OPINIÃO

Globo comete erro grotesco ao decidir reprisar Fina Estampa para tapar buraco

DIVULGAÇÃO/TV GLOBO

Os atores Lilia Cabral e Paulo Rocha caracterizados como seus personagens na novela Fina Estampa

Os personagens Griselda (Lilia Cabral) e Guaracy (Paulo Rocha) em cena de Fina Estampa (2011)

RAPHAEL SCIRE - Publicado em 17/03/2020, às 15h49

Diante da pandemia do coronavírus, a Globo tomou a sensata decisão de paralisar as gravações de suas produções atuais e, com isso, optou por preencher a grade com reprises de novelas do passado até que o surto esteja minimamente sob controle. É uma medida que visa proteger a saúde do elenco e da produção, mas a escolha de Fina Estampa (2011) para ocupar a vaga de Amor de Mãe, atual trama das nove, é de uma tremenda sacanagem com o público.

Os folhetins escolhidos para ocupar os outros horários fazem total sentido. Malhação: Toda Forma de Amar terá seu final antecipado e um compacto de Viva a Diferença, a premiada temporada escrita por Cao Hamburguer, entrará em seu lugar.

Já Novo Mundo (2017), de Alessandro Marson e Thereza Falcão, preparará terreno para Nos Tempos do Imperador, da mesma dupla de autores, e contextualizará o período histórico retratado na trama que ocupará a faixa de Éramos Seis, cujo final será mantido conforme o planejado. 

No lugar de Salve-se Quem Puder entrará Totalmente Demais (2015), trama que vem na rasteira do fenômeno Bom Sucesso e servirá para resgatar o humor e a sagacidade do texto de Rosane Svartman e Paulo Halm.

Mas o que dizer de Fina Estampa? A única justificativa plausível para tal escolha é a numérica, afinal a trama de Aguinaldo Silva foi a de maior audiência da década.

Ainda assim, Fina Estampa figura na lista das piores novelas de Aguinaldo --e teria sido a pior se no seu currículo não surgisse O Sétimo Guardião (2019). É um erro grotesco escolher Fina Estampa para a reprise do horário nobre por diversos motivos, mas principalmente porque a comparação com Amor de Mãe deixará evidente a lacuna existente entre as histórias de Manuela Dias e Aguinaldo Silva.

Fina Estampa traz uma trama digna de novela ruim dos anos 1990 e mostra que seus personagens jamais deveriam ter saído da sala de aula que originou a história --assim como O Sétimo Guardião, Fina Estampa também surgiu a partir de um curso de roteiro ministrado por Aguinaldo Silva.

A começar pelas protagonistas. Griselda (Lilia Cabral) e Tereza Cristina (Christiane Torloni) eram planas demais e extremamente maniqueistas, algo que hoje já não convence tanto. Lurdes (Regina Casé), Thelma (Adriana Esteves) e até Vitória (Taís Araujo), em contrapartida, apresentam camadas que se descortinam capítulo após capítulo, dando ao público o sabor da surpresa. 

Além disso, Fina Estampa tinha uma história simplista: a mãe batalhadora, que enriquece após um golpe de sorte e muda completamente de vida, mas sofre com as artimanhas de uma vilã que tenta a todo custo emular o sucesso de Nazaré (Renata Sorrah), de Senhora do Destino (2004). O enredo batido por si só já é um contraste enorme com toda a complexidade de Amor de Mãe. 

Por fim, a realização. Todo o aclamado trabalho de José Luiz Villamarim atualmente deixa no chinelo a direção pobre e viciada de Wolf Maya. Para se ter ideia do tamanho do problema, o último capítulo de Fina Estampa foi tão ruim que o próprio Aguinaldo Silva já teceu críticas a ele. E com o fim da novela, terminou também a até então duradoura parceria entre o autor e o diretor.

Depois de uma saída nada honrosa de Aguinaldo Silva do quadro de autores da Globo, a escolha por uma trama de sua autoria para a reprise em um momento tão crítico como o atual soa até como uma homenagem. O problema é que, com Fina Estampa, a homenagem fica parecendo vingança.

Corre que ainda dá tempo de rever a decisão, Rede Globo! De coisa ruim sendo mostrada na televisão, já bastam as notícias sobre o coronavírus...


Este texto não reflete necessariamente a opinião do Notícias da TV.

Últimas de Fina Estampa

Resumos semanais

Resumo da novela Fina Estampa: Capítulos de 2 a 13/6

Terça, 2/6 (Capítulo 62)
Griselda e René têm sua primeira noite de amor. Esther e Guaracy passam a noite juntos. Solange conta para Celeste que assinou contrato com uma gravadora. Enzo procura Danielle. Guaracy garante que assumirá o filho ... Continue lendo

Outras novelas

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Que jornalista está fazendo o melhor trabalho durante a pandemia?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook