COVID-19

Grey's Anatomy consulta médicos reais para abordar coronavírus na 17ª temporada

DIVULGAÇÃO/ABC

O ator Kevin McKidd com um estetoscópio nos ouvidos e vestindo avental médico em cena da 16ª temporada de Grey's Anatomy

O ator Kevin McKidd na 16ª temporada de Grey's Anatomy; próxima leva de episódios vai abordar a Covid-19

JOÃO DA PAZ - Publicado em 21/07/2020, às 13h46

Drama hospitalar mais popular da TV, Grey's Anatomy vai abordar a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) na 17ª temporada. Para tanto, a equipe da atração faz consultas com médicos reais, que estão na linha de frente no combate e tratamento dessa doença que abalou todo o planeta. Estar em sintonia com temas atuais é a marca da série.

Durante entrevista para um painel feito pela Academia de Televisão americana, organizadora do Emmy, a showrunner Krista Vernoff falou sobre como o vírus será incluído na próxima leva de episódios. Ela ressaltou que os roteiristas da trama estão montando os episódios inéditos e conversam diretamente com médicos de verdade, que diariamente lidam com o surto nos Estados Unidos.

"Os médicos chegam e contam as experiências que estão vivendo", explicou Krista. "Eles literalmente tremem e tentam não chorar [ao compartilhar relatos]. Pálidos, esses profissionais da saúde falam que estão em uma ambiente de guerra, guerra essa para a qual não foram treinados."

A showrunner aproveitou para contextualizar esse momento com o que acontece de fato nas trincheiras. "Uma de nossas principais conversas sobre isso é em relação a Owen Hunt [personagem de Kevin McKidd que serviu o Exército na série]. Os médicos em guerra passam por um treinamento específico que os diferenciam de outros profissionais."

Grey's Anatomy é ambientada em Seattle, cidade no noroeste dos EUA que está entre as que mais sofreram com a pandemia. Hospitais chegaram ao ponto de usarem caminhões de frigorificos para colocarem corpos dos mortos pela doença. Esse cenário de calamidade também deve ser narrado na nova temporada.

Krista rotulou o surto como "a história médica de nossa existência" e por isso uma série como Grey's não poderia deixar de entrar nesse assunto. "Sinto que é nossa responsabilidade contar alguns desses fatos. É uma oportunidade", disse, antes de ressaltar um desafio: "Queremos manter vivos o humor e o romance [características do drama] enquanto encenamos relatos verdadeiramente tristes."

Ao longo de 16 temporadas, Grey's Anatomy sempre procurou estar antenada com os acontecimentos médicos contemporâneos. Um exemplo disso foi com o próprio coronavírus, mas aquele que assolou mais duramente o Oriente Médio no começo desta década.

A Mers (Middle East Respiratory Syndrome), a síndrome respiratória do Oriente Médio, variante da família coronavírus, foi destaque em um episódio da 12ª temporada. Nele, a médica April Kepner (Sarah Drew), que tinha acabado de chegar em Seattle após uma viagem à Jordânia, apresentou sintomas da doença. Ela foi isolada até chegarem ao diagnóstico de que não tinha sido infectada pelo vírus.

Exibida no Brasil pelo Sony Channel, Grey's Anatomy está prestes a voltar para a 17ª temporada. Todas as primeiras 15 estão disponíveis na Netflix. Até o momento, o 16º ano não estará na plataforma, pendente um novo acordo para novos episódios entrarem no serviço.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Qual é seu programa favorito gravado na quarentena?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook