Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

CONTRA BAND

Igreja Universal usa Justiça para pechinchar aluguel de TV e poupar R$ 93 milhões

DIVULGAÇÃO/IGREJA UNIVERSAL

Edir Macedo, com um terno preto e gravata vermelha, e segurando um livro nas mãos no Templo de Salomão

Edir Macedo prega na Igreja Universal: igreja quer reduzir aluguel da Rede 21, da Band

GABRIEL VAQUER, colunista

vaquer@noticiasdatv.com

Publicado em 10/6/2022 - 7h00

Mais uma batalha na briga entre Igreja Universal do Reino de Deus e a Band pelo aluguel da Rede 21 foi deflagrada. A instituição religiosa de Edir Macedo entrou com uma nova ação de recurso para obrigar a empresa de Johnny Saad a reduzir o valor que é cobrado para a cessão de 22 horas do canal UHF. A IURD acusa a TV de praticar valores muito acima do mercado e quer pagar pouco mais da metade do que foi acordado no início.

O Notícias da TV teve acesso aos autos do processo protocolado no dia 1º e que está na 21ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo. Atualmente, a Igreja Universal desembolsa R$ 11,7 milhões por mês e alega que a quantia está muito superior à praticados por outras TVs. A igreja diz ter passado por uma crise durante a pandemia, o que justifica a renegociação dos contratos com todas as emissoras que tem acordo, como RedeTV! e CNT. 

Por uma decisão liminar em um processo na primeira instância, a IURD passou a pagar pouco mais da metade do valor para a Band diretamente (R$ 6,2 milhões), a outra parte (R$ 5,5 milhões) fica depositada em juízo. O pedido agora é para que a emissora do Morumbi mantenha o contrato --que é válido até 2023--, mas pelo valor pago atualmente.

Com 17 meses de contrato pela frente, em vez de receber o montante de R$ 198,9 milhões, a Band ficaria com R$ 105,4 milhões. Ou seja, a Universal briga na Justiça por uma economia de R$ 93,5 milhões.

Os advogados da instituição religiosa pediram ainda tramitação prioritária para que o caso seja analisado pela juíza Maria Carolina de Mattos Bertoldo em no máximo 60 dias. A solicitação foi possível porque o líder da Universal tem mais de 60 anos.

A Igreja Universal, em nota enviada ao Notícias da TV, diz que "não há qualquer negociação com a Rede 21. A Universal trata do assunto exclusivamente no Judiciário, na ação que a Igreja ajuizou contra a emissora, em razão do preço desproporcional cobrado pelo serviço prestado".

Na semana passada, como adiantou a coluna, o missionário R.R. Soares esteve na Band para consultar a possibilidade de a Igreja Internacional da Graça de Deus, que ele lidera, assumir a frequência da Rede 21. As conversas acontecem com cautela justamente por causa da briga entre Band e IURD na Justiça. 

Entenda o caso Band x Igreja Universal

A Band e a Igreja Universal do Reino de Deus estão em uma briga milionária na Justiça desde dezembro do ano passado. Johnny Saad e seu grupo dizem que já abriram mão de receber até R$ 222,3 milhões pelo aluguel da Rede 21. O grupo diz que aceitou receber um valor reduzido durante 19 meses por causa da Covid-19 e passou a ter problemas para cumprir seu planejamento financeiro em prol do bom relacionamento com a sua locatária de nove anos. 

A IURD, por sua vez, afirma que processou a emissora do Morumbi primeiro pelo não cumprimento de cláusulas contratuais. Alega falta de investimento em expansão de sinal e desvio de finalidade do dinheiro pago à emissora da Band.

Procurada pelo Notícias da TV, a Rede 21 afirmou que topou renegociar valores do contrato durante a pandemia e que só recorreu à Justiça após ter sido acionada pelos religiosos. Confira:

"A Rede 21 nunca deixou de negociar com a IURD o contrato de coprodução. Tanto que, durante a pandemia, por duas vezes concordou com a redução de valores por entender o momento. Ocorre que, apesar das diversas concessões feitas pela Rede 21, a IURD buscou o Judiciário para questionar mais uma vez o contrato, objetivando uma redução, inicialmente por liminar. Tal liminar foi indeferida, estando a Igreja inadimplente. Este inadimplemento levou a Rede 21 a executar a IURD."


Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.