Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

DOUGLAS TAVOLARO

Um ano após deixar CNN Brasil, fundador cria apresentador e repórter virtuais

Divulgação/CNN

O jornalista Douglas Tavolaro nos estúdios da CNN em Atlanta, nos Estados Unidos; ele veste terno e está ao lado de um grande logotipo da marca

Douglas Tavolaro nos estúdios da CNN em Atlanta (EUA), em 2019; executivo investe em tecnologia

DANIEL CASTRO

dcastro@noticiasdatv.com

Publicado em 25/3/2022 - 6h45

Fundador da CNN Brasil, o jornalista Douglas Tavolaro tem investido o dinheiro que ganhou com a venda do canal de notícias no desenvolvimento de avatares de repórteres e apresentadores de telejornais. Tratam-se de jornalistas virtuais, que só existem em computadores, mas que escrevem textos noticiosos e apresentam programas como se fossem humanos.

Tavolaro, de 45 anos, deixou a CNN Brasil em 25 de março de 2021, um ano e dez dias depois de colocar o canal no ar, naquele que é considerado um dos maiores lançamentos dos últimos anos e conquistou 11 dos principais prêmios de comunicação do país.

O profissional, ex-vice-presidente de Jornalismo da Record e biógrafo do bispo Edir Macedo, detinha 35% das quotas da CNN Brasil. No começo de março do ano passado, tentou comprar os 65% de Rubens Menin, dono da construtora MRV, seu sócio capitalista. O empresário, desconfiado de que Tavolaro teria a cobertura de outros investidores, decidiu desfazer a sociedade e ficar com 100% do canal de notícias.

Desde então, Tavolaro tem se dividido entre São Paulo, Nova York e Lisboa. Se associou a startups dos Estados Unidos e Portugal que desenvolvem inteligência artificial e projetos de metaverso. Devido a restrições contratuais, ele não pode dar entrevistas nem revelar quais startups são essas.

Eva Byte

A boneca Eva Byte, de 2004, em reportagem exibida pelo Fantástico em 2018

Tavolaro aposta que a tecnologia vai mudar a forma de produzir jornalismo a médio e longo prazos. O uso de inteligência artificial na área não exatamente uma novidade. Já existem programas que produzem textos jornalísticos e experiências com apresentadores virtuais em vários países. No Brasil, o Fantástico já teve a sua âncora digital, batizada de Eva Byte, em 2004.

Os resultados ainda deixam muito a desejar. O desenvolvimento de tecnologia, contudo, tende a criar humanos digitais perfeitos e de alta qualidade para TV digital, aplicativos, sites e serviços de notícias, que oferecem experiências personalizadas aos consumidores. Tudo isso em pouquíssimo tempo.

A atuação de Tavolaro no mercado de startups no exterior não o fez desistir de investir no Brasil no futuro. Ele continua buscando novos investimentos e equipes diferenciadas em empresas disruptivas de mídia. O Notícias da TV apurou que o jornalista deve anunciar um grande empreendimento de mídia em 2023.

Quem é Douglas Tavolaro?

Antes da CNN Brasil, Douglas Tavolaro foi o principal executivo do Jornalismo da Record. Ele ocupou o cargo de vice-presidente de Jornalismo da emissora entre 2009 e 2019. Sob seu comando, o jornalismo da rede de Edir Macedo cresceu vigorosamente.

Ele surpreendeu o mercado em janeiro de 2019 ao anunciar sua saída da Record para trabalhar no licenciamento da marca CNN no Brasil. Deixou a emissora após ter atritos com outros executivos.

Tavolaro começou como produtor de reportagens investigativas para o Domingo Espetacular, em 2004. Ascendeu rapidamente e se tornou diretor de Jornalismo antes de completar 30 anos. Nos últimos anos no cargo, se afastou da Redação para se dedicar à biografia Nada a Perder, de Edir Macedo, e aos filmes decorrentes dos livros.

Sua passagem pela CNN Brasil foi marcada pela ousadia. Tirou importantes nomes da Globo, como Monalisa Perrone e Márcio Gomes, e ganhou o reconhecimento de executivos da CNN americana. Randall Stephenson, então CEO global da AT&T, controladora da CNN, considerou a CNN Brasil o mais bem-sucedido licenciamento em todo o mundo nos últimos 35 anos.


Leia também

Enquete

Qual a melhor novela no ar atualmente?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.