Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

TAY CONTI

Demitida na pandemia, lutadora brasileira 'renasce' em ringue dos EUA

Fotos: Divulgação/AEW

Tay Conti se apoia na corda do ringue da AEW, com os braços abertos e expressão séria

A brasileira Tay Conti no ringue da AEW: nova chance de mostrar seu talento na luta livre

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 21/11/2020 - 7h00

Aos 25 anos, Taynara Conti já gravou seu nome na história da luta livre. A judoca carioca foi contratada pela WWE, maior empresa do ramo, em 2016. Depois de três anos e meio, acabou demitida em meio aos cortes promovidos pela gigante por causa da pandemia do coronavírus. Agora, Tay tem a chance de "renascer" na novata All Elite Wrestling, ou AEW, que estreia no Brasil neste sábado (21), às 23h, no canal Space.

"A AEW foi um renascer para mim. Todos os meus sonhos renasceram. Dá para perceber como eu falo, fico muito feliz, quero compartilhar tudo, que as pessoas sintam o que eu sinto. Agora eu posso ser quem eu sou, tenho voz, posso expressar tudo isso. Significa muito colocar a AEW no meu peito", conta ela, emocionada, em entrevista ao Notícias da TV.

Desde outubro do ano passado, a AEW coloca no ar toda quarta-feira o programa Dynamite, que bate de frente com o NXT, da WWE. E, como no embate bíblico de Davi e Golias, a novata tem dado trabalho para a gigante na audiência. Um gostinho a mais para a empresa, que reúne muitos lutadores demitidos pela líder no mercado.

Segundo Tay, o clima familiar nos bastidores da All Elite Wrestling faz toda a diferença para quem estava acostumada ao esquema industrial da WWE. A brasileira tem acesso fácil aos vice-presidentes da empresa, os também lutadores Kenny Omega e Cody Rhodes, e até ao chefão de tudo, o bilionário Tony Khan --que também investe em times de futebol e futebol americano.

"Eu olho para o lado e vejo o Cody, o Kenny, e tenho acesso a essas pessoas. Posso conversar com o Matt Hardy [que luta desde 1992] e pedir feedback da minha luta: 'O que você acha? Pode me ajudar com isso?'. E o Tony, que é o dono da empresa, está tão disponível para falar com a gente. Posso chegar e falar: 'Tony, o que você acha dessa luta?' ou 'Tenho essa ideia, o que você acha?'. Eu nunca tive essa experiência antes, é muito emocionante", conta ela.

Tay celebra vitória em embate da AEW

Girl power e pandemia

O mergulho de Tay no mundo do pro wrestling (como a luta livre é chamada em inglês) aconteceu em um momento em que as mulheres ganhavam cada vez mais espaço e respeito entre os fãs do gênero --antes, alguns dos confrontos femininos eram voltados para o olhar masculino e com forte teor de sensualidade: eram brigas de travesseiro, no gel ou aquelas em que as lutadoras tentavam tirar a roupa da rival e deixá-las só de calcinha e sutiã.

"Eu acho que nós mulheres já nascemos lutando. Tem que lutar por respeito, por espaço. Então estar no meio da luta é muito natural, uma coisa que eu faço desde sempre. Estou muito grata e feliz de participar disso tudo agora. E, como a AEW é uma empresa nova, de um ano, no futuro eu vou ser lembrada por ter ajudado a criar a divisão feminina. É um sentimento que até me emociona, nós trabalhamos tanto para conseguir isso", valoriza a judoca.

E como ficam as lutas no momento de pandemia? Afinal, é impossível manter o isolamento social trocando golpes, chaves de braço e afins no ringue.

"Nós somos testados toda semana e não temos contato com ninguém antes disso. Eu chego na noite anterior [do programa], faço o teste, espero o resultado sair e só posso ter contato com as pessoas depois disso. Eles tomam todos os cuidados possíveis, nos bastidores estamos sempre usando máscaras, mantendo a distância. Não tem como não se sentir seguro", explica Tay.

Empolgada com a nova chance no ringue, a atleta convida os brasileiros a conhecerem mais do pro wrestling. "Assista à AEW, estamos trazendo uma mágica que você só vai entender depois de assistir. Você vai se apaixonar, vai se entreter, vai querer acompanhar e não vai deixar isso escapar mais. É uma paixão que corre no sangue. Então eu peço, com todo o meu coração, dê uma chance pra gente, tenho certeza de que ninguém vai se arrepender."

A AEW será exibida todos os sábados, às 23h, no canal Space. No programa de estreia, Tay Conti enfrentará a norte-americana Red Velvet. O plantel do Dynamite ainda inclui nomes como Jack Perry, filho do ator Luke Perry (1966-2019), e Kia Stevens, a Tammé da série Glow (2017-2019).

Confira a entrevista exclusiva do Notícias da TV com Tay Conti:

Em preparação para a estreia, confira uma luta de Tay na AEW:

TUDO SOBRE

AEW

Space

WWE


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?