Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Magoado com o SBT

Fora da TV, Rodolfo Carlos, da dupla com ET, vive com R$ 3.000

Reprodução

Rodolfo Carlos e Cláudio Chirinian, o ET, no SBT, em 1998; humorista reivindica direitos trabalhistas - Reprodução

Rodolfo Carlos e Cláudio Chirinian, o ET, no SBT, em 1998; humorista reivindica direitos trabalhistas

PAULO PACHECO

Publicado em 2/2/2014 - 5h45
Atualizado em 3/2/2014 - 6h00

Longe da TV desde 2010, Rodolfo Carlos, ex-repórter e humorista do programa Domingo Legal, leva uma vida completamente diferente de quando fazia dupla com ET, sucesso no final da década de 1990. Atualmente, presta consultoria a empresas e sobrevive com um salário inferior a R$ 3.000 mensais, menos de 10% do que ganhava no auge da carreira no SBT, quando "tentava" acordar Silvio Santos.

“Não chego a ganhar nem R$ 3.000 por mês. Nem carro eu tenho. O povo acha que saí feliz da vida, está tudo legal. Não posso dizer que tenho satisfação de ter feito Rodolfo & ET com o Gugu. Saí do SBT magoado porque não recebi. Por isso, resolvi falar”, desabafa.

Sem carteira assinada, Rodolfo Carlos decidiu quebrar um silêncio de quatro anos. Conta que está processando o SBT, cobrando encargos trabalhistas dos 12 anos de serviços prestados à emissora. Teve seu vínculo empregatício reconhecido na Justiça e ganhou a causa duas vezes, mas o SBT recorreu da decisão judicial. O processo tramita agora no TST (Tribunal Superior do Trabalho), em Brasília.

Após deixar o SBT, em 2009, por não concordar com a redução de seu salário (de R$ 20 mil, chegando a R$ 34 mil quando quase trocou o SBT pela Globo, para R$ 5.000), Rodolfo Carlos se afastou da televisão. Chegou a participar do programa de Sonia Abrão, na Rede TV!, onde ficou apenas três meses. Em sua estreia, uma triste coincidência: cobriu o enterro do amigo Cláudio Chirinian, o ET, que teve uma parada cardíaca e morreu em fevereiro de 2010, aos 46 anos. Foi justamente a perda do ex-colega que o fez processar o SBT.

“Eu não ia processar o SBT, mas o Silvio Santos resolveu homenagear o ET após a morte dele com o único vídeo que a gente odiava. Fizeram uma pegadinha no dia em que estávamos gravando na porta da casa cenográfica do Silvio Santos. Ele mandou uma viatura da Polícia Militar de verdade, o policial ‘matou’ o diretor Goiabinha [Walter Wanderley], enforcou meu pescoço. Assinei o direito de imagem porque eu trabalhava lá, mas a brincadeira nos traumatizou. No dia seguinte, dei entrada no processo”, afirma Rodolfo Carlos.

Fama e anonimato

Formado em Jornalismo, Rodolfo Carlos começou na TV produzindo reportagens policiais para Gil Gomes e de direito do consumidor para Celso Russomanno no Aqui Agora. Trabalhou com Ratinho na CNT e depois na Record, onde formou a dupla com ET. Insatisfeito com o salário na Record, aceitou a proposta de retornar ao SBT, em 1998.

Com ET, Rodolfo Carlos chegou ao topo. As tentativas de acordar Silvio Santos e outros artistas renderam ao Domingo Legal picos de 30 pontos no Ibope e a liderança de audiência. O CD da dupla, com o hit A Dança do ET, vendeu mais de 270 mil cópias. Na época, Rodolfo Carlos chegou a ser chamado pela Globo, mas recusou a proposta. Em 2009, Gugu tentou levá-lo para a Record, mas a emissora se negou a contratá-lo. Hoje, aos 43 anos, tem interesse em voltar à televisão, mas acredita não ter espaço nos programas atuais.

“Gostaria de voltar para a televisão, mas não tem programa. A TV está esquisita, os programas e os quadros nascem natimortos. Está tudo ruim, não me vejo trabalhando em nenhum programa que está aí”, afirma o humorista.

O SBT informou que não se pronuncia em relação a assuntos jurídicos.

LEIA TAMBÉM:

Em Família tem a pior estreia de novela das novela da história

Análise: Novela tem primeiro capítulo morno, mas bons diálogos

Preocupada, Globo orienta repórter a investigar irregularidades da Copa

Record desiste de compacto de Pecado Mortal, mas mantém estratégia suicida

Com um dia de Super Bowl, Fox fatura oito meses de futebol na Globo

Na Record, Sabrina Sato vai usar vestido curto, brilho e salto alto

Danilo Gentili dirige caminhão de mudança na primeira chamada do SBT

Em Família: Dupla de lésbicas será mostrada como casal comum, diz autor

Mel Lisboa nega ida para a Globo após abandonar Pecado Mortal

Mel Lisboa deixa Pecado Mortal, e autor se sente desrespeitado

'Nada de beijo gay nas minhas novelas', desdenha Aguinaldo Silva

Globo: Beijo entre Félix e Niko reflete 'momento da sociedade'

Crítica: Amor à Vida termina inconsistente e com cenas impactantes

Relembre como a tecnologia alterou os rumos de Amor à Vida


​► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Você já tem seu favorito em A Fazenda 12?