Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

JOSÉ EDUARDO MUNIZ

'Boninho de Portugal' chega à Band para ser número 1 e apavora executivos

Divulgação/Emmy Internacional

O executivo José Eduardo Moniz e a autora Maria João Costa comemoram o Emmy Internacional de 2018 pela novela Ouro Verde

O executivo José Eduardo Moniz e a autora Maria João Costa comemoram o Emmy Internacional de 2018

DANIEL CASTRO

dcastro@noticiasdatv.com

Publicado em 9/12/2019 - 6h21

Há um mês dando expediente na Band, o português José Eduardo Moniz está tirando o sono de executivos da emissora. Tratado internamente como consultor do presidente Johnny Saad, Moniz em breve deverá ser promovido a número 1 da área artística da emissora. Ele está trabalhando em uma proposta de programação para 2020, mas sua missão é bem maior: recolocar a Band no radar do telespectador e do mercado.

Moniz é um dos principais nomes da TV portuguesa. Por ter levado o formato de Big Brother para Portugal, em 2000, é chamado pela imprensa de "pai dos reality shows", título que J.B. Oliveira, o Boninho, seria merecedor no Brasil. Sua trajetória e maturidade (67 anos) também permitem comparações com José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni (pai de Boninho), que liderou a Globo em sua era de ouro, entre os anos 1970 e 1990.

Na década passada, apostando em uma programação agressiva, o jornalista levou a TVI à liderança em Portugal. Em 2015, após passagem pela Ongoing (que investiu em mídia no Brasil), voltou à TVI. Em julho último, deixou o cargo de consultor de Conteúdos de Entretenimento da TVI.

Foi nesse posto que Moniz produziu Ouro Verde, novela vencedora do Emmy Internacional de 2018, atualmente em exibição pela Band. O folhetim o aproximou de Johnny Saad, presidente da emissora brasileira.

Depois de mais de três décadas de TV portuguesa, Moniz tem sala e dá expediente diariamente na Band desde o início de novembro, mas até hoje não houve um comunicado oficial sobre seu cargo e atribuições. Com um currículo invejável, ele tem deixado diretores da casa enciumados, inseguros e preocupados. Alguns andam até espalhando que ele teria alta rejeição na emissora.

O mistério em torno de Moniz parece ser estratégico. Sua promoção a principal executivo de conteúdo da Band, abaixo apenas de Saad e do vice André Aguera, dependeria apenas do plano que ele irá apresentar para "promover um salto de qualidade no status quo" da casa, de acordo com uma fonte próxima.

Ele recebeu carta branca para sugerir mudanças na grade, com a extinção e criação de novas atrações, visando aumentar e qualificar a audiência, incrementar o faturamento e tornar a emissora competitiva no mercado. Já há os que torcem para que o português Moniz seja para a Band o que o técnico Jorge Jesus tem sido para o Flamengo.

A Band vem perdendo terreno no mercado nacional de TV desde 2014, quando o setor entrou em crise no país. Deixou de exibir programas relevantes, como o CQC, perdeu os direitos de transmissão da Copa do Mundo e de campeonatos estaduais de futebol (devido a dívidas com a Globo) e passou a depender de poucos produtos, como o MasterChef e telejornais.

Procurada, a Band não comentou o assunto.


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Quem deve ser a nova Juma Marruá?