Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

SÓ DESCE

Mesmo com truque da Anatel, TV paga perde 1,4 milhão de assinantes em 2021

DIVULGAÇÃO

Um homem assiste TV paga com uma camisa cinza e preta e vários catálogos

TV paga no Brasil perdeu 1,4 milhão de assinantes e caiu 9,5% em número de clientes no Brasil

GABRIEL VAQUER, colunista

vaquer@noticiasdatv.com

Publicado em 8/2/2022 - 13h24

A TV paga brasileira perdeu 1,4 milhão de assinantes em 2021. Mesmo com a mudança de critérios da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) para contabilizar o número de clientes do serviço, a queda em um ano foi de 9,5%. No ano passado, o órgão passou a registrar como pagantes quem tem equipamento no modelo pré-pago para ter acesso somente às TVs abertas.

Segundo dados da agência, foram 13,414 milhões de assinantes de TV paga em dezembro de 2021, contra 14,830 milhões do mesmo mês em 2020. Com a adição de quem tem apenas o equipamento e recarrega com canais quando bem entender, contagem adotada em novembro do ano passado, a base sobe para 16,040 milhões de usuários.

Dezembro de 2021 foi o período mais cruel do ano para as operadoras, com uma queda de quase 410 mil clientes, a maior retração já registrada em um único mês.

A análise individual de cada empresa aponta que a Claro/Net, maior operadora do Brasil, deixou de ter cerca de 834 mil assinantes de TV paga em 2021. É a maior perda anual da companhia desde que começou a operar no Brasil, no fim da década de 2000.

A Sky, segunda maior em número de clientes, enfrentou uma fuga de ainda mais clientes: 855 mil. A derrocada se explica por causa das mensalidades mais caras do serviço e pelo fato de a empresa ter apenas TV paga como seu carro-chefe. A Claro oferece internet banda larga conjuntamente.

As outras duas que fazem parte do top 4 da TV paga no Brasil também sofreram. A Oi TV perdeu outros 176 mil contas. Já a Vivo teve um saldo negativo de 133 mil no ano passado. Ambas colecionaram recordes negativos desde que entraram no mercado, no início da década de 2010.

O crescimento dos serviços de streaming próprios de empresas gigantes explica essa fuga. A Disney é uma delas, o que causou inclusive reclamações da Claro ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) sobre escalações de partidas de futebol importantes no Star+, o que encareceria o produto para o telespectador.


Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.