NO PRIME VIDEO

O que é fato e ficção em O Escândalo, filme sobre assédio sexual na Fox News

REPRODUÇÃO/LIONSGATE/FOX NEWS

No filme O Escândalo, Charlize Theron aparece com um longo cabelo loiro e de vestido preto, look igual ao da jornalista Megyn Kelly

Charlize Theron no filme O Escândalo imitando o visual da jornalista Megyn Kelly, então âncora da Fox News

JOÃO DA PAZ - Publicado em 23/07/2020, às 06h45 - Atualizado em 28/07/2020, às 18h31

Filme vencedor de Oscar, O Escândalo narra a onda de assédio sexual que perdurou durante anos na Fox News, tendo como agressor maior o executivo Roger Ailes (1940-2017), ex-presidente do canal. Quatro jornalistas retratadas no longa, que entrará no catálogo do Prime Video, se encontraram para contar o que é fato e o que é ficção na história.

Quem organizou a conversa foi Megyn Kelly, jornalista vivida por Charlize Theron na produção hollywoodiana. Ela fez um vídeo em seu canal no YouTube para revelar o que ocorreu mesmo nos bastidores do canal de notícias.

A acompanharam na auditoria a apresentadora Juliet Huddy (interpretada por Jennifer Morrison), a repórter Rudi Bakhtiar (Nazanin Boniadi) e a produtora Julie Zann (que inspirou Kayla, a personagem de Margot Robbie).

Todas elas estão fora da TV no momento. Juliet perdeu a casa. Julie recebeu US$ 105 mil (R$ 536 mil, em valores atuais) ao sair da Fox News. Enquanto Ailes embolsou US$ 40 milhões (R$ 204 milhões) de indenização.

Após assistirem ao filme, lançado em dezembro do ano passado nos cinemas americanos, elas sentaram em frente das câmeras e deram seus depoimentos.

reprodução/youtube

Megyn Kelly, Juliet Huddy, Rudi Bakhtiar e Julie Zann revelam se O Escândalo retrata a verdade


Ficção

Antes de ser demitida da rede NBC devido a uma frase racista, Megyn Kelly era uma celebridade, daquelas nas capas de revista. Por ser uma personalidade de peso, ela foi a mais atacada no filme. O vídeo serviu para a loira esclarecer algumas coisas.

O Escândalo mostrou Megyn como cordeirinha de Ailes ou de Rupert Murdoch, o magnata do grupo Fox. Há cenas em que ela envia perguntas aos seus superiores como se estivesse pedindo permissão para fazê-las no ar, principalmente quando confrontou Donald Trump, então empresário e hoje presidente dos EUA, em 2016.

Megyn afirmou que sempre foi independente e que o máximo que ouvia era uma bronca de Ailes. Ressaltou, porém, que nunca temeu censura ou algo do tipo.

Em linhas gerais, o filme mais acertou do que errou, segundo as jornalistas. Só que há uma falha bastante grave. Megyn, vítima de assédios de Ailes no começo da carreira, é pintada como culpada por Kayla, a personagem de Margot Robbie. A jornalista novata fica chocada ao saber que a veterana também tinha sofrido ataques do chefe no passado e optado por ficar calada.

No filme, Kayla indiretamente culpa Megyn pelo assédio que sofreu. De acordo com ela, caso a âncora celebridade tivesse reclamado do caso no passado, essa onda teria cessado bem antes, e outras mulheres poderiam ter sido poupadas.

No vídeo, todas repudiaram essa imagem que a ficção apresentou. As colegas de Megyn disseram que a apresentadora experiente foi leal e amiga. A emoção tomou conta nesse momento, com ela condenando a mensagem de colocar a vítima de assédio como culpada, deixando de responsabilizar o agressor.

"Quando eu vi essa cena [de Kayla com Megyn] eu fiquei envergonhada, porque não foi verdade e colocou a vítima no lado errado da história", contou Julia Zann, no encontro. "Isso transmite uma mensagem errada em um filme sobre assédio sexual."

divulgação/lionsgate

Margot Robbie com John Lithgow em cena de O Escândalo; dentro da sala de Roger Ailes


Fatos

O quarteto foi unânime em registrar que O Escândalo fez um ótimo trabalho em mostrar um pouco para o grande público como é trabalhar em uma empresa na qual a cultura do assédio sexual impera. Rudi Bakhtiar ainda comentou que "o filme é poderoso pois coloca as pessoas em nossas peles".

A cena que mais emocionou as jornalistas foi a do elevador que elas pegam para ir falar com Ailes na sala dele, dentro do prédio que era sede da Fox News. Em O Escândalo, o momento tem como protagonistas Kayla, Megyn e Gretchen Carlson (Nicole Kidman). Não há diálogos, só uma musica quebra o silêncio. Ver esse trajeto na tela foi um gatilho para elas, rememorando os assédios e ameaças de demissões que sofreram naquela sala.

Era naquele lugar que Ailes (interpretado por John Lithgow) fazia insinuações sexuais e soltava indiretas. O filme mostra que ele pedia para suas funcionárias ficarem de pé e darem uma "rodadinha", um giro para mostrarem o corpo. Megyn confessou que obedeceu o chefe. "Se você não entende isso como algo totalmente degradante para uma mulher, não posso te ajudar", comentou ela no YouTube.

Julie reforçou que as cenas de Ailes com Kayla foram muito reais, que aquilo aconteceu com ela. Ele pedia para a jornalista levantar a saia e deixava em aberto que poderia fazer coisas por ela dentro do canal, como promovê-la, se desse algo em troca. Julie se negou a fazer sexo oral em Ailes. Um mês depois, foi demitida.

Algo parecido ocorreu com Rudi. No filme, a personagem que a representou estava em um restaurante com Brian Wilson (Brian d'Arcy James), âncora proeminente da Fox News alçado a diretor. Ele disse para a repórter que poderia levá-la para Washington, a capital dos EUA, que ela só precisava aceitar um convite de ir para um quarto de hotel com ele. Rudi rejeitou a oferta. Foi demitida no dia seguinte. Ela confirmou que o diálogo entre eles exibido no filme foi fidedigno.

Apesar de ser apresentada de forma negativa no longa, Megyn elogiou bastante a atuação de Charlize Theron. "É muito esquisito você ver uma pessoa exatamente igual a você vivendo coisas pela qual passou", destacou a jornalista. E realmente Charlize ficou absurdamente parecida com Megyn. E foi por isso que O Escândalo recebeu sua estatueta no Oscar, de melhor maquiagem e penteado.

Originalmente, O Escândalo seria disponibilizado pelo Prime Video em 23 de julho, mas a estreia foi adiada. Confira o comunicado da plataforma: "O Amazon Prime Video informa que, infelizmente, por problemas técnicos, o filme O Escândalo não entrou no serviço de streaming na data prevista. O filme estará disponível para os assinantes a partir de 25 de agosto".

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Qual é seu programa favorito gravado na quarentena?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook