Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

SEM PUNIÇÃO

Sikêra Jr. sofre derrota na Justiça e leva bronca por tentativa de censura

REPRODUÇÃO/REDETV!

Sikêra Jr. no programa Alerta Nacional

Sikêra Jr. no programa Alerta Nacional: perdeu primeira batalha na Justiça contra Sleeping Giants

GABRIEL VAQUER e LI LACERDA

vaquer@noticiasdatv.com

Publicado em 6/10/2021 - 6h30

A 1ª Vara Cível do Amazonas negou pedido do apresentador Sikêra Jr., da RedeTV!, contra o grupo Sleeping Giants Brasil. O âncora do Alerta Nacional queria punição e pagamento de indenização por danos morais e materiais dos responsáveis pelo projeto, que encabeçaram uma campanha para desmonetizar o apresentador --Sikêra perdeu dezenas de patrocinadores e anunciantes devido a frases homofóbicas.

O caso ainda cabe recurso em segunda instância. Na decisão, obtida em primeira mão pelo Notícias da TV, a juíza Sheilla Jordana de Sales argumentou que existe legalidade na ação do Sleeping Giants de questionar as marcas parceiras do programa após a conduta preconceituosa de Sikêra. Além disso, a juíza deu uma "lição" no apresentador e o acusou de não defender plenamente a liberdade de expressão.

Em 23 de junho deste ano, Sikêra Jr. disse em seu programa na RedeTV! que gays eram uma "raça desgaçada". Dias depois, o Sleeping Giants Brasil, projeto formado pelo casal Mayara Stelle e Leonardo de Carvalho Leal, começou uma campanha para desmonetizar o apresentador na TV e em suas plataformas digitais.

A campanha deu certo, e mais de 150 marcas retiraram seus anúncios. Em seu programa, Sikêra chegou a chorar ao vivo e a desabafar pelo que chamou de "campanha da lacração" contra o seu programa. "Eu confio na Justiça do meu país e tenho certeza que vocês vão pagar pelo inferno que vocês estão fazendo na minha vida", disse o apresentador no mês de setembro.

Sikêra entrou com o processo no dia 14 daquele mês. Nele, pedia urgência na retirada do Sleeping Giants Brasil das redes sociais e uma indenização equivalente ao prejuízo que teve com a desmonetização de seu trabalho. A magistrada negou o pedido por acreditar que faz parte do debate público que os anunciantes do Alerta Nacional sejam questionados.

"Alega o requerente que as manifestações dos requeridos culminaram na dispersão de diversos anunciantes de seu programa de televisão. Ocorre que ao Poder Judiciário é vedado censurar o debate de ideias e tampouco o direito de expressão e opinião crítica", afirmou a juíza.

Justiça crítica Sikêra Jr.

Sheilla Jordana de Sales também criticou o fato de Sikêra Jr. querer cercear a liberdade de expressão do movimento. Segundo ela, o pedido é incoerente com o que o jornalista de 55 anos defende diariamente, que é justamente o fato de todos poderem fazer o que bem entendem da vida.

"Importante frisar que em situação similar, onde o requerido figura no polo passivo, este sustentou a legitimidade de suas declarações na cláusula pétrea da liberdade de expressão. Ressalte-se que tecnicamente asseverou a necessidade de proteção a tal direito contra qualquer ferramenta de limitação. Considerando que o provimento vindicado pela parte cerceia a liberdade de expressão, indefiro o pedido", concluiu a juíza.

Sikêra Jr. ainda pode recorrer da decisão. O apresentador tem contrato válido com a RedeTV! até 2027, com multa de R$ 38 milhões. Como mostrou o Notícias da TV em julho, ele ganha R$ 500 mil por mês, o que dá R$ 6 milhões por ano. Ou seja, o fato de ter anunciantes ajuda bastante nesta conta.


Leia também

Enquete

Você gostou do primeiro mês de Um Lugar ao Sol?

Web Stories

+
Traída, enganada e desprezada: 7 vezes em que Bárbara quebrou a cara em Um Lugar ao SolMansão nova, presença VIP e publis: Saiba tudo sobre a carreira de Deolane BezerraÚltima temporada de La Casa de Papel: Após o fim, série já tem spin-off confirmadoFicção virou realidade: Casa de Esqueceram de Mim é aberta ao público; veja fotosDivórcio, tragédia e treta: 5 notícias que peões de A Fazenda 13 não sabem

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas