Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

CRISE DE COVID-19

Globo evita mostrar vídeos de Bolsonaro e desmente presidente em telejornais

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Flávio Fachel na bancada do Jornal Nacional, da Globo, no sábado (16)

Flávio Fachel no Jornal Nacional deste sábado (16); noticiosos da Globo evitam mostrar Bolsonaro

VINÍCIUS ANDRADE

vinicius@noticiasdatv.com

Publicado em 16/1/2021 - 21h03

A Globo não tem mais exibido vídeos do presidente Jair Bolsonaro em telejornais. As declarações do chefe do Executivo feitas no "cercadinho" para apoiadores em Brasília ou durante lives não passam mais na emissora com ele próprio falando. Para evitar exibir as falas do político diretamente, a Globo tem destacado trechos com artes, que são narradas por repórteres ou então pelos âncoras do respectivo noticioso.

Na edição deste sábado (16) do Jornal Nacional, por exemplo, a repórter Heloísa Torres mostrou um tuíte em que Bolsonaro apontava o repasse de R$ 2,36 bilhões do governo federal para Manaus em 2020.

"Mas, com base em dados do Portal da Transparência Brasil, no ranking das 27 capitais brasileiras com valor médio recebido por habitante, Manaus foi a segunda que menos recebeu recursos federais, à frente apenas do Rio de Janeiro", apontou a repórter.

A cena de jornalistas da Globo se repetiu em diversas ocasiões neste início de 2021 --em alguns casos, as reações e a entonação dos profissionais viralizou nas redes sociais. William Bonner virou o assunto mais comentado do Twitter em 6 de janeiro por ter "imitado" o jeito de Bolsonaro falar.

Na ocasião, Renata Vasconcellos disse: "Um dia depois de afirmar que o Brasil está quebrado e que não pode fazer nada, o presidente Bolsonaro voltou hoje ao assunto. Diante de um grupo de apoiadores, entre risos e tom de ironia, disse o seguinte: 'Confusão ontem, você viu? Que eu falei? Que eu falei que o Brasil tava quebrado. Não, o Brasil tá bem. Tá uma maravilha'", iniciou ela.

Bonner, então, citou a continuação da opinião do presidente. "Na mesma conversa, Bolsonaro voltou a criticar a imprensa: 'A imprensa sem-vergonha. Essa imprensa co...ca... [gaguejo] sem-vergonha. A imprensa fez uma onda terrível aí. Pra imprensa, bom tava Lula, Dilma... Gastando R$ 3 bilhões por ano pra eles'", reproduziu o comunicador.

A interpretação do jornalista ao ler as aspas do governante chamou a atenção dos internautas. Mas não são apenas Bonner e Renata Vasconcellos que têm lido declarações de Bolsonaro. Repórteres e outros âncoras, como Maju Coutinho (no Jornal Hoje) e Renata Lo Prete (no Jornal da Globo), também precisam reproduzir as falas do presidente.

Os telejornais da emissora mantêm uma postura crítica em relação ao chefe do Executivo desde o início da pandemia, sendo que já exibiram até editoriais para condenar as ações de Jair Bolsonaro durante a crise de Covid-19. O político também não perde a chance de atacar a Globo.

Nesta semana, Bonner fez um editorial sobre fake news e cutucou o presidente e seus seguidores por compartilharem notícias falsas em grupos de WhatsApp e descreditarem a imprensa responsável. 

A decisão de não mostrar vídeos do presidente da República pode ser interpretada como uma maneira de evitar que opiniões do presidente ganhem mais força. Bolsonaro sempre criticou medidas de isolamento e já minimizou o coronavírus.

Na sexta-feira (15), o Twitter colocou um aviso de "violação de regras com informações enganosas e potencialmente prejudiciais" em um post no qual o político defendia "tratamento precoce" contra a Covid-19. Hoje, o mesmo aconteceu com uma publicação do Ministério da Saúde.

Globo desmente Bolsonaro

Na sexta-feira (15), William Bonner mencionou que Jair Bolsonaro havia dito em uma entrevista à rádio Jovem Pan que foi impedido de agir mais ativamente contra a pandemia pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

"Não é verdade. O STF apenas reconheceu a competência de governadores e prefeitos para tomar providências no combate ao coronavírus, com a finalidade de evitar a disseminação da doença, mas sem retirar poder do governo federal", corrigiu Bonner.

Assista abaixo:


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?