Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

MORTO EM 2019

Rafael Ilha levanta suspeita sobre morte de Gugu Liberato: 'Sei o que aconteceu'

REPRODUÇÃO/YOUTUBE

Rafael Ilha em entrevista para o Inteligência Ltda., no YouTube, em 30 de agosto de 2021

Rafael Ilha em entrevista para o Inteligência Ltda., no YouTube; cantor relembrou Gugu

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 6/9/2021 - 15h36

A versão oficial sobre a morte de Gugu Liberato (1959-2019) não seria verdadeira. Foi essa a suspeita que Rafael Ilha levantou ao dizer ter conhecimento do que de fato ocorreu. Em 2019, a assessoria de imprensa do apresentador comunicou que o artista havia sofrido uma queda quando fazia um reparo no ar-condicionado do sótão de sua casa, em Orlando, nos Estados Unidos. "Eu sei o que aconteceu, e não foi isso", contestou o cantor.

Em entrevista ao canal Inteligência Ltda., no YouTube, Ilha relembrou os tempos de Polegar, grupo musical empresariado por Liberato nos anos 1980. O bate-papo divulgado há uma semana começou a repercutir nesta semana, por causa da fala do artista sobre a morte do veterano.

"Sinto muita falta dele. [A morte] Foi uma coisa que ninguém esperava. Eu estava gravando o Troca de Família quando aconteceu [a notícia da morte] e não acreditei. Não acredito até hoje. Sinceramente. Eu estava lavando a louca na hora e escutei o William Bonner falar no Jornal Nacional", relembrou.

"Eu já estava acompanhando há dois dias o negócio da queda e não acredito. Sei o que aconteceu. Sei o que realmente aconteceu, e não foi isso. Não foi isso que aconteceu. Tomara que um dia as pessoas possam ter oportunidade de saber o que realmente aconteceu. Mas não foi isso", reiterou.

As informações oficiais sobre a morte de Liberato são de que ele sofreu um acidente doméstico em 20 de novembro, em Orlando, nos Estados Unidos, onde morava. Ele sofreu uma queda de cerca de quatro metros quando fazia um reparo no ar-condicionado do sótão de sua casa.

Logo após o acidente, ele deu entrada no hospital Orlando Health Medical Center, e os exames iniciais constataram sangramento intracraniano. Em virtude da gravidade neurológica, não foi indicado qualquer procedimento cirúrgico. Durante o período de observação foi constatada a ausência de atividade cerebral. O óbito foi confirmado em 22 de novembro.

Segundo Rafael Ilha, Liberato não tinha o hábito de cuidar de detalhes domésticos. Por isso, ele diz não acreditar na história de que o comunicador caiu ao consertar algo sozinho.

"Quando o Gugu ia chegar e falar: 'Vou trocar essa lâmpada?'. Não faz [sentido]. Ele nunca fez isso. Ele não sabe trocar uma lâmpada. Isso não aconteceu. Eu sei o que aconteceu", reiterou.

"Não sei por que deram essa versão. Acho que poderiam ter contado a verdade. Só acho isso. Foi uma fatalidade de qualquer forma. Eu não acho justo. Fui lá no velório dele, me despedi e falei com a família. Deixa para lá. Ele está em um bom lugar agora. Está olhando lá de cima, e é isso que importa. Saudade vai ficar mesmo", contou.

Ao final, o ex-Polegar lamentou a perda de Liberato para a televisão brasileira. "Era o melhor apresentador do Brasil que tinha no momento. O cara mais versátil. O cara fazia qualquer coisa. Faz A Fazenda, Troca de Família, programa de auditório, o Canta Comigo. Faz qualquer coisa", finalizou.

Veja entrevista com Rafael Ilha para o Inteligência Ltda.:


Leia também

Enquete

Você gostou da escolha de Tadeu Schmidt para o BBB22?

Web Stories

+
Após derrota em eleição, Victor Pecoraro perde mais uma votação e deixa A Fazenda 13Deixaram saudade: Conheça cinco atores de O Clone que já morreramEsqueceram de Mim ganha novo filme no Disney+; veja como está o elenco originalTadeu Schmidt no BBB22: Conheça a carreira do apresentador na GloboRenascer no Globoplay: Saiba por onde anda o elenco da novela 28 anos depois

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas