11 (Capítulo 220) 
Lúcifer é impedido de invadir festa de Israel. Herit anuncia gravidez a Shereder. Judá se redime por ter vendido José. Asenate chora de felicidade ao lado do governador-geral do Egito. Deus surge em discurso final. Abumani surpreende ... Continue lendo

Leia também

Enquete

Com quem Irma merece ficar em Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.