Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

CONTIDOS

Após Globo dar ultimato a agressões de Bolsonaro, SBT passa pano: 'Incidente'

Reprodução/Instagram

Lívia Raick posa para foto no cenário do SBT Brasil

A âncora Lívia Raick teve a responsabilidade de ler texto que classificava agressão como "incidente"

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 13/12/2021 - 21h06

Depois de a Globo fazer um ultimato em rede nacional contra a violência que Jair Bolsonaro instiga contra a imprensa, o SBT tomou uma atitude bem mais contida. Em seu principal telejornal, a emissora classificou a agressão da equipe de segurança do presidente a repórteres de sua afiliada de "incidente" e afirmou que o governante pediu desculpa.

No domingo (12), seguranças e apoiadores de Bolsonaro agrediram os repórteres Camila Marinho e Cleriston Santana, da TV Bahia (afiliada da Globo no Estado), e Xico Lopes e Dario Cerqueira, da TV Aratu (retransmissora do SBT). Eles cobriam o pouso do helicóptero do presidente no estádio municipal Juarez Barbosa, em Itamaraju --a região tem sido muito afetada pelas chuvas.

Um dos seguranças segurou Camila pelo pescoço, em uma espécie de mata-leão. Outro profissional tentou impedir os repórteres de estenderem seus microfones na direção de Bolsonaro e acusou os jornalistas de agredirem o presidente com a espuma do equipamento.

Enquanto a Globo fez um longo editorial no Fantástico em que pedia que o presidente fosse responsabilizado pela violência de sua equipe e seus apoiadores, o SBT tratou do assunto em um registro de pouco mais de um minuto e com um tom passivo, como se o acontecimento não fosse nada demais --Silvio Santos já declarou que está sempre a favor do governo, não importa qual partido esteja no poder.

"Jornalistas da TV Aratu, afiliada do SBT, e da TV Bahia, afiliada da TV Globo, foram agredidos durante a visita do presidente Jair Bolsonaro a Itamaraju, na Bahia, neste domingo", começou o âncora Marcelo Torres no SBT Brasil desta segunda (13).

Depois da exibição das cenas na Bahia, a âncora Lívia Zaick (substituta da titular Márcia Dantas) leu: "Após o incidente, os jornalistas foram recebidos em outro local. O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Cidadania, João Roma, pediram desculpa pelas agressões".

Confira o vídeo do SBT:

Globo dá ultimato a Bolsonaro

A Globo fez um ultimato para barrar a violência da equipe do presidente à imprensa durante a edição de domingo do Fantástico. Maria Júlia Coutinho e Poliana Abritta leram uma longa mensagem em que classificaram a situação recorrente de "atitude escandalosa".

"O Supremo Tribunal Federal foi acionado em novembro pela Rede Sustentabilidade para proibir o presidente de Jair Bolsonaro de atacar ou incentivar ataques verbais ou físicos à imprensa e aos profissionais da área. O partido pede que o Supremo fixe o pagamento de multa de R$ 100 mil por ataque. A Rede também pede que o STF determine à Presidência da República que elabore e apresente um plano de segurança para garantir a integridade dos profissionais que acompanham a rotina do presidente", começou Maria Júlia.

"A ação foi apresentada após Bolsonaro tratar com hostilidade jornalistas brasileiros durante a viagem a Roma, na Itália. Seguranças que estavam perto do presidente agrediram quem tentou fazer perguntas. Entre eles, o repórter Leonardo Monteiro, da TV Globo. O ministro Dias Toffoli enviou a ação para ser julgada pelo plenário do STF", leu a ex-âncora do Jornal Hoje.

"A Advocacia-Geral da União já se manifestou no processo e defendeu a rejeição da ação por questões processuais. O governo afirma que não é possível atribuir a autoridades episódios de hostilidade ou intimidações contra a imprensa. O governo diz ainda que a postura crítica de Bolsonaro à imprensa não ultrapassa os limites da liberdade de expressão. O STF ainda aguarda parecer da Procuradoria-Geral da República. O julgamento da ação ainda não tem data para ocorrer", continuou Poliana.

Poliana Abritta também discursou contra governo

"As agressões deste domingo mostram que já passou da hora de a Procuradoria-Geral da República dar o seu parecer na ação que corre no Supremo, tendo como relator o ministro Dias Toffoli. A imprensa cumpre um direito escrito na Constituição, e deve ter a sua segurança garantida", retomou Maju, que seguiu:

As cenas bárbaras de hoje e aquelas ocorridas na Itália no dia 31 de outubro ensejam duas constatações. Se os seguranças agem por conta própria, a presidência deve ser responsabilizada por omissão. Se agem seguindo ordens superiores, a presidência deve ser responsabilizada por atentar contra a liberdade de imprensa e fomentar a violência contra jornalistas.

"Além disso, é escandalosa a atitude da presidência de deixar jornalistas à própria sorte em meio a apoiadores fanáticos, que são insuflados quase diariamente pelo próprio presidente em sua retórica contra o trabalho da imprensa. Frente aos evidentes e graves riscos enfrentados por repórteres de todos os veículos, é urgente que o Judiciário se pronuncie", sentenciou Poliana.

"A Globo repudia as agressões aos repórteres Camila Marinho e Cleriston Santana, da TV Bahia, e aos repórteres Xico Lopes e Dario Cerqueira, da TV Aratu, e se solidariza com eles", finalizou a apresentadora.

Confira vídeo da agressão:


Leia também

Enquete

Qual a melhor novela no ar atualmente?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.