Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

ANA THAÍS MATOS

Perseguida, comentarista da Globo desabafa após condenação de Robinho

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM E DIVULGAÇÃO/SANTOS FC

Montagem com a comentarista Ana Thaís, à esquerda, e o jogador Robinho, à direita com a camisa do Santos

Ana Thaís Matos fez desabafo após nova condenação do atacante Robinho por estupro na Itália

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 10/12/2020 - 20h01

Comentarista do Grupo Globo, Ana Thaís Matos fez um longo desabafo nesta quinta-feira (10) após o Tribunal de Apelo de Milão condenar o jogador Robinho a nove anos de prisão por estupro, confirmando a decisão tomada em primeiro grau, em 2017. Ela foi perseguida e atacada por torcedores há dois meses, quando se posicionou contra a contratação do atacante pelo Santos.

Na época, Ana e outros colegas do Grupo Globo, como Carlos Cereto e Rodrigo Capelo, receberam ameaças e ataques de torcedores santistas depois que o ge.com produziu uma reportagem em que deu detalhes sobre o caso de Robinho.

O jogador e cinco amigos foram acusados de estuprarem uma jovem de origem albanesa em uma boate em Milão, em 2013, quando ele atuava pelo Milan. A defesa dele já informou que vai recorrer à Suprema Corte de Cassação, a terceira e última instância da Justiça italiana, equivalente ao STF (Supremo Tribunal Federal) no Brasil.

Hoje, com a confirmação da pena do jogador a nove anos de prisão, a comentarista do SporTV publicou um longo desabafo no Twitter em que reforçou a luta contra os casos de abuso sexual contra as mulheres e disse que não foi impedida de falar, por exemplo, sobre as denúncia de assédio contra Marcius Melhem, ex-chefe do Humor na Globo, acusado por Dani Calabresa e outras atrizes da emissora.

"Eu, enquanto jornalista no esporte, falo sobre todo e qualquer caso que envolva a representatividade da mulher no âmbito esportivo e nos canais que presto meus serviços. Nas redes sociais eu falo se eu quiser de outros casos, como já falei do caso Marcius Mellhem", afirmou.

"Sobre o caso do ex-jogador do Santos - à época condenado em 1ª instância - eu falei sobre como não importa o que esses caras façam, a forma como o futebol enxerga a mulher é ao lado do entretenimento pra marmanjo. Uma condenação por estupro não era o suficiente pra [acabar com a] idolatria", desabafou.

"A luta não é contra o time A, time B, defender a emissora em que eu trabalho, defender macho escroto nenhum. A luta é pra acabar com a violência de todas as formas contra nós mulheres, e não precisamos reforçar todos os dias 'somos feministas, defendemos as mulheres, ele não'. Acordem!", completou a comunicadora.

Repórter do Grupo Globo, Amanda Kestelman lembrou que Ana Thaís teve seu número de celular vazado nas redes sociais na época da contratação de Robinho e foi obrigada a desativar sua conta no Whatsapp. Com isso, não pôde ser avisada do agravamento da doença de seu pai, que estava internado e acabou morrendo dias depois.

Outra jornalista que sofreu ataques e tentativas de intimidação nas redes sociais foi Marília Ruiz. Comentarista do Grupo Bandeirantes, ela disse que, por ter criticado a contratação do atacante pelo time paulista, foi "hackeada, ameaçada, assediada moralmente" e teve de abrir 62 boletins de ocorrência. "Melhorem. Apenas melhorem. Aqui o medo não vai me parar", reiterou.

Veja os tuítes de Ana Thaís e Marília Ruiz:


Leia também

Enquete

Você gostou dos primeiros capítulos de Verdades Secretas 2?

Web Stories

+
Bolsonaro virou chacota na Globo! Nos Tempos do Imperador coleciona indiretasMitomaníaco, sem noção ou exibido? 5 vezes que Gui Araujo falou demais em A FazendaDe vendedor de pastéis a diretor de cinema: Por onde anda o elenco de Malhação 2008?Como aconteceu acidente com Alec Baldwin que matou fotógrafa no set de novo filmeCinco casais que se formaram no Casamento às Cegas Brasil e você não sabia

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas