Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

PRODUÇÕES LUXUOSAS

Disney+, HBO Max e Netflix: Onde assistir aos filmes mais caros da história online?

DIVULGAÇÃO/BUENA VISTA PICTURES/MARVEL STUDIOS/WARNER BROS.

Montagem com Keira Knightley, Robert Downey Jr. e Gal Gadot

Piratas do Caribe, Vingadores e Liga da Justiça estão entre os dez filmes mais caros da história

VICTOR CIERRO VIEIRA

victor@noticiasdatv.com

Publicado em 13/11/2021 - 6h17

Maior novidade da Netflix para 2021, Alerta Vermelho estreou na sexta-feira (12) como o filme mais caro da história da plataforma de streaming. No entanto, apesar do investimento de US$ 200 milhões (R$ 1,1 bilhão), a superprodução não entra no ranking dos dez longas com os orçamentos mais altos de Hollywood.

Com o intuito de atrair um grande público e lucrar com isto, os estúdios investem uma quantia descomunal em seus filmes blockbusters. Ainda que o preço não seja um certificado de sucesso, as companhias continuam gastando milhões com a finalidade de ter uma renda ainda maior.

Além do investimento milionário em cenários magníficos e efeitos visuais deslumbrantes, as empresas de Hollywood também aplicam grande parte da sua fortuna em contratos com atores renomados. Gal Gadot, Keira Knightley e Robert Downey Jr. são alguns dos protagonistas desses filmes luxuosos.

Para entrar no clima de Alerta Vermelho, o Notícias da TV apresenta onde assistir aos filmes mais caros da história no streaming. Enquanto a HBO Max e Netflix têm um longa cada, o Disney+ conta com diversas produções deste ranking em seu catálogo. Confira:

Filmes mais caros da história

Confira a lista completa, com trailers, sinopses e custo da produção:

Lançado em 2016, o filme mostra as consequências do confronto entre Superman (Henry Cavill) e Zod (Michael Shannon). Enquanto muitos consideram o herói uma espécie de deus, alguns acreditam que conviver com alguém tão poderoso como ele pode ser extremamente perigoso.

O milionário Bruce Wayne (Ben Affleck) enxerga o alter ego de Clark Kent como uma verdadeira ameaça para a humanidade. Para detê-lo, ele precisa entrar em ação como o Batman. A produção sobre os personagens da DC Comics custou US$ 250 milhões (R$ 1,3 bilhão).

A Disney investiu US$ 258 milhões (R$ 1,4 bilhão) para a produção do oitavo filme da franquia Star Wars. Na trama de 2017, após encontrar o ícone Luke Skywalker (Mark Hamill) em um planeta isolado, a jovem Rey (Daisy Ridley) busca compreender como a Força funciona. Ao mesmo tempo em que ela treina com o mestre Jedi, Kylo Ren (Adam Driver) prepara seu esquadrão para enfrentar a Resistência.

Nono filme da saga, o longa de 2019 custou US$ 275 milhões (R$ 1,5 bilhão). Na história, o retorno de Palpatine (Ian McDiarmid) instaura pânico na galáxia. A Resistência toma iniciativa e começa a batalha que vai definir o futuro do universo. Enquanto continua seu treinamento, Rey começa a ter uma ligação forte com Kylo Ren. O vilão também está em conflito com a Força.

Spin-off de Star Wars, o filme também custou US$ 275 milhões (R$ 1,5 bilhão) para a Disney. Lançada em 2018, a produção mostra o jovem piloto Han Solo (Alden Ehrenreich) e sua parceira Qi'ra (Emilia Clarke) enfrentando dificuldades financeiras. Depois de obter uma substância valiosa, o casal é perseguido pelo Império, e então, os dois são separados. Para reencontrar sua amada, o protagonista organiza um plano arriscado e ousado.

Lançado em 2012, o longa conta a história de John Carter (Taylor Kitsch). O soldado morreu na Terra e ressuscitou em Marte. Enquanto tenta aprender a viver no planeta vermelho, o soldado norte-americano precisa lidar com uma guerra civil alienígena. Nesta batalha que vai decidir o destino do local, o protagonista é tratado como a única esperança de ajudar a princesa Deja Thoris (Lynn Collins). A produção custou US$ 278,5 milhões (R$ 1,5 bilhão).

Na trama, Bruce Wayne (Affleck) convoca Diana Prince (Gal) como sua nova aliada contra um inimigo poderoso. Impulsionada pelo ato altruísta do Superman (Cavill), a dupla busca e recruta com agilidade um time de meta-humanos. Aquaman (Jason Momoa), Cyborg (Ray Fisher) e Flash (Ezra Miller) se juntam ao Batman e à Mulher-Maravilha e, juntos, eles formam uma liga de heróis sem precedentes. A Warner Bros. investiu US$ 300 milhões (R$ 1,6 bilhão) no filme de 2017.

Lançada em 2007, a produção acompanha uma nova jornada de Elizabeth Swann (Keira Knightley), Will Turner (Orlando Bloom) e Jack Sparrow (Johnny Depp). Para impedir o lorde Beckett (Tom Hollander) e o navio-fantasma Flying Dutchman, o casal de mocinhos se une ao capitão Barbossa (Geoffrey Rush) para reunir os Nove Lordes da Corte da Irmandade. Mas um dos líderes do grupo é justamente Jack Sparrow, que está desaparecido. Assim como Liga da Justiça, este filme também custou US$ 300 milhões (R$ 1,6 bilhão).

Na história, Thanos (Josh Brolin) está atrás de todas as Joias do Infinito. Com a intenção de exterminar metade da população da galáxia, o vilão chega à Terra para reunir todas as poderosas gemas. Para impedi-lo, os Vingadores precisam unir forças com os Guardiões da Galáxia. Lançado em 2018, o longa custou US$ 321 milhões (R$ 1,7 bilhão) para a Marvel, parte do conglomerado Disney.

Com um custo de US$ 350 milhões (R$ 1,9 bilhão) para a empresa do Mickey Mouse, o filme de 2019 mostra as consequências do estalo do Thanos (Brolin). Os heróis tentam lidar com a dor da perda de amigos e entes queridos. A Viúva Negra (Scarlett Johansson) e o Capitão América (Chris Evans) decidem liderar a resistência contra o vilão.

Lançado em 2011, o filme do Walt Disney Studios é o mais caro da história. A companhia desembolsou US$ 410 milhões (R$ 2,2 bilhões) para produzir este longa. Na trama, o capitão Jack Sparrow (Depp) viaja até Londres para resgatar Gibbs (Kevin McNally). Lá, ele descobre que alguém está usando seu nome para conseguir tripulantes em uma viagem rumo à Fonte da Juventude. O protagonista fica surpreso quando descobre quem está por trás da farsa.


Leia também

Enquete

Qual a melhor novela no ar atualmente?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.