Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

PESOU A MÃO

Alerta de gatilho: Verdades Secretas 2 tem cena de estupro realista até demais

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Cena da novela Verdades Secretas 2, do Globoplay, em que Lara (Júlia Byrro) aparece limpando o chão e Nicolau (Julio Machado) surge ao fundo atrás dela sem ela perceber

Lara (Júlia Byrro) é atacada por Nicolau (Julio Machado, ao fundo) na novela da Globo

KELLY MIYASHIRO

kelly@noticiasdatv.com

Publicado em 18/11/2021 - 6h35

[O texto a seguir pode conter informações sensíveis a vítimas de abuso sexual e spoilers de Verdades Secretas 2]

Assim como em Verdades Secretas, a sequência da novela da Globo exibe uma cena de estupro realista até demais. Na primeira parte da história, Larissa (Grazi Massafera) havia sido atacada por moradores de rua e drogados na cracolândia. Agora, a vítima é Lara (Julia Byrro), uma adolescente estuprada pelo próprio padrasto no 14º capítulo da trama.

A cena de abuso de Larissa tinha sido mais sugestiva, com efeitos visuais e sonoros que davam a entender o que estava acontecendo. Já em Verdades Secretas 2, a sequência do ataque é explícita e dura quase cinco minutos --nos quais Nicolau (Julio Machado) persegue, despe e abusa da enteada.

Na história, Lara é filha de Araídes (Maria Luísa Mendonça) e vai morar com a mãe e o padrasto após ser obrigada a deixar o internato em que estudava por falta de pagamento das mensalidades. A adolescente é filha bastarda do pai de Guilherme (Gabriel Leone) --marido de Angel (Camila Queiroz) que vinha bancando os estudos da meia-irmã até morrer em um acidente de carro.

Bonita, a menina começa a atrair os olhares do marido da mãe, até que ele aproveita uma saída da mulher para encurralar a garota em casa. O estuprador a ataca a partir dos 40 minutos do 14º capítulo, rasga as roupas dela e lambe seu corpo à força. Ele não tem tempo de colocar seu pênis na vagina da jovem, mas chega a violá-la com um dedo.

O terror de Lara só acaba quando ela, para se defender, consegue pegar uma chave de fenda e enfia no pescoço de Nicolau, matando-o em questão de segundos.

Assistir a uma cena tão explícita de violência sexual pode ser muito prejudicial a uma vítima de estupro na vida real, conforme explica a psiquiatra Danielle Admoni ao Notícias da TV.

Existe um transtorno chamado TEPT, que é o transtorno de estresse pós-traumático. Uma vítima de violência sexual pode sim ter uma crise de ansiedade ao ver uma cena assim na TV ou cinema. É como se ela revivesse o trauma, se lembrasse de tudo que sentiu durante o ataque. Sentir o cheiro ou ouvir a voz do agressor, ou estar em um lugar parecido com o local onde ocorreu o abuso sexual, tudo isso pode ser um gatilho que leve a pessoa a ter esses flashes do trauma. 

"Às vezes, só o fato de anoitecer pode fazer a pessoa reviver a cena do trauma, pode causar pesadelos e sintomas de ansiedade, como ter os batimentos cardíacos acelerados, suar frio, ficar com falta de ar, tremer, ficar paralisada, sair correndo, gritar ou até mesmo ter uma dor de barriga", completa a médica especialista pela ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria).

Para Danielle, é importante conhecer seus limites em relação ao entretenimento para não se expor a conteúdos que podem ser prejudiciais à própria saúde mental e física.

"O ideal é não assistir. O fato de você ficar revivendo essas cenas de trauma não te traz nenhum benefício; pelo contrário, é um sofrimento imenso que precisa ser trabalhado em uma terapia cognitiva-comportamental para minimizar esses sintomas toda vez que a pessoa é exposta a esses sinais indiretos do trauma anterior", analisa a doutora.

"Eu tenho uma paciente que uma vez saiu correndo do cinema. Ela viu uma cena que lembrava muito indiretamente um trauma que ela sofreu e saiu correndo, não aguentou ficar dentro da sala. Então, ver uma cena é reviver aquele trauma, como se estivesse acontecendo de novo mesmo", exemplifica a psiquiatra, que trabalha com crianças e adolescentes na Escola Paulista de Medicina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Apesar de ser recomendada para maiores de 18 anos, Verdades Secretas 2 peca ao não preparar os telespectadores com um aviso de gatilho no começo do episódio que contém cenas de abuso sexual. Danielle afirma que esse tipo de alerta é essencial para poupar pessoas traumatizadas. 

Uma pessoa que sofreu uma violência sexual não deve assistir a esse tipo de conteúdo. Em obras dos Estados Unidos, por exemplo, a gente vê bastante em filmes e séries que logo no início do capítulo que tem uma cena de violência vem descrito algo do tipo 'pessoas que sofreram violência sexual não devem assistir' ou 'pessoas com pensamentos suicidas não devem assistir porque esse capítulo contém cenas de suicídio ou de intenção suicida'. Assim, tudo é alertado antes para a pessoa não entrar em contato, né?

"A ideia é que elas não assistam e, claro, procurem acompanhamento psicológico. E às vezes elas vão precisar de medicação acompanhada de um psiquiatra também, porque esses sintomas são muito intensos, às vezes a pessoa deixa de sair de casa, deixa de trabalhar, não consegue dormir, nem se alimentar", finaliza a especialista.

Verdades Secretas 2 na TV

Verdades Secretas 2 contará com 50 capítulos, com lançamentos feitos em blocos de dez episódios a cada 15 dias. Com três partes já lançadas na plataforma de streaming da Globo, as próximas estreias acontecerão em 1º e 15 de dezembro.

Quando for exibida na TV aberta, a novela ganhará uma versão mais leve, como antecipou o Notícias da TV. A reprise da versão de 2015 continuará na TV até dezembro.


Leia também

Enquete

Você gostou do primeiro mês de Um Lugar ao Sol?

Web Stories

+
Mansão nova, presença VIP e publis: Saiba tudo sobre a carreira de Deolane BezerraÚltima temporada de La Casa de Papel: Após o fim, série já tem spin-off confirmadoFicção virou realidade: Casa de Esqueceram de Mim é aberta ao público; veja fotosDivórcio, tragédia e treta: 5 notícias que peões de A Fazenda 13 não sabemJuan Paiva rouba a cena em Um Lugar ao Sol; conheça a história do ator

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas