DANIELA RUAH

Conheça a atriz portuguesa fã de novelas brasileiras que faz sucesso nos EUA

Divulgação/CBS

A atriz Daniela Ruah, com uniforme tático, segura arma em cena de ação de NCIS: Los Angeles

Daniela Ruah em cena de NCIS: Los Angeles; ela gosta de fazer cenas de ação

LUCIANO GUARALDO - Publicado em 18/05/2020, às 05h22

Quem acompanha a série NCIS: Los Angeles, no canal A&E, pode nem imaginar, mas a agente Kensi Blye tem um pezinho no Brasil. Filha de portugueses, Daniela Ruah foi criada em Carcavelos, na região de Cascais, e cresceu assistindo às novelas brasileiras antes de dar seus primeiros passos na atuação em tramas lusitanas. É fã de Gloria Pires e Sônia Braga, por exemplo, e se choca com a beleza e a jovialidade das atrizes daqui.

"São nomes que eu admiro desde pequena, atrizes clássicas, que eu sinto que não envelhecem (risos)", brinca ela em conversa com o Notícias da TV. "Em Portugal, eu via muitas novelas brasileiras. Lembro de coisas como 'Sa-Sassaricando' e 'Me poupe, Salgadinho'", diz Daniela, cantando o tema de Sassaricando (1987) e citando um dos bordões que marcou Explode Coração (1995).

Na terrinha, Daniela pegou gosto pelo que via na TV e decidiu virar atriz também. Aos 16 anos, estreou na novela Jardins Proibidos (2000) e não parou mais. Em 2006, venceu a temporada inicial do Dança Comigo (versão portuguesa da Dança dos Famosos) e conseguiu sua primeira protagonista em Tu e Eu, da TVI. No que considerava o auge de sua carreira, decidiu largar Lisboa e ir para os Estados Unidos.

"Meu objetivo sempre foi morar em Nova York, mas o trabalho em Portugal foi acontecendo e ficou difícil recusar papéis. Eu teria de rejeitar bons personagens, boas oportunidades. Mas estava com 23 anos e percebi que, se não fosse naquele momento, não iria nunca mais, porque estava ficando confortável na TV portugesa. E eu sabia que me arrependeria se não tentasse", lembra ela.

Assim, em 2007, ela deixou de ser um expoente na pequena indústria de Portugal para virar uma iniciante nos Estados Unidos. "Eu nunca nem tinha visitado Nova York e cheguei lá para morar. Não tinha um agente, nem sabia quem eram as agências! Cheguei às cegas, só tinha meu passaporte e meu conhecimento de inglês. Peguei um punhado de sementes e joguei pro vento na esperança de que alguma virasse uma planta. Por sorte, uma delas virou uma floresta inteira (risos)", diverte-se.

divulgação/tvi

Daniela (à esq.), aos 16 anos, com Vera Kolodzig durante as gravações de Jardins Proibidos

Daniela tem razão quando fala em "sorte". Em sua primeira pilot season (período em que as emissoras encomendam um episódio de vários projetos para decidir qual vai entrar na grade da temporada seguinte), ela já conseguiu o papel de Kensi --e o teste dela não circulou apenas entre executivos: foi exibido para todo o país, e logo na série mais vista da TV americana, NCIS, que na época tinha uma média de 17,8 milhões de espectadores por episódio. O público aprovou, e a CBS não perdeu tempo: encomendou rapidamente a série filhote, situada em Los Angeles.

No ar desde 2009, NCIS: Los Angeles é um dos dramas mais duradouros da TV atualmente, e não tem previsão de chegar ao fim --no início do mês, foi renovado para sua 12ª temporada. Daniela só não sabe quando voltará ao trabalho, já que o coronavírus paralisou as gravações de séries nos Estados Unidos.

"Estou ansiosa para retomar, porque as pessoas em casa precisam da gente para ficarem entretidas, para não enlouquecerem [na quarentena]. Arte e cultura talvez não sejam essenciais para a sobrevivência, mas certamente são para manter a sanidade, para a sobrevivência psicológica. A arte te inspira, faz com que você não se sinta tão sozinho", filosofa a atriz, atualmente com 36 anos.

E, apesar de estar há mais de uma década no elenco de NCIS: Los Angeles, ela atribui seu sucesso profissional ao que aprendeu nas novelas portuguesas. "Foi a experiência mais valiosa que tive. O número de cenas que fazíamos todos os dias, as horas de trabalho... Ali eu gravava 40 páginas por dia, ou mais. Na série, em um dia muito longo a gente faz nove páginas. Eu estudei atuação, fiz meu dever de casa, mas não tenho dúvidas de que fazer novela foi essencial", valoriza.

A atriz meio que voltou às origens neste ano: atualmente, ela está no ar na RTP com a minissérie A Espiã, seu primeiro trabalho em Portugal desde que deixou o país.

E a relação com as atrizes brasileiras, como fica após tantos anos? "Eu não consigo mais ver as novelas, mas admiro muito a Alice Braga, que é mais da minha geração, e a Morena Baccarin também, temos até amigos em comum!", finaliza.

Os episódios inéditos da 11ª temporada de NCIS: Los Angeles são exibidos no canal A&E toda sexta-feira, às 21h10. Na próxima sexta (22), vai ao ar o 13º capítulo, Alta Sociedade, em que a equipe de agentes especiais investiga como o tráfico de drogas na rua financia atividades terroristas.


Saiba tudo que vai acontecer de mais bombástico nos próximos capítulos das novelas no podcast Noveleiros:

Listen to "#13: Babu em Novo Mundo e o começo do casal mais improvável de Fina Estampa" on Spreaker.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Qual novela a Globo deve passar após Fina Estampa?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook