SINAIS DO ALÉM

Andréa Beltrão revela experiências 'sobrenaturais' ao viver Hebe Camargo

Fábio Rocha/TV Globo

Andréa Beltrão, com vestido vermelho de Hebe Camargo, segura um microfone e sorri de braços abertos

Andréa Beltrão caracterizada como Hebe Camargo na minissérie sobre a vida da apresentadora

LUCIANO GUARALDO - Publicado em 21/07/2020, às 07h05

Para dar vida a Hebe Camargo (1929-2012) no cinema e na TV, Andréa Beltrão teve de deixar seu ceticismo de lado e encarar duas experiências que ela mesma define como "sobrenaturais". Nada de ver fantasmas ou ouvir vozes; a atriz de 56 anos viveu algumas coincidências e decidiu enxergá-las como sinais do Além da "gracinha".

O primeiro presságio aconteceu logo que Andréa foi fazer a prova dos figurinos para o filme e para a série --que a Globo estreia no dia 30. Ela conta que foram mais de 100 roupas emprestadas do próprio guarda-roupa da Hebe que teve de experimentar. "A última roupa era uma capa prateada que a gente usou no filme. Quando botei a mão no bolso, senti um negócio duro e puxei para ver o que era. Tinha uma medalha grande de Nossa Senhora fechadinha em um saco plástico", conta ela.

"Ela era super-religiosa, e eu não. Pensei: 'É um recado que ela mandou para mim'. Eu nem acredito nessas coisas, mas achei sobrenatural, porque a família da Hebe tinha feito uma revisão nas roupas antes de entregar, vai que mandam um brinco de brilhante junto?", lembra Andréa ao Notícias da TV.

Em vez de contar para o sobrinho de Hebe, Claudio Pessutti, sobre sua descoberta, Andréa pediu segredo à equipe e guardou a medalha com ela. "Queria usar aquilo na gravação, não tirei por nada. O Claudio perguntava sobre a medalha, e a gente desconversava. Só depois que acabou eu contei para ele. Ela tinha comprado em uma viagem que fez à Espanha, uma das últimas santas que comprou. Agora eu fiz uma cópia da medalha e já posso devolver [a original] para ele", diz a atriz, aos risos.

Pessutti foi o responsável pelo segundo presságio que a atriz recebeu no papel. Mas, para entender toda a história, é preciso voltar quase duas décadas no tempo. Em 2001, quando atuou em As Filhas da Mãe, sua última novela, Andréa ficou impressionada com o perfume de Bete Coelho, que vivia sua irmã na trama.

Bete decidiu que Andréa precisava de um perfume chique e recomendou o Eau du Soir, da marca de luxo Sisley. Apesar do aroma agradável, a atriz percebeu que jamais conseguiria passá-lo no Rio de Janeiro, por causa do calor. Sem coragem de jogar fora um produto tão caro, guardou-o em sua casa em São Paulo, sem uso.

Mais de 15 anos depois, quando se preparava para começar as filmagens de Hebe, Andréa encontrou Claudio, que lhe entregou um pacote para desejar sorte no papel. Quando ela abriu, se deparou com um vidro familiar. "Era o Eau du Soir, que a Hebe tinha comprado na última viagem dela a Miami. Eu fiquei até sem graça de contar para o Claudio que já tinha o perfume, fiquei com os dois em casa. Então antes de gravar eu esguichava tudo em mim, para ficar bem Hebe."

Lançada no Globoplay em dezembro do ano passado, a minissérie sobre a vida de Hebe Camargo chega à programação da Globo no próximo dia 30. Os dez capítulos vão ao ar todas as quintas-feiras, depois de Fina Estampa. Confira o trailer:

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Qual é seu programa favorito gravado na quarentena?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook