Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

BACTÉRIA MORTAL

Nos Tempos do Imperador: Epidemia de cólera existiu e matou no Brasil até 2004

FOTOS: REPRODUÇÃO/TV GLOBO

A atriz Gabriela Medevedovski leva um pano à boca diante de um leito hospitalar como a Pilar em cena de Nos Tempos do Imperador

Pilar (Gabriela Medvedovski) cuida de doentes com cólera em Nos Tempos do Imperador

DANIEL FARAD

vilela@noticiasdatv.com

Publicado em 7/12/2021 - 17h26

O esforço de Pilar (Gabriela Medvedovski) para combater uma epidemia de cólera no Brasil não é uma licença poética de Nos Tempos do Imperador. A bactéria realmente chegou ao país durante o Segundo Reinado (1840-1889) e fez vítimas durante quase dois séculos. A doença ainda matava brasileiros em 2004, e o último caso foi registrado em 2005.

Os autores Alessandro Marson e Thereza Falcão misturam realidade e ficção para fazer uma analogia entre a cólera e a Covid-19 na novela das seis da Globo. As enfermidades foram responsáveis pelas mais violentas pandemias já registradas no mundo contemporâneo, com registros de milhões de mortos.

A protagonista interpretada por Gabriela Medvedovski batalha contra um inimigo invisível que já havia deixado mortos desde a Índia, passando pela Rússia e se espalhando principalmente em centros urbanos como Paris e Londres, na Europa.

Pilar, na verdade, lida já com a terceira onda das sete de cólera que devastaram o mundo desde o início do século 19. O vibrião colérico chegou ao Brasil entre 1854 e 1855, depois de causar estragos em diversos países da América Latina, como Cuba, Venezuela, Colômbia e Peru.

As vítimas não eram exatamente nobres como Batista (Ernani Moraes) ou Luísa (Mariana Ximenes). A maior parte dos que morriam com cólera eram escravizados, que viviam em condições precárias e com quase nenhum acesso ao sistema de saúde.

A diferença no número de casos e mortos entre nobres e escravos era gritante, como o surto que apavorou a vila de Barra Mansa, no interior do Rio de Janeiro. Segundo documentos da época, a localidade registrou 328 mortos, dos quais 54 eram pessoas livres e 266 eram escravizados.

A história de Pilar, inclusive, é inspirada em um dos médicos que mais se preocupou com a saúde pública na corte durante os tempos do cólera. José Pereira Rego (1816-1892), o barão do Lavradio, que se debruçou não só sobre o cólera, mas também pesquisou os constantes surtos de febre amarela.

Em uma cama, o ator Ernani Mores como Batista está com expressão de surpresa em cena de Nos Tempos do Imperador

Batista (Ernani Moraes): vítima do cólera

O que é cólera?

Cólera é uma infecção no intestino delgado causada pelo vibrião colérico, que causa principalmente diarreia, cãibras e desidratação severa. Alguns doentes chegam a ficar com a pele azulada e afundamento dos olhos por conta da perda de líquidos. A bactéria é transmitida por água e alimentos contaminados por fezes humanas.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, a última epidemia de cólera no Brasil teve início em 1991 e, até 2004, foram registrados 168.646 contaminações e 2.035 mortes. Os últimos casos foram identificados em 2005, todos no Estado de Pernambuco.

O país não tem transmissão comunitária de cólera desde 2006, mas já notificou três casos importados desde então –um vindo da Angola (2006), um da República Dominicana (2011) e um de Moçambique (2016).


Saiba tudo sobre os próximos capítulos das novelas com o podcast Noveleiros

Ouça "#84 - O que aconteceu com Alex em Verdades Secretas 2?" no Spreaker.


Inscreva-se no canal do Notícias da TV no YouTube e assista a vídeos com revelações do que vai acontecer em Nos Tempos do Imperador e outras novelas.


Últimas de Nos Tempos do Imperador


Resumos Semanais

Resumo da novela Nos Tempos do Imperador: Capítulos de 2 a 5/2

Quarta, 2/2 (Capítulo 153)
Tonico foge com Dominique, e Borges o observa de longe. Isabel se desculpa por ter viajado sem avisar a Teresa. Samuel e Pilar encontram Salustiano. Nélio localiza Mercedes. Tonico é perseguido durante sua fuga com Dominique ... Continue lendo

Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.