Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

FALSA AGRESSÃO

Após polêmica, Fox tira Jussie Smollett dos dois episódios finais de Empire

Divulgação/Fox

Jussie Smollett em cena da quinta temporada de Empire: ator não estará na reta final da série - Divulgação/Fox

Jussie Smollett em cena da quinta temporada de Empire: ator não estará na reta final da série

REDAÇÃO

Publicado em 22/2/2019 - 12h32

Jussie Smollett não estará nos dois episódios finais da quinta temporada de Empire. A Fox, rede que exibe a série nos Estados Unidos, anunciou que a equipe do drama preferiu tirar o personagem dos roteiros em virtude de toda a polêmica em que o ator se envolveu. Ele foi preso na quinta (21), acusado de inventar uma agressão contra si mesmo.

"Os eventos das últimas semanas mexeram muito com todos nós. Jussie tem sido um membro importante da família Empire nesses cinco anos, e nós nos importamos demais com ele. Embora as acusações sejam horríveis, nós confiamos na Justiça para tocar o processo da maneira correta. Também estamos cientes dos efeitos que isso tudo teve no nosso elenco e na equipe e, para evitar mais problemas no set, decidimos tirar o personagem Jamal dos dois episódios finais da temporada", disse a emissora em nota.

A Fox e a equipe de Empire estiveram ao lado de Smollett durante todos os depoimentos do ator, mas deixaram de se pronunciar depois que ele foi preso por forjar um crime de ódio. Segundo a polícia de Chicago, o ator fez isso para receber um salário maior na série.

Segundo a revista Entertainment Weekly, Smollett foi até o estúdio onde a série é gravada na quinta, depois de pagar fiança e ser solto, e pediu desculpas para os colegas de elenco e para a equipe. Ele também negou ter inventado a agressão.

"Sinto muito por ter colocado vocês nessa situação e por não ter respondido às suas ligações. Eu queria dizer que lamento e, vocês me conhecem, eu nunca faria isso com nenhum de vocês, vocês são minha família. Eu juro por Deus, eu não fiz isso", teria dito Smollett aos colegas, de acordo com o site TMZ.

O comunicado da Fox não explica se o ator poderá voltar em um eventual sexto ano de Empire --a série ainda não foi renovada. Fenômeno da temporada 2014-2015, quando teve média de 17,3 milhões de espectadores por episódio, o drama musical chegou a registrar menos de 5 milhões em capítulos da atual fase.

Polícia dura na queda
O superintendente da polícia de Chicago, Eddie Johnson, informou em entrevista coletiva concedida nesta quinta que Smollett pagou US$ 3,5 mil (R$ 13 mil) para os irmãos nigerianos Olabinjo e Abel Osundair lhe atacarem.

Johnson foi muito duro contra Smollett. Ele chamou o ato de "vergonhoso e egoísta", pois a polícia de Chicago teve de gastar tempo e dinheiro para investigar um caso que, em um primeiro momento, foi tratado como um crime sério de ataque de ódio. Johnson foi taxativo ao deixar claro que Smollett tem de pagar pelo o que fez. 

Foto de Jussie Smollet em delegacia de Chicago

"Jussie Smollet tomou proveito da dor e raiva que o racismo [provoca] para benefício próprio e promover sua carreira", falou Johnson. "Por que alguém, especialmente um afro-americano, usa tais artifícios para fazer uma acusação falsa."

Para Johnson, Smollett precisa "pedir desculpas para a cidade de Chicago, que ele enganou, admitir o que ele fez e ser homem o suficiente para arcar com os gastos da polícia neste caso". 

De acordo com a polícia, Smollett estava insatisfeito com o seu cachê na série e armou esse ataque para conseguir ganhar comoção e, de alguma forma, receber um aumento salarial. Anteriormente a isso, Smollett mandou uma carta a si mesmo, simulando uma correspondência de ódio contra o ator. Como essa estratégia não deu o resultado que ele esperava, ele também forjou o ataque.

Entenda o caso
Em 29 de janeiro, Smollett alegou ter sido vítima de um crime de ódio. Disse que foi agredido por dois homens, que teriam o xingado de "faggot" e "nigger", dois adjetivos considerados extremamentes homofóbicos e racistas, enquanto o chutavam. Mas, de acordo com a polícia, o próprio ator provocou os hematomas em seu corpo.

O jogo virou após a polícia prender os irmãos Olabinjo e Abel Osundair e soltá-los dois dias depois sem qualquer acusação. A CNN trouxe uma notícia bombástica no sábado (16). Citando fontes envolvidas com o caso, o canal revelou que Smollett teria pago aos dois irmãos para que o agredissem. A polícia confirmou. 

A polícia descobriu que Olabinjo e Abimbola Osundair já foram próximos de Smollett. Sem especificar quem, os detetives disseram que um deles atuou como figurante em Empire e o outro foi personal trainer do ator. A CNN conseguiu um vídeo que mostra a dupla comprando em uma loja de ferramentas a corda usada no ataque.

Ele pode ser acusado de um crime grave de nível quatro, no Estado de Illinois, e encarar uma possível sentença de um a três anos de prisão. Smollett também teria de arcar com os custos da polícia de Chicago nessa investigação.

Por ser um caso de grande repercussão, o ex-promotor Andrew Wesiberg disse para a Variety que os advogados de acusação vão "cair matando" em cima de Smollett, pois "todo mundo está assistindo". Isso pesa contra o ator, pois se acabarem descobrindo que ele mentiu, os promotores do caso não vão ceder em nada.

Em um possível julgamento, os advogados de Smollett poderiam forçar uma punição pequena, como uma má conduta, o que evitaria sua prisão. Mas um pedido desse tipo seria difícil de se concretizar, porque Smollett já tem ficha criminal, com três desvios de conduta, incluindo mentir para a polícia, dizendo ser outra pessoa, quando foi flagrado dirigindo sob influência, em 2007.

Smollett terá que encarar uma jornada de penitência. Não irá apagar o erro cometido, mas ajudará a amenizar. "Ele precisa pedir desculpas, e dar um depoimento sobre o que aconteceu ao invés de deixar fatos vazarem pela imprensa", disse Richard Levick, presidente e diretor-executivo da empresa de relações públicas Levick, em entrevista para a revista Variety. "Se ele mentiu, não há desculpas, mas talvez haja algumas explicações."

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Quem deve ser a nova Juma Marruá?