Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

MINISTÉRIO PÚBLICO

Felipe Prior é denunciado por estupro após polícia concluir inquérito sem indiciamento

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Imagem de Felipe Prior, de boné, no BBB20

Felipe Prior no BBB20; Ministério Público de São Paulo denunciou o arquiteto pelo crime de estupro

ERICK MATHEUS NERY

erick@noticiasdatv.com

Publicado em 6/8/2020 - 18h07
Atualizado em 6/8/2020 - 18h30

O Ministério Público de São Paulo denunciou Felipe Prior por estupro nesta quinta-feira (6) após a 1º Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) concluir a investigação e decidir não indiciar o arquiteto. Ao Notícias da TV, o órgão confirmou a decisão e informou que o caso segue sob sigilo.

O participante do Big Brother Brasil 20 é acusado de estupro e tentativa de estupro por três mulheres. Os casos teriam ocorrido em 2014, 2016 e 2018, durante a realização do Interfau, jogos universitários do curso de Arquitetura e Urbanismo. O caso foi revelado pela revista Marie Claire.

Fontes da reportagem afirmam que a denúncia foi protocolada apenas com os casos de 2014 e 2018, nos quais teriam ocorrido estupro.

Na última terça-feira (4), a DDM concluiu a investigação iniciada em abril. Após ouvir as supostas vítimas, testemunhas e o acusado, a delegada Maria Valeria Pereira Novaes chegou a respectiva conclusão, que foi celebrada por Prior.

"Esta autoridade policial signatária, deixa de indiciar Felipe Antoniazzi Prior nos crimes de estupro consumado ou estupro tentado, razão pela qual encaminho o presente relatório ao Judiciário para as providências relacionadas à prestação jurisdicional", afirmou a delegada.

No entanto, as advogadas das supostas vítimas afirmaram que a decisão era uma "injustiça" e reforçaram que "a opinião da Delegacia não é determinante para a continuidade do processo". 

A denúncia do MP foi revelada, em primeira mão, pelo jornalista Erlan Bastos, da TV Cidade, afiliada da Record no Ceará.

O Notícias da TV entrou em contato com a defesa de Felipe Prior e com a advogada Maíra Machado Frota Pinheiro, que representa as vítimas, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.

Relembre o caso

Em 3 de abril, a revista Marie Claire publicou uma reportagem na qual apresentava duas denúncias de estupro e uma de tentativa de estupro contra o arquiteto. Os casos teriam ocorrido em edições dos jogos universitários de Arquitetura e Urbanismo (Interfau), nos anos de 2014, 2016 e 2018.

No dia 15, uma nova mulher foi ouvida pela equipe de advogados das vítimas e também afirmou ter sido estuprada por Prior. O crime teria ocorrido em 2015.

Em nota à reportagem, os advogados do ex-BBB reforçaram a tese de que ele não praticou os estupros dos quais é acusado.

"Felipe Prior nega todas as falsas acusações disseminadas contra ele e reafirma sua inocência. Felipe Prior jamais cometeu qualquer ato de violência sexual. A equipe jurídica do Felipe Prior está empenhada e tomará todas as medidas cabíveis para refutar todas as acusações", disse em nota.


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do início do BBB21?