Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

BETTY

Como seria a Malhação da HBO? Sem sexo, com as Five e maconha liberada

Imagens: Divulgação/HBO

Sorridentes, as atrizes Moonbear, Ajani Russell, Nina Moran, Dede Lovelace e Rachelle Vinberg dão um abraço grupal em Betty

Moonbear, Ajani Russell, Nina Moran, Dede Lovelace e Rachelle Vinberg na série Betty; as Five da HBO

JOÃO DA PAZ

Publicado em 16/6/2020 - 5h09

A HBO gostou de fazer séries voltadas ao público adolescente. Mas desta vez, ao contrário da controversa Euphoria, a fórmula é quase igual a uma Malhação de tão ingênua. Em Betty, cinco skatistas, algumas que sequer conhecem as outras, se juntam em uma missão: achar uma mochila roubada. É um início de uma bela amizade e aventuras com a maconha liberada. Mas nada de sexo ou nudez. Nem parece uma série da HBO.

Sem alarde, os seis episódios da primeira temporada de Betty entraram de uma vez na plataforma HBO Go, disponível aos assinantes do canal, na última sexta-feira (12). Na TV paga, a atração será exibida também, com um episódio lançado por semana, a partir desta quarta-feira (17).

O público brasileiro está assimilando a nova cara da HBO, mais limpa. Por aqui, produções que seriam ideais na Warner, como Katy Keene e Batwoman, ganharam um espaço no canal premium. O caso de Betty é interessante por ser uma criação própria da matriz americana, que fez essa comédia baseada no filme Skate Kitchen (2018), aplaudido no Festival Sundance de Cinema.

A atração carrega para a TV quatro personagens do longa. A loira Kirt (Nina Moran) é uma lésbica com visual de "tomboy" (moleque), vidrada em skate e de olho em chamar mais mulheres nova-iorquinas para praticarem o esporte radical. Janay (Dede Lovelace) é sua melhor amiga, uma youtuber de personalidade forte.

Indigo (Ajani Russell) é uma garota rica, que mora em um lugar bacana, mas quer viver a experiências das ruas e acaba fazendo amizade com um traficante de drogas. Camille (Rachelle Vinberg) é uma tímida skatista de rara habilidade com o shape debaixo dos pés --Rachelle é uma skatista de verdade, o que se percebe logo nas primeiras cenas dela. E Honeybear (Moonbear), que chega para formar o quinteto, é uma garota quietinha, sempre com uma câmera filmando o que vê pela frente. 

Assim como em Malhação: Viva a Diferença, a HBO tem as suas Five, que unem forças após a mochila de Camille ser furtada em uma pista de skate. É o ponto inicial no qual as diferenças entre as cinco se destacam, cada uma com comportamento único e visão bem peculiar do mundo. Mas, ao mesmo tempo, cria-se um laço de amizade em prol do que as conecta, a paixão de ficar em cima de um skate.

A atriz e skatista Rachelle Vinberg faz a manobra wallride em Betty, nova série teen da HBO  


Urbana na veia!

Totalmente urbana, Betty é um deleite aos olhos para quem está inserido na vibe alternativa de uma grande cidade. A série percorre parques e ruas de Nova York, de dia e de noite, dando um ar de videoclipe para a atração.

Em certos momentos, quando as meninas estão andando de skate, a série vira um daqueles vídeos de atletas fazendo manobras, com a câmera em movimento a poucos metros do chão. Aliada a isso, está a captura do som incomparável das rodinhas deslizando no asfalto ou no concreto, e do truck raspando nos corrimões.

A pretensão de Betty é dar ao telespectador uma agradável experiência televisiva, e isso ela consegue fazer bem. A série é o oposto de Euphoria, o primeiro drama teen da HBO, que tem estrelas no elenco (Zendaya, Eric Dane), violência contra a mulher, nudez explícita, drogas pesadas e uma trama complexa. Betty tem atrizes iniciantes, ingenuidade gritante, e o máximo que as garotas fazem é fumar maconha.

Como a HBO tem a característica de abordar temas espinhosos e mostrar cenas chocantes em suas criações, o público fica mal acostumado ao ver Betty. Pode por algum instante ficar no aguardo de algo indecente, mas nada rola.

Uma garota e um garoto conversam, o flerte é escancarado, os dois param na porta do apartamento dele e... Cada um segue o seu caminho. E é só isso, sem essa de um convite do tipo "quer conhecer o meu apê?". Quando duas garotas se beijam, antes da cena pegar fogo, há um corte, e o episódio passa a focar em outra trama.

Vindo da própria HBO, Betty é o mais próximo de uma Malhação que o canal premium pode fazer. Não ficam de lado questões importantes a serem discutidas, como assédio, opressão familiar e liberdade sexual. Porém, a meta de Betty é apresentar uma jornada jovial, sobre a liberdade de curtir a vida. Um produto lado B que é mais do que bem-vindo no mundo das séries.

Confira as exibições dessa semana do primeiro episódio de Betty na TV, todas na HBO+: quarta (17, a estreia), à 0h30; quarta (17), às 21h10; quinta (18), às 19h20; sexta (19), às 17h30; sábado (20), às 9h40. 

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?