Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

NOVIDADE NA RECORD

Quando Chama o Coração levou produtores à falência e teve guerra nos bastidores

Fotos: Divulgação/Hallmark Channel

Atores estão de preto em um cemitério, com expressões de tristeza. Ao fundo, Daniel Lissing observa os homens com seu uniforme vermelho de Polícia Montada

Velório de carvoeiros marcou primeiro episódio de Quando Chama o Coração, exibido pela Record

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 27/8/2021 - 6h25

Lançada pela Record na noite de quarta-feira (25), a série Quando Chama o Coração é um fenômeno nos Estados Unidos, onde estreará sua nona temporada no início do ano que vem. Apesar de não ser bíblica, a atração percorreu uma via-crúcis para chegar à TV, levou produtores à falência e gerou uma guerra nos bastidores que envolveu os atores Stephen Amell (de Arrow) e Maggie Grace (de Lost e Fear the Walking Dead).

Lançada em 2014 pelo canal Hallmark Channel, Quando Chama a Coração começou sua trajetória bem antes, em 2003. Foi naquele ano que os roteiristas Brian Bird e Michael Landon Jr. começaram a trabalhar numa adaptação da franquia de livros When Calls the Heart, da autora Janette Oke.

A ideia tomou forma e, em 2008, os produtores começaram a gravar um filme sobre a jornada da jovem Elizabeth (Poppy Drayton) até o Vale do Carvão. No caminho, ela lia os diários de sua tia, também chamada Elizabeth (Maggie Grace), que havia feito o mesmo trajeto décadas antes para trabalhar na fronteira canadense como professora.

Na nova cidade, a tia começava uma relação de amor e ódio com o charmoso Wynn Delaney (Stephen Amell), integrante da Polícia Montada do Canadá que gostaria de estar em qualquer lugar menos naquele fim de mundo. O romance aflora, mas os dois enfrentam uma série de obstáculos para ficarem juntos.

Nos bastidores, os problemas foram ainda maiores do que os superados pelo casal na ficção. Assim que as filmagens tiveram início, a crise econômica de 2008 explodiu, e os roteiristas ficaram sem dinheiro para continuar os trabalhos. O elenco foi dispensado, os cenários desmontados, e Bird e Landon se viram com um longa pela metade.

Stephen Amell e Maggie Grace no filme

Amell, que na época ainda estava longe do sucesso alcançado com Arrow (2012-2020), mantinha um blog no qual narrava suas tentativas de estourar em Hollywood, e não segurou a língua ao contar sua decepção com a interrupção do projeto --e a falta de pagamento do seu cachê.

Segundo o ator, ele receberia US$ 50 mil (R$ 261 mil na cotação atual) por seu trabalho como Wynn, dos quais US$ 10 mil (R$ 52 mil) haviam sido pagos como adiantamento. Após o fim precoce da produção, a ACTRA (Aliança dos Artistas Canadenses de Cinema, Televisão e Rádio) deveria ter usado uma espécie de caução para bancar os vencimentos da equipe. Isso não ocorreu.

Dos US$ 50 mil que o sindicato conseguiu para distribuir entre todos os envolvidos no projeto, Amell ganhou US$ 4 mil (R$ 20 mil). Após ele reclamar abertamente da ACTRA em seu blog e de enviar um e-mail para os responsáveis, o valor subiu para US$ 11 mil (R$ 57 mil).

"Como a quantia disponível na caução era finita, isso significa que outras pessoas se deram mal para que o meu cachê subisse. Isso deveria me fazer feliz? Tudo o que isso me mostrou é que não havia nenhum plano concreto do sindicato para distribuir esse valor em primeiro lugar", criticou Amell.

Frustrado com a atuação daqueles que deveriam representá-lo, o ator parou de pagar sua contribuição anual para a ACTRA. Resultado: ele entrou para uma lista que o proibia de trabalhar enquanto não acertasse a dívida. Amell, por sua vez, afirmou que só pagaria o valor devido quando recebesse o cachê.

Em uma conversa com uma representante do sindicato, o futuro astro de Heels afirmou que a mulher se referiu a ele como "retardado" ao desligar o telefonema. "Esse é o meu sindicato, pessoal", resumiu ele, irritado.

Daniel Lissing e Erin Krakow na série

Projeto 'ressuscitou' na hora certa

Curiosamente, em 2009, Amell voltou a falar do filme em seu blog. Em um post com uma foto de seu personagem, ele escreveu na legenda: "Na indústria dos filmes, nada nunca está totalmente perdido". Pouco depois, os produtores conseguiram mais dinheiro e chamaram o elenco de volta para finalizar o longa.

Quando Chama o Coração - O Filme estreou no Hallmark apenas em 2013, uma década depois de seu roteiro ter sido escrito e cinco anos após o início das tumultuadas gravações. Apesar da dificuldade de tirar o projeto do papel, os criadores defendem até hoje que "Deus escreve certo por linhas tortas".

Segundo Bird, se o longa tivesse estreado em 2009, como era o plano inicial, a série jamais teria acontecido, pois o Hallmark Channel na época trabalhava apenas com filmes e não tinha nenhum projeto com episódios semanais na grade. Em 2013, o canal começava a investir em narrativas seriadas, e a boa audiência conquistada pela produção com Stephen Amell e Maggie Grace resultou na proposta para criar uma nova atração --que teria, inicialmente, apenas seis capítulos.

Em 2014, então, estreava Quando Chama o Coração - A Série. Erin Krakow assumiu o papel de Elizabeth, a cidade foi rebatizada de Vale do Carvão para Vale da Esperança, e Wynn passou a se chamar Jack, com Daniel Lissing na pele do personagem. O resto, como dizem em Hollywood, é história...

A Record exibe a série Quando Chama o Coração de segunda a sexta, às 21h45. As seis primeiras temporadas estão disponíveis na Netflix. Já o longa com Amell e Maggie Grace pode ser visto por assinantes do Looke. Confira o trailer:


Leia também

Enquete

Você gostou dos primeiros capítulos de Verdades Secretas 2?

Web Stories

+
Mitomaníaco, sem noção ou exibido? 5 vezes que Gui Araujo falou demais em A FazendaDe vendedor de pastéis a diretor de cinema: Por onde anda o elenco de Malhação 2008?Como aconteceu acidente com Alec Baldwin que matou fotógrafa no set de novo filmeCinco casais que se formaram no Casamento às Cegas Brasil e você não sabiaElenco de Verdades Secretas 2: Conheça os novos personagens da novela

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas