RADIODIFUSÃO

Bolsonaro diz que vai extinguir ou privatizar a TV Brasil, criada por Lula

REPRODUÇÃO/RECORD

Novo presidente da República, Jair Bolsonaro anunciou que vai dar fim à estatal TV Brasil - REPRODUÇÃO/RECORD

Novo presidente da República, Jair Bolsonaro anunciou que vai dar fim à estatal TV Brasil

GABRIEL SOUZA - Publicado em 29/10/2018, às 19h29 - Atualizado às 19h50

Jair Bolsonaro, que assume a Presidência da República em 1º de janeiro de 2019, pretende extinguir ou privatizar a TV Brasil durante o seu governo. Ele acredita que não é vantajoso manter em sua gestão um órgão que "dá traço de audiência". A declaração foi dada ao jornalista Eduardo Ribeiro, da Record, durante entrevista concedida na noite desta segunda-feira (29).

A TV Brasil, jocosamente apelidada de TV do Lula, é o principal veículo da Empresa Brasil de Comunicação, a EBC. Ela foi criada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2007, com o objetivo de democratizar o acesso à informação. Foi a sucessora da TVE, que esteve no ar durante 32 anos. 

Tereza Cruvinel, ex-presidente da EBC e responsável pela implantação da emissora estatal, declarou em seu Twitter que o anúncio de extinção da TV Brasil "deforma o sistema público de comunicação" e que a decisão de Bolsonaro é um retrocesso. 

A rede de TV governamental, porém, nunca aconteceu. Nos últimos anos, só teve alguma relevância para o público com as notícias de greves e polêmicas. 

Em 2013, por exemplo, a emissora teve de recorrer à exibição de músicas em seu principal telejornal, o Repórter Brasil, porque cerca de 30% dos seus até então 2 mil funcionários estavam de braços cruzados.

No ano passado, o ator Pedro Cardoso abandonou ao vivo o programa Sem Censura e se juntou aos participantes de uma nova greve de funcionários. "Eu não participo de programas de empresas que estão em greve", discursou o eterno Agostinho da comédia A Grande Família (2001-2014).

Outro episódio em que a televisão pública conseguiu repercutir foi após a extinção do programa Arte do Artista, também no ano passado. A atração, que entrevistava personalidades das mais diversas áreas, foi cancelada sob o pretexto de ter sido atingida pela "crise financeira que vivia o país".

A justificativa, porém, não colou para a equipe da atração. Um produtor chegou a declarar que o apresentador Aderbal Freire-Filho chegava a colocar dinheiro do próprio bolso para manter o programa no ar.

No Ibope, foram poucos os feitos que a TV Brasil conseguiu até hoje. Um deles foi em novembro de 2013, quando conseguiu ganhar da Globo no Recife com a transmissão da semifinal de uma partida da Série C do Campeonato Brasileiro.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

O que você espera de O Sétimo Guardião?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook