Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

CONFIRA O RESUMÃO

No Limite 2022: No luxo, Dayane 'morre na praia' por não saber nadar

REPRODUÇÃO/GLOBOPLAY

Imagem de Dayane Sena no No Limite 2022

Dayane Sena no No Limite 2022; professora foi eliminada após passar perrengue na hora da natação

ERICK MATHEUS NERY

erick@noticiasdatv.com

Publicado em 4/5/2022 - 0h11

Dayane Sena foi a primeira eliminada do No Limite 2022. No episódio de estreia do reality, exibido nesta terça-feira (3), a professora deu trabalho aos demais integrantes da Tribo Lua por não saber nadar. Assim, ela despertou o ranço dos competidores, especialmente o da policial Guza Rezê.

Logo nos primeiros minutos do episódio, Fernando Fernandes mostrou bem mais animação do que Andre Marques na temporada anterior e saltou de paraquedas na Praia Dura, onde é gravado o reality. Em seguida, todos os participantes tiveram que pular no mar e nadar até a terra firme, onde estava o apresentador.

Os 24 participantes foram divididos pela própria produção em dois grupos: a Tribo Sol (de amarelo) e a Tribo Lua (azul). "Para vocês sobreviverem aqui, terão que se ajudar. Quanto mais vocês conviverem, mais vocês vão se conhecer, só que não se esqueçam de um detalhe: o No Limite tem apenas um vencedor. Apenas um sobrevivente vai levar os R$ 500 mil para casa. Então, quem é a tua tribo hoje, amanhã será teu grande adversário", comentou Fernandes.

Prova de Suprimentos

No primeiro desafio, os participantes precisavam completar um circuito para conquistar um kit de suprimentos básicos. Além dos produtos, os vencedores teriam acesso ao melhor acampamento e ao fogo, para poderem cozinhar e se manterem aquecidos durante a noite.

A Tribo Lua conseguiu demonstrar mais sintonia no trabalho em grupo e venceu a disputa. "Chegamos em um nível de coesão bacana para conseguirmos nos organizar no período muito curto que tivemos. O plano deu certo, a gente conseguiu", comemorou o psiquiatra Adriano Gannam.

Como era de se esperar, a conquista causou dor de cotovelo nos adversários. "Que saco, que merda que tem uma tribo em uma situação melhor que a nossa. Tô muito chateado da gente não estar no melhor acampamento", reclamou o diretor pedagógico Matheus Pires.

Inclusive, o pedagogo decidiu inventar um personagem para enganar os colegas de tribo. Empregado e recém-promovido, Pires disse que estava desempregado e que era conhecido pelo sobrenome, o que também é mentira. "Não estou sendo eu. O que mais puder criar para esse personagem por causa do meu jogo, vou fazer", prometeu no depoimento a produção do reality.

Azaração no mato?

Durante o primeiro dia nos acampamentos, os participantes logo debateram sobre suas sexualidades e confessaram possíveis interesses amorosos. Na Tribo Sol, Lucas Santana confessou que estava de olho em Pires, mas não sabia se o sentimento era recíproco. Pedro Castro aproveitou o embalo e admitiu que achava Tiemi Hiratsuka muito bonita.

Enquanto isso, na Tribo Lua, Gannam desabafou sobre a sua sexualidade: "Fui sair do armário com 24 anos. Achava que era uma questão educativa, que tinha que mudar isso. Hoje, ser gay é a minha melhor parte".

Prova do Privilégio

Em mais um circuito, metade dos competidores precisavam construir uma espécie de ponte para levarem os demais participantes até uma estrutura com sacos de areia. Depois, estes sacos teriam que ser carregados até um outro local e, em seguida, deveriam ser arremessados na direção de um alvo.

O prêmio da prova era mais um kit de alimentação, com itens como carne seca, café, leite em pó, entre outros itens. Além disso, a tribo vencedora receberia um acendedor de fogo. De novo, a Tribo Lua foi mais ágil e venceu a atividade. "Perder duas seguidas não dá, é difícil", confessou a massoterapeuta Flavia Assis, da Tribo Sol.

De volta ao acampamento, os membros da Sol tiveram que contentar com uma "sopa fria" -- água misturada com alimentos em conversa. De barriga cheia, eles discutiram sobre os motivos das duas derrotas seguidas, e uma das principais reclamações foi a falta de liderança no grupo.

"Deveria ter um líder, sim! Eu, obviamente, não vou me oferecer porque não quero um alvo gigantesco nas minhas costas, se a gente errar ou acertar", pontuou Pires.

Prova de Imunidade

Na chuva, os participantes tiveram que encarar o terceiro circuito da temporada. A missão era coletar cocos que estavam no mar, levar as frutas até terra firme e atirá-las em uma estrutura para quebrar estátuas. Finalmente, a Tribo Sol conseguiu vencer alguma disputa e escapou da eliminação.

"Foi um presente maravilhoso porque a dignidade voltou, a moral voltou", desabafou Flavia. "Eles ganharam duas provas, mas ganhamos a principal. É bom sentir o gosto da vitória, maravilhoso", destacou a fotógrafa subaquática Ninha Santiago.

Por causa da derrota, os membros da Tribo Lua foram enviados ao Portal de Eliminação. E, sem papas na língua, a policial Guza Rezê disparou: "Tem gente que já quero que saia. [Pessoa reclama:] 'Ai, não sei correr, não sei nadar'. Podia ser eliminada então, no fundo, já estou gostando". De acordo com a edição do programa, a professora Dayane Sena era o principal alvo da equipe. 

Dayane recebeu seis votos, enquanto Guza teve cinco indicações e Kamyla Romaniuk ficou com um voto. Assim, a docente foi a primeira eliminada da temporada.

"Apesar do pouco tempo que tive, aproveitei todas as coisas que vivi até aqui, fiz tudo o que tinha que fazer. Minha risada frouxa para tudo, não sei se isso pode ter causado um certo desconforto nas outras pessoas, mas sou essa, desse jeito que levo as coisas e estou muito orgulhosa do que fiz até aqui", destacou Dayane em seu discurso final.


Saiba tudo sobre reality shows com o podcast O Brasil Tá Vendo

Ouça "#75 - Melhores e piores do BBB22!" no Spreaker.


Inscreva-se no canal do Notícias da TV no YouTube para conferir nossos boletins diários, entrevistas e vídeos ao vivo sobre reality show:


Últimas de No Limite 6

Leia também

Enquete

Pantanal perde audiência: novela está chata?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.