Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

CICLO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Por que toda mulher (e homem também) deveria assistir Maid, série da Netflix

Reprodução/Netflix

Criança pequena segura na mão da mãe ficcional em corredor fechado

Maddy (Rylea Nevaeh Whittet) e Alex (Margaret Qualley) em cena da série Maid, da Netflix

LUIZA LEÃO

luiza@noticiasdatv.com

Publicado em 1/11/2021 - 6h25

A saga de Alex (Margaret Qualley) para se livrar dos abusos do companheiro e da violência doméstica deveria ser assistida por todas as mulheres (e pelos homens) que desejam entender mais sobre uma prática, infelizmente, tão comum. Apesar de o seriado Maid, da Netflix, ser ambientado nos Estados Unidos, a narrativa se repete diariamente na vida de brasileiras. Não à toa, está no Top 10 da plataforma desde seu lançamento.

Ao longo de 10 capítulos, o público acompanha os desafios da protagonista para cortar as amarras impostas por Sean (Nick Robinson), com quem tem a pequena Maddy (Rylea Nevaeh Whittet). O drama é pesado e pode ser gatilho para muitas vítimas dos seus companheiros. Mas também é uma espécie de tutorial sobre autoamor, redescoberta e a força de uma relação doce entre mãe e filha.

[Atenção: este texto contém spoilers da série Maid]

A narrativa se desenvolve após Sean, que é alcoólatra, jogar um pote de vidro em direção à mulher e, por pouco, não acertá-la. É este o estopim para a protagonista pegar o carro à noite, tirar a filha de casa e fugir do seu agressor. Alex vai parar em um abrigo para vítimas de violência doméstica, onde se sente fora da caixinha: afinal, Sean nunca bateu nela.

A série, então, desmistifica a ideia de que um algoz só é autor de abusos contra uma mulher quando sua mão a atinge. Maid detalha bem o ciclo de violência doméstica: mostra como as agressões são sutis, às vezes silenciosas, vêm disfarçadas de proteção, mas são devastadoras à autoestima e à liberdade das mulheres. E põe em risco suas vidas. O seriado detalha que as violências podem ser ao patrimônio, ao psicológico, e não necessariamente físico. 

Mãe solo e sem rede de apoio, Alex vive o chamado "se vira nos 30" para se sustentar, pagar as contas com o salário de faxineira e criar a menina. Mais uma vez: parece Brasil, mas a história se passa nos Estados Unidos (e é baseada em um caso real).

Enquanto todo o peso da narrativa entre marido e mulher se arrasta de maneira dramática e dolorosa, o público acompanha a relação entre Maddy e Alex. As duas emocionam em cena pela valentia de uma mãe real: que sofre, chora e faz de tudo pela proteção de sua cria. E também por uma criança que, apesar de todo o sofrimento ao redor, consegue ver beleza e graça na vida. 

Confira o trailer da série Maid, disponível na Netflix:


Leia também

Enquete

Pantanal perde audiência: novela está chata?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.