Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

É GUERRA!

Lívia Andrade e Pétala Barreiros brigam na Justiça até por número de seguidores

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Montagem de fotos de Lívia Andrade e Pétala Barreiros

Lívia Andrade e Pétala Barreiros; guerra na Justiça envolve lucros nas redes sociais

ELBA KRISS e LI LACERDA

elba@noticiasdatv.com

Publicado em 8/11/2021 - 7h00

A novela da guerra entre Lívia Andrade e Pétala Barreiros ganhou novos capítulos. O embate judicial começou em dezembro de 2020, quando a ex-apresentadora do SBT foi chamada de amante. Agora, as duas brigam até por número de seguidores nas redes sociais.

Atualmente, a ex-funcionária de Silvio Santos move três queixas-crimes contra a ex-mulher de seu atual namorado, Marcos Araújo. Nos autos, ela aponta que a rival explodiu como influenciadora e lucra com contratos publicitários às suas custas. Yanka Barreiros, irmã da jovem, também virou alvo da comunicadora.

O Notícias da TV apurou que a rixa entre as duas no Judiciário teve início em dezembro do ano passado, com Lívia pedindo explicações formais de Pétala. Naquele mês, a escritora de 22 anos foi jogada diante dos holofotes após o relacionamento do ex-marido, dono do Festival Villa Mix e presidente e CEO da Audiomix, com a famosa de 38 anos ser divulgado na imprensa.

Na ocasião, perfis de fofoca da internet apontaram que o namoro havia começado depois de uma traição. A guerra nas redes sociais surgiu assim, com a empresária revelando que o ex-marido tinha admitido sua infidelidade, e a artista rebatendo que a acusação era uma "sujeira".

Por causa disso, a atriz foi à Justiça e notificou Pétala em uma ação de interpelação --instrumento judicial para pedir esclarecimentos -- na 1ª Vara Criminal de Santo Amaro. A influenciadora se apresentou oficialmente e, em setembro último, a juíza Ana Lúcia Siqueira de Figueiredo considerou as explicações satisfatórias.

O caso é que desde então, a modelo entrou com três queixas-crime contra a ex-mulher de seu namorado. E o imbróglio agora também atinge Yanka, irmã de Pétala. Em setembro, foi ela quem expôs nas redes sociais que Lívia acompanhou o empresário no exame de DNA de um de seus filhos.

Na separação turbulenta de Pétala, Araújo exigiu o teste do filho caçula. A jovem mãe cumpriu a ordem da Justiça e levou o menino para um laboratório. Ao sair do local, se deparou com a namorada do ex-marido na porta. Na web, Yanka denunciou que a atriz causou constrangimento para sua irmã. Criticada, a artista rebateu dizendo que estava sendo atacada pelo tribunal da internet.

Desde então, Yanka virou um fenômeno nas redes sociais. Debochada e irreverente, ela não se calou diante do escândalo e saiu em defesa de seus familiares. Como Pétala está proibida judicialmente de falar sobre Lívia e Araújo, a irmã se sentiu livre para brigar pelo nome da família. Isso aconteceu até outubro, quando ela também foi impedida de falar sobre a modelo.

Irmã de Pétala no alvo de Lívia

Depois do episódio, Yanka deixou de ser anônima e ganhou o posto de influenciadora digital. Atualmente, ela está rumo ao seu primeiro milhão de seguidores no Instagram -- Pétala já tem 2 milhões.

E é justamente isso que tem incomodado a ex-SBT, que além das queixas-crimes protocolou uma ação por perseguição. Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso, advogados da apresentadora, apontam que sua cliente se sente atacada no mundo virtual pelas irmãs Barreiros. Além disso, definem que a exposição na imprensa beneficia as duas, que andam lucrando com contratos publicitários como influenciadoras.

Yanka Barreiros, irmã de Pétala Barreiros, protesta na internet (Foto: Reprodução/Instagram)

Yanka Barreiros, irmã de Pétala Barreiros, protesta na internet (Foto: Reprodução/Instagram)

"A cada crise gerada por Pétala e, agora também por Yanka, acontecem duas coisas. De um lado, uma série de ataques virtuais contra Lívia Andrade. De outro, Pétala e Yanka ganham com enorme exposição na imprensa, aumento de seguidores, engajamento e, como a própria Yanka se vangloriou, até patrocinadores", consideram em nota.

A defesa de Pétala e Yanka, por sua vez, rebate que as queixas-crimes contra as irmãs foram rejeitadas no Judiciário. Ana Paula Schoriza e Gil Ortuzal, advogados das influenciadoras, informam que suas clientes não foram intimidas no inquérito de perseguição e reforça que elas, sim, iniciaram uma demanda semelhante contra Lívia.

"Está em curso um processo criminal por stalking contra Lívia, justamente em razão das diversas ações sem fundamentos ajuizadas e perseguições nas redes sociais", rebatem os defensores das irmãs Barreiros.

No fim de setembro, a artista concedeu uma entrevista ao colunista Leo Dias, do portal Metrópoles, em que acusou a jovem de usar sua imagem para aparecer. Ela também fez declarações contra os pais da rival.

Após esse episódio, Pétala acionou seus advogados e protocolou uma ação de danos morais no valor de R$ 100 mil contra a comunicadora. A jovem pediu uma medida protetiva contra Lívia e solicitou a prisão preventiva do empresário por quebra de medida protetiva em vigor. Os pedidos foram negados pela Justiça.

A reportagem apurou que o próximo passo na guerra será de Yanka. Seus representantes legais entrarão com uma ação para proibir a artista de falar o nome dela publicamente.

O Notícias da TV procurou Lívia e Yanka para comentarem a guerra na Justiça, mas não obteve retorno até o fechamento deste texto. Pétala, que tem assessoria de imprensa, mobilizou seus advogados para um pronunciamento formal. 

Ataques e defesas

Em contato com a reportagem, os defensores de ambas as partes enviaram notas sobre a troca de farpas no Judiciário. Leia o comunicado das defesas de Lívia e das irmãs Barreiros na íntegra.

Nota de Lívia Andrade

"O processo arquivado [interpelação] foi um pedido de informação, mas na verdade o caso é muito maior e mais grave. Atualmente, tramitam três queixas-crime movidas por Lívia Andrade, e as irmãs respondem a inquérito por stalking, inclusive com audiência marcada para fevereiro.

O que a família de Pétala Barreiros vem fazendo nada mais é do que uma maneira de distorcer o próprio entendimento que a Justiça já tem do caso, e levar a imprensa e a opinião pública a erro.

A Justiça vem, sucessivamente, em mais de um processo, reconhecendo que Pétala e Yanka fazem ataques contra Lívia Andrade. Pétala, vale dizer, já foi até condenada pela Justiça por dano moral nesse caso.

Pétala e Yanka chegaram a acusá-la de ataques e pedem que Lívia não fale delas na internet, mas o fato é justamente o contrário: é a Justiça que afirma, mais de uma vez, que elas atacam Lívia Andrade e, por isso, elas estão proibidas de citá-la.

E pior: Yanka e Pétala vêm descumprindo as ordens da Justiça sucessivamente, a ponto de a multa da Yanka ter sido majorada e a Justiça inclusive deixar claro que é possível tirar do ar seu Instagram em razão dos sucessivos descumprimentos judiciais. Ao mesmo tempo, vale dizer, que os contratos de publicidade se tornaram uma praxe para Yanka, que viu explodir seu número de seguidores, justamente no período que agora Pétala diz sofrer com o exame de DNA.

E há um fato objetivo: a cada crise gerada por Pétala e, agora também por Yanka, acontecem duas coisas. De um lado, uma série de ataques virtuais contra Lívia Andrade. De outro, Pétala e, agora também Yanka, ganham com enorme exposição na imprensa, aumento de seguidores, engajamento e, como a própria Yanka se vangloriou, até patrocinadores.

Os números mostram, objetivamente, quem ganha e quem não ganha com essa crise. Basta comparar quem eram Yanka e Petála antes dos episódios nos quais atacam Lívia Andrade.

Ou seja: tudo aquilo que Yanka e Pétala pedem na Justiça, a Justiça de fato já decidiu, mas contra elas.

Assim, o que tem ocorrido é um sórdido ataque virtual contra Lívia Andrade nas redes sociais, mas que a Justiça vem reconhecendo, dia após dia, o papel de cada um nessa história.

Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso, advogados de Lívia Andrade"

Nota de Pétala e Yanka Barreiros

"Ana Paula Schoriza e Gil Ortuzal, advogados de Pétala e Yanka, comentam que o fato de uma pessoa processar outra não significa que obterá êxito ou condenação da parte contrária.

As três queixas-crimes oferecidas por Lívia Andrade foram rejeitadas pelo Judiciário. Pétala e Yanka desconhecem supostos inquéritos por stalking contra elas em andamento. Caso existam, elas ainda não foram intimadas para apresentarem defesa.

Vale esclarecer que está em curso um processo criminal por stalking contra Lívia, justamente, em razão das diversas ações sem fundamentos ajuizadas e perseguições nas redes sociais.

Providências contra as atitudes de Lívia, neste sentido, já foram tomadas, bem como outras ainda serão requeridas. Toda a família de Pétala tem sido atacada por Lívia.

Os trabalhos de Pétala e Yanka nas redes sociais decorrem de seus próprios méritos e qualidades, não havendo apelos das irmãs para palavras de baixo calão, rebaixamento alheio ou ataques à família de Lívia.

Todos os fatos distorcidos serão esclarecidos no Judiciário, confiando que as ações promovidas por Lívia terão todas o mesmo fim que as três primeiras.

Pétala e Yanka são jovens que lutam contra a violência doméstica, sendo admiradas pela coragem e determinação por mulheres que sofrem os mesmos problemas.

Não há o que se falar em concorrência entre pessoas que não possuem o mesmo perfil publicitário na internet. Lembrando que Yanka também tem conquistado muitos seguidores em razão do seu time Alpha 7, de game. Hoje está em primeiro lugar no ranking mundial.

O público que a segue se conecta com ela por se identificar com sua personalidade, originalidade e empatia, e isso tem gerado um grande índice de engajamento, mas Lívia insiste em ser o motivo do sucesso de Yanka."

Veja publicações de Pétala e Yanka Barreiros no Instagram:

Confira publicação de Lívia Andrade sobre o imbróglio:


Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.